O Mackenzie e seu professor de ideologia de gênero

Julio Severo

O UOL, em sua seção sobre assuntos infantis, tratou da ideologia de gênero na reportagem intitulada “Nome neutro não basta para uma criação sem estereótipo de gênero, mas ajuda.”

O título não deixa dúvida de que, para a militância homossexual, cultivar a neutralidade de nomes para crianças é um primeiro passo insuficiente, reconhecendo a necessidade de uma luta mais ampla. O artigo foi também publicado pelo Instituto Patrícia Galvão, uma instituição conhecida por defender e promover o aborto.

O primeiro parágrafo do texto é meloso e claramente tenta seduzir o leitor, dizendo: “Mica tem dois anos e apenas os cuidadores, como os seus pais biológicos preferem ser tratados, e a criança sabem o seu sexo. Um dia, Mica sai com um vestido rosa cheio de babados e, no seguinte, com um bermudão azul. Fora o visual, nem mesmo seu nome entrega seu gênero de nascimento, porque [sua cuidadora] escolheu um nome que soasse neutro.”

A criança, que sofreu a imposição de um nome neutro, foi chamada de Mica, por pais que preferem igualmente os nomes neutros “cuidadores,” em vez de pais.

Por imposição da confusão dos pais, a crianças é adaptada e doutrinada para maiores confusões sexuais e sobre papéis sexuais.

O UOL também apresenta outro casal que foi ideologicamente doutrinado a impor a neutralidade sexual para seu filho pequeno. A mãe diz: “Todo dia, quando ele vai para a escola, preciso conversar com ele de novo sobre como não existe brinquedo de menino ou de menina. Existe brinquedo de criança.”

Talvez a pior parte da matéria foi a chancela de um professor na mais importante universidade calvinista do Brasil.

De acordo com o UOL, Marcelo Moreira Neumann, professor de psicologia na Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo, e um dos autores da pesquisa “Bullying Homofóbico e Desempenho Escolar,” disse que a neutralidade no registro facilitaria de maneira prática a vida de uma pessoa que não se identificasse com o gênero de nascimento.

“O indivíduo não teria de passar por um processo jurídico caso fosse transgênero nem enfrentaria situações vexatórias relacionadas ao nome,” fala o especialista.

A neutralidade no registro facilitaria de maneira prática os objetivos do ativismo homossexual.

A mera presença de Marcelo como professor numa universidade evangélica é vitória para os homossexualistas e derrota para os evangélicos, que deveriam evangelizar, não contratar, propagandistas da imposição da ideologia de gênero para crianças.

Quando Marcelo escolheu como designação na matéria do UOL “professor do Mackenzie,” fatalmente comprometeu a instituição, que, por ser abertamente confessional (Universidade PRESBITERIANA Mackenzie), escolheu contratar um professor que é militante da ideologia de gênero. O caso não é que ele merece ser demitido do Mackenzie. Ele nunca mereceu ser contratado.

A culpa não é dos contratados. É dos contratantes que escolhem muito mal seus candidatos de emprego.

O Mackenzie de fato tem um grande nome no Brasil, e esse nome tem sido ostentado por professores abortistas, marxistas e homossexualistas na defesa de seus males ideológicos.

O que acho fascinante é que o Mackenzie, com toda a sua confessionalidade calvinista, e líderes calvinistas que têm poderes de decisão para parar toda essa bagunça, são muito rápidos e afiados para atacar o crescimento conservador produzido pelos neopentecostais no Brasil, conforme mostrado recentemente pelo site noticioso islâmico Al Jazeera, onde um professor do Mackenzie criticou o crescimento neopentecostal que está levando a política brasileira para a Direita. Mas não têm a mesma força contra ameaças reais em sua própria instituição.

O que esperar de uma instituição confessional calvinista que envergonha o testemunho cristão com professores que atacam o conservadorismo, elogiam a ideologia de gênero, o aborto e o marxismo?

Versão em inglês deste artigo: Brazil’s Mackenzie Presbyterian University and Its Gender Ideology Professor

Fonte: www.juliosevero.com

Leitura recomendada sobre a Universidade Presbiteriana Mackenzie:

Professor do Mackenzie ataca crescimento do conservadorismo no Brasil

Universidade Presbiteriana Mackenzie e seu professor marxista

O Mackenzie e sua professora abortista

Por que fazer teologia no Mackenzie?

Universidade Mackenzie critica Teologia da Missão Integral?

(Ainda!) Jean Wyllys no Mackenzie

Vaias e clima de hostilidade marcam presença de Jean Wyllys no Mackenzie

Jean Wyllys no Mackenzie

Universidade Presbiteriana Mackenzie: esquerdismo e cessacionismo

Surpreendido com a Voz de Deus: Julio Severo refuta teólogo da Universidade Mackenzie que nega que Deus concede hoje profecia e outros dons sobrenaturais

Uma Resposta a Augustus Nicodemus e seu artigo “Crise Crescente por Trás da História de Sucesso Evangélico do Brasil”

“Apóstolos” da TMI reunidos no Mackenzie

Foto sugestiva: Almoço no Mackenzie com um notório esquerdista

O que foi que fizeram com nosso querido Mackenzie?

Caio Fábio, IPB e TMI

Leitura recomendada sobre a ideologia de gênero:

Doutrinação de gênero nas escolas: o perigo vem de longe

Uma nova Reforma para contra-atacar as grandes portas do inferno?

Triunfo estatal contra a família: Congresso Nacional reforça proibição à educação escolar em casa

Quem comete “abandono intelectual”: as escolas públicas ou os pais que educam?

A Marca da Besta: A Educação do Futuro

Por que os políticos não querem mandar seus filhos às escolas públicas?

Desmascarando a agenda de controle populacional global

Chega de brinquedos somente para meninos ou meninas?

O Garotinho que Virou Heroína

Lavagem cerebral infantil: Escolas de São Paulo começam “diversidade sexual” entre meninos e meninas

Crianças: inocentes peões da tirania ideológica

Pais como instrumentos para entortar sexualmente os filhos

Ministra da Inglaterra diz: Meninos Devem Brincar Com Bonecas

Loucura da diversidade sexual: pré-escola da Suécia proíbe que crianças sejam tratadas como meninos e meninas

TV russa denuncia programa infantil sueco como símbolo da decadência ocidental

Violência contra crianças: quem é o grande culpado?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s