Audiência do Congresso dos EUA Examina Genocídio de Bebês do Sexo Feminino na Índia

Audiência do Congresso dos EUA Examina Genocídio de Bebês do Sexo Feminino na Índia

Lisa Correnti
WASHINGTON DC, EUA, 13 de setembro (C-FAM) Dá para descobrir a origem da matança generalizada de meninas na Índia por meio de aborto de seleção sexual e infanticídio nos programas coercivos instituídos por alarmistas populacionais, agências da ONU, grupos de aborto e países ricos, inclusive os EUA.
“Aborto de seleção sexual — uma política violenta, nefasta e deliberada imposta no mundo pelo movimento pró-aborto de controle populacional — não é acaso algum,” disse o congressista Chris Smith, presidente da subcomissão sobre África, Saúde Global e Direitos Humanos.
A audiência de Assuntos Externos da Câmara dos Deputados sobre “Meninas Faltantes da Índia” examinou práticas discriminatórias sexuais e as consequências da torcida proporção sexual de mais de 37 milhões de meninas sendo abortadas, ou mortas por suas mães ou membros da família logo após o nascimento.

“Seleção sexual desenfreada em décadas recentes criou um genocídio,” testificou o Dr. Sabu George. “Mais meninas na Índia e China são eliminadas anualmente do que o número de meninas que nascem nos EUA,” continuou ele. O Dr. George tem trabalhado na Índia há 28 para proteger as meninas de negligência, infanticídio e seleção sexual.

O Dr. George pediu que os congressistas impedissem as empresas americanas de tirar proveito de exploradoras práticas de seleção sexual na Índia, tais como o Google veiculando anúncios comerciais que promovem turismo de seleção sexual. Testemunhas contaram da General Electric vendendo milhares de máquinas de ultrassonografia para clínicas particulares apesar de que a seleção sexual é ilegal em hospitais públicos.
Para entender como o aborto de seleção sexual se espalha globalmente, Matthew Connelly, professor da Universidade de Columbia, investigou políticas inspiradas pelo mito da explosão populacional de autoria de Paul Ehrlich, biólogo da Universidade de Stanford. O chamado de Ehrlich por métodos para decidir o sexo dos bebês como um jeito de reduzir a população estimulou a abertura do primeiro departamento reprodutivo numa faculdade de medicina da Índia. As Fundações Ford e Rockefeller o financiaram.
Sheldon Segal, então presidente do Conselho de População, instruiu médicos indianos sobre decidir seleção sexual fetal com o propósito de redução populacional. Programas coercivos de controle populacional eram administrados por meio da Federação de Planejamento Familiar, o Fundo de População da ONU e a USAID.
“Enquanto essas organizações se recusarem a encarar sua história, elas serão vulneráveis a acusações de que estão ainda tentando controlar as pessoas, em vez de lhes dar direitos,” testificou o professor Connelly.
Jill McElya testemunhou infanticídio de meninas enquanto estava trabalhando no Sul da Índia em 2009. A fundadora do Projeto Menina Invisíveldisse à comissão acerca de mulheres matando suas meninas recém-nascidas porque seus maridos e parentes queriam ter filhos do sexo masculino.
McElya disse que o déficit no número de mulheres para homens gera agressões sexuais, tráfico de meninas para prostituição e casamentos de meninas.
A Índia tem uma lei nacional que proíbe escolha de sexo. Mas a prática continua devido a uma falta de vontade política a nível estatal para fazer cumpri-la, disse McElya. Ela acredita que os EUA deveriam exigir um relatório anual de prestação de contas dos países, semelhante ao que se exige na questão do tráfico sexual, para motivar os países a terminar os abortos e infanticídios de seleção sexual.
Mallika Dutt disse à comissão sobre passar a noite num hospital caçando ratos para impedi-los de se alimentar das mulheres que haviam sido queimadas pelo marido ou parentes por causa de dotes insuficientes. Dutt, presidente de Breakthrough, trabalha em nível comunitário para educar sobre o valor de meninas e mulheres e pelo fim da preferência por meninos.
Embora a organização de Dutt defenda o fim da “seleção sexual de meninas,” ela é firme na posição de que o aborto não deve ser restringido.
O Deputado Smith desafiou a senhorita Dutt já que 2 milhões de meninas são abortadas anualmente. “O preconceito contra as meninas e mulheres… começa no útero,” disse Smith.
Fonte: Friday Fax
Leitura recomendada:

Um comentário sobre “Audiência do Congresso dos EUA Examina Genocídio de Bebês do Sexo Feminino na Índia

  1. O mais paradoxal nessa história é que o Hinduísmo é uma das religiões onde mais condenações explicitas faz em suas escrituras à prática do aborto. Só para citar algumas passagens:"O pecado acumulado por um aborto é duas vezes maior que o pecado cometido por matar um brahmana (a casta dos lideres religiosos). Não há expiação por esse pecado." (Parashara smriti 4,20; como por 1,24 este dharmasastra é especificamente destinado a Kali Yuga ou idade das Trevas = nossa era atual.)Uma mulher se torna um pária (espécie de excomungado do Hinduismo) pela aquisição de aborto. (Gautama dharmasutra 21,9)"Quem provoca aborto vai para o inferno Rodha (ou de obstrução)." (Visnu Purana 2.6.)"O aborto intencional e ódio ao marido são grandes pecados em mulheres, sem qualquer expiação." (Garuda Purana 1.105.48)Abraço.Juliano

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s