Críticas maldosas a Ana Paula Valadão e a nossa infelicidade

Críticas maldosas a Ana Paula Valadão e a nossa infelicidade

Dra. Marisa Lobo
Há tempos venho percebendo o quanto nosso povo tem se alfinetado nas redes sociais. Para algumas pessoas, criticar quem está no topo pode ser apenas uma forma de vingança, de uma incompetência pessoal e/ou ministerial.
Criticas construtivas são necessárias e muitas vezes por causa delas podemos melhorar muitas coisas que fazemos e/ou pensamos. Mas quando a critica é apenas destrutiva temos que nos preocupar, pois ela só conseguirá ferir e escandalizar. Assim, em nada contribuirá para o crescimento do evangelho.
Esse comportamento humano é muito preocupante, pois pode ser decorrente de pré-conceitos infundados, vindo de mentes negativas e pessimistas, que muitas vezes escondem um fanatismo religioso que em nada tem a ver com defesa do evangelho.
Ana Paula Valadão: vítima constante de críticas maldosas de cristãos negativistas

Críticas muitas vezes são projeções de nossos conteúdos, um mecanismo de defesa do ego, uma forma de realizar um desejo — que neste caso é o de ferir respaldado em uma pseudo obrigação que alguns acham que têm de defender a qualquer custo o evangelho, mesmo que seja ferindo seu irmão.

Como defesa, alguns criticam quando na verdade gostariam de estar fazendo exatamente o que a outra pessoa faz e ou ter a coragem e oportunidade de estar nesta situação onde o outro é destaque.
Críticas muitas vezes são conteúdos projetados no outro, por ciúmes, inveja sentimentos de frustração, medo, complexos e elas sempre vêm acompanhadas de uma explicação deturpada da realidade com pré-conceito e a prova dessa verdade é que muitas vezes são destrutivas. Quem critica, não se importa em como o outro se sentirá, achando que tem o direito de ferir o outro e, pior ainda, usando como respaldo os ensinamentos de Cristo.
Observei como psicóloga algumas críticas em nosso meio feita por nós mesmos e percebi que muitas são desonestas, falaciosas e apenas para polemizar. Algumas até tem boas intensões, mas se perdem no ideal e na forma.
Minha mente voltou ao primeiro século da era cristã, e por uns minutos fiquei imaginando o quanto Cristo deve ter mexido com o fanatismo religioso daquela época, com o senso critico. Por esse motivo, O crucificaram. Quem era Cristo para ousar ferir a tradição judaica e a religiosidade tão enraizada? Imagino hoje Jesus dizendo “Pai perdoe, eles não entenderam nada”.

Medo do novo

O sucesso do outro nos afronta, mas somente quando não estamos seguros do que nossa fé representa para o mundo e para nós mesmos. Se conhecêssemos a Cristo como falamos, não criticaríamos tanto nossos irmãos por diferenças de gosto, opiniões e ministérios.
O desejo de se importar com o que está acontecendo na vida do outro, de se meter na vida do outro, de maliciar, de interpretar de forma negativa tudo que o outro faz, ou pelo menos de quem está na mídia, já está se tornando um caso de saúde mental. Isso é muito preocupante.
Há coisas que até podemos discutir, como letra de música, estilo ministerial, mas nunca com crítica destrutiva e sempre a título de discussão de aprendizado e conhecimento, respeitando as opiniões e atitudes do outro. Até mesmo nós, que estamos levantando o fato, podemos diante das opiniões diversas, mudar nossa maneira de pensar .
Há coisas entre nós que é questão fechada como princípios de fé (Jesus Salvador, aceitar Jesus, santa ceia, mandamentos, trindade, Bíblia Sagrada, etc) e temos que lutar por eles, mas outras coisa têm relação com estilo, modo de ser, gosto pessoal e não necessariamente ferem esses princípios fundamentais do evangelho. Contudo, podem sim estar ferindo o seu orgulho, sua frustração, desencadeando em você sentimentos de inveja, raiva e com isso sim temos que ter auto critica, ou seja, sermos críticos e analisar com intuito de mudar nós mesmos.
Vou usar de exemplo Ana Paula Valadão.
Nas últimas semanas ví mais de 4 críticas publicadas em sites contra a Ana Paula Valadão que em minha opinião foram extremamente infantis. Devido às polêmicas, resolvi ver do que se trata e confesso, fiquei assustada com a maldade de alguns crentes, com o prazer e o ódio destilado em muitos comentários.
Minha pergunta enquanto psicóloga é :
* Como você se sente em criticar tudo que Ana Paula e/ou outra pessoa que está em evidência?
* Criticá-la vai tornar sua vida com Deus melhor?
* Você se sentirá mais feliz, vingada(o)?
* Acredita que o evangelho lucrará com suas críticas?
* As pessoas que viram suas criticas foram edificadas?
* Se a pessoa em questão ficar sabendo que você a criticou, vai se sentir feliz?
* O que mais afeta você neste caso: a defesa do evangelho ou o fato dessas pessoas estarem em evidência profissionalmente e ministerialmente?
* A vida, os exemplos dessa pessoa (vítima das criticas), sua história com Deus, suas lutas e vitórias, seus sacrífícios, fazem diferença na hora de postar sua crítica destrutiva?
* Quando faz suas críticas consegue avaliar que pode estar ofendendo e sendo injusto?
Essas perguntas podem nos levar à reflexão do real motivo de nossas críticas. Estes dias coloquei para discussão em meu Facebook, a letra de uma música e me assustei com os comentários maldosos destinados à cantora. Esse não era o foco, ou seja, quem critica não tem senso crítico. Isso é grave.
O nosso povo “pira” demais, fantasia, demoniza tudo e não se preocupa em ferir, como se a pessoa em questão não tivesse sentimentos. Eu mesma tenho sido muito criticada por líderes que se assustam com minha ousadia. Como vim do mundão mesmo e sou muito atacada pelo mundo, me fecho para não me ferir mais, porém confesso, por diversas vezes quis abandonar minha luta por comentários maldosos de alguns crentes e pela falta de sensibilidade quanto à luta que travamos.
Parece que para alguns, até o sofrimento de alguém quando fica em evidência, fere o ego.
Para encerrar, gostaria de dizer que pastor e pastora gordinhos deveriam sim fazer regime, pois sua vida é preciosa demais para o Reino e a gordura faz mal para saúde, causa infartos, diabete, inúmeras doenças cardiovasculares que podem levar a morte, é fato. Controlar o apetite, ter uma alimentação saudável e se exercitar é muito saudável para todos. Essa é e a verdade que deveria ser incentivada.
Importante: o gesto da família Valadão não é do demônio, nem dos Illuminati! Nem tudo é demônio, mas desrespeitar a família ou a unção das pessoas e ridicularizá-las por uma frase apenas é muita maldade e fanatismo religioso. Não condiz com um cristão e, pasmem, não é isso que vai levá-lo para o céu. Nada de farisaísmos.
Críticas destrutivas podem apenas ser projeções de nossos complexos de inferioridade ou inveja contida, desejo de estar no lugar do outro e/ou ter a coragem que ele(a) tem. Pode representar sua incapacidade de gerir sucesso alheio.
Temos que juntar nossas forças e energias para criticar as forças do mundo que tanto têm afrontado a família de Deus e não perdermos tempos em criticar a nós mesmos. Faça isso em silêncio ou pessoalmente, é mais honesto e digno. Aí sim é construtivo.
Somente o avanço da maldade humana é capaz de negligenciar toda uma vida reta com Deus, por causa de um gesto e ou de uma fala.
Fonte: GospelMais
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:

14 comentários sobre “Críticas maldosas a Ana Paula Valadão e a nossa infelicidade

  1. Eu sinceramente gostaria de entender as reais intenções de Julio Severo. Ele é um dos primeiros a criticar Ana Paula Valadão quando é oportuno, agora passa a defendê-la. Parece que a intenção do "irmão" é apenas semear intriga e sair atirando pra todos os lados, apenas pra ver a queda. E não… não sou valadete, apenas tento ter bom senso.

  2. André, muito ao contrário do que você disse, o único artigo que escrevi sobre Ana Paula Valadão foi defendendo-a de um blogueiro que tem antipatia por neopentecostais. O artigo está aqui:Renato Russo ou Ana Paula Valadão?Mas vi, no seu perfil, que você frequenta uma igreja do Caio Fábio. É natural que você se confunda todo. Não conheço um seguidor de Caio Fábio que não seja confuso. Por favor, leia isto sobre ele:O herético neo-panteísta (outrora o maior pastor presbiteriano do Brasil) e seus fãs apologéticos Um homem perde o bom senso quando segue esse homem envolvido em heresia.

    1. uhuu! escreve o que quer e leia o que não quer… tudo bem que antigamente a Ana Paula andou de “casinho” com os carismáticos, mas eu ainda prefiro ela que a maioria desses cantores por ai.

  3. Maravilhosa posição da Marisa Lobo. Penso assim também. No chamado meio evangélico brasileiro, há uma falta profunda de co-beligerância. O que nos divide fica mais ressaltado do que o que nos une e isso é uma festa para os inimigos do Evangelho que vão seguindo em frente e rindo de nós. Há inimigos comuns que precisam ser combatidos pelos cristãos unidos: corrupção, aborto, ditadura gay, imoralidade, esquerdismo, ateísmo, etc. Quanto mais nós nos engalfinhamos, mais "eles" tomam conta do poder. Abraços!

  4. Dificilmente eu comento os artigos, apesar de se sempre que recebo um e-mail do irmão Julio eu procuro ler com atenção. Pois ainda não vi um artigo que não seja relevante para nosso aprendizado e crescimento como pessoa, e porque não dizer, como cristão? Mas ao ler este artigo, desejei registrar aqui meu apreço e meus parabens a esta materia. Independente dos envolvidos na trama principal, cada Cristão deve refletir suas ações ao encarar frente ao espelho sua propria face. Deus seja louvado

  5. Bom artigo.Ainda sobre essa questão do "pessoal do Caio" e os ataques ao JULIO, quero me posicionar publicamente que sou muito mais o Julio.O Caio é merecedor de nossas orações, pois renegou a genuína fé cristã e tem falado muita abobrinha. Lamentável!!!

  6. Sera q os RECALCADOS do GENIZAH, leram isto? Seria bom… a speto dos segidores do Caio concordo, eu era fâ desse falso profeta, de tanto ele falar mal dos outros comecei a desconfiar da criatura e percebi o q dele ser hoje um CAIDO FRUSTRADO, pois só fala nomes obscenos, e a biblia diz q a boca fala do q o coração esta cheio.

  7. Não acho que devemos criticar uns aos outros, já chega o mundo para nos apontar o dedo o tempo todo, porém não gostei do comentário sobre a pastores e pastoras gordos, cada um sabe de si, ou seja porque não conseguiu emagrecer, talvez esteja doente, sobe tratamento, então se generalizar esta crítica acho que acabamos fazendo aquilo que o mundo faz conosco discriminação…só isso.

  8. Perfeita colocação da Dra. Marisa Lobo! Temos que vigiar para que mesmo inadvertidamente não venhamos a ofender quem quer que seja. Confesso que as vezes eu mesmo " caio do banco" e falho!!! rsrs Ma devemos ter em mente as três peneiras. São estas : 1º Aquilo que vai veicular é é uma coisa boa ? 2º é Útil? 3º é Verdadeiro? irá acrescentar algo a vida de alguém? SE OQ VC PRETENDE ME DIZER NÃO É BOM, NEM É ÚTIL PARA NINGUÉM , OU TAMPOUCO VERDADEIRO , EU NÃO QUERO QUE ME DIGA , E TE ACONSELHO A GUARDA-LA PARA SÍ MESMO , OU IRA DEPOR CONTRA A SUA PRÓPRIA PESSOA.

  9. Sinceramente, eu considero criticáveis certas atitudes da Ana Paula, em particular a tal "unção de leão". Mas não acho que é maldade, creio que isso foi um engano na vida dela.Agora, defender o absurdo Renato Russo, isso é inexplicável. Uma pessoa com idéias tortas até o fim.

  10. Concordo com tudo, mas eu sempre tenho uma duvida (de verdade mesmo, não é de birra) com relação a; até que ponto nós podemos estar sendo omissivos, coniventes e por ser conivente estar ajudando o que é errado a continuar errado e até disseminado-o e em que ponto a gente pode estar exagerando em denunciar o que há de errado?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s