Julio Severo

Uma Resposta Carismática à “Crise Crescente por Trás da História de Sucesso Evangélico do Brasil”

Uma Resposta Carismática à “Crise Crescente por Trás da História de Sucesso Evangélico do Brasil”

Julio Severo trata de conceitos e alvos errados em artigo de teólogo presbiteriano brasileiro

Julio Severo
Em seu blog no “The Gospel Coalition,” o teólogo calvinista brasileiro Augustus Nicodemus Gomes Lopes disse: “Quando Paulo Romeiro escreveu ‘Evangélicos em Crise’ em meados da década de 1990, um livro que se tornou best-seller entre evangélicos brasileiros, ele tratou apenas de um dos muitos modos pelos quais o evangelicalismo está se desmoronando no Brasil: sua incapacidade de deter a propagação da teologia da prosperidade.” (Link: http://archive.is/hjNXb)

Ele menciona “Teologia da Prosperidade” três vezes. Estranhamente, a Teologia da Libertação e sua versão protestante, a Teologia da Missão Integral, estão ausentes do seu texto.

Ainda que a Teologia da Missão Integral seja um problema predominante entre calvinistas brasileiros, Nicodemus foca nominalmente apenas na Teologia da Prosperidade, que é seguida de forma geral por igrejas neopentecostais.
De forma simplista, a Teologia da Missão Integral, que é adotada por teólogos e líderes em grande parte de opulentas igrejas reformadas, é o método que os líderes empregam para ensinar os pobres a buscar o Estado como o provedor de suas necessidades materiais. Em contraste, a Teologia da Prosperidade é de modo geral seguida e praticada nas igrejas neopentecostais brasileiras, onde os pobres são ensinados a buscar a Deus como o provedor de suas necessidades materiais e espirituais.
Basicamente, ambas as teologias vieram dos Estados Unidos. Na década de 1950, o Rev. Richard Schaull, um forte adepto do Evangelho Social dos EUA e mais tarde professor na Universidade Presbiteriana Princeton nos EUA, ensinava no maior seminário da Igreja Presbiteriana do Brasil — a mesma denominação de Nicodemus.

Sua influência, primeiramente na Igreja Presbiteriana do Brasil, foi impactante e ele foi um precursor da Teologia da Libertação. Seu discípulo, o então teólogo presbiteriano Rubem Alves, contribuiu muito para o nascimento da Teologia da Libertação no Brasil na década de 1960.

As igrejas neopentecostais começaram a aparecer no Brasil principalmente no final da década de 1970, quando as audiências evangélicas estavam na maioria sendo influenciadas pelos televangelistas Pat Robertson e Rex Humbard e seus programas famosos “Clube 700” e “Alguém Ama Você.” Além disso, muitos se converteram a Cristo por meio desses programas.
Em meados da década de 1980, líderes protestantes, inclusive Caio Fábio, estavam preocupados que a Teologia da Prosperidade das igrejas neopentecostais estava enfraquecendo o avanço da Teologia da Missão Integral em toda a Igreja Brasileira. Você pode encontrar mais informações em meu e-book gratuito: http://bit.ly/141G7JH
Caio Fábio, que era o líder mais proeminente na Igreja Presbiteriana do Brasil, acabou caindo por graves escândalos sexuais e financeiros no final da década de 1990, depois de seu sórdido trabalho de ajudar o ex-presidente Lula e seu partido socialista, o PT, a atrair os evangélicos.
Os principais inimigos do neopentecostalismo, e sua Teologia da Prosperidade, têm sido protestantes esquerdistas. Ainda que não seja esquerdista, Augustus Nicodemus acha mais fácil atacar nominalmente a Teologia da Prosperidade do que a Teologia da Missão Integral. Quando era chanceler na Universidade Presbiteriana Mackenzie em São Paulo, ele permitia professores de teologia adeptos da Teologia da Missão Integral, mas não se permitia nenhum adepto da Teologia da Prosperidade.
Por que o neopentecostalismo, não a marxista Teologia da Missão Integral, tem sido a grande preocupação dele? Por causa da teologia dele, que tem estado em conflito especial com a vasta maioria evangélica do Brasil. Nicodemus é a principal voz cessacionista no Brasil. O cessacionismo prega que profecia e outros dons sobrenaturais do Espírito Santo cessaram 2000 anos atrás.
Ele tem tido muita dificuldade para entender como as igrejas pentecostais, renovadas e neopentecostais (inclusive católicos carismáticos) estão experimentando um crescimento fenomenal. Nicodemus diz: “De acordo com o recenseamento oficial mais recente, os evangélicos representam quase um quarto da população total do Brasil (22,5 por cento). É um crescimento fenomenal, já que apenas 40 anos atrás eles eram apenas 2,5 por cento.”

O que ele não revelou é que esse crescimento em massa tem tudo a ver com dons sobrenaturais e o Espírito Santo. De acordo com o “The New International Dictionary of Pentecostal and Charismatic Movements: Revised and Expanded Edition” (Novo Dicionário Internacional de Movimentos Pentecostais e Carismáticos, Zondervan 2010), o Brasil tem o seguinte perfil evangélico:

Pentecostais 24.810.921 (31%)
Carismáticos* 33.970.683 (42%)
Neopentecostais 21.168.395 (26%)
Total de renovados: 79.949.999
*Carismáticos abrangem, na grande maioria, católicos renovados e, em minoria, protestantes renovados de igrejas históricas como presbiteriana, luterana, metodista, etc.
De acordo com a Wikipédia, a denominação presbiteriana de Nicodemus no Brasil tem 980.000 membros. Essa estatística não significa que todos os presbiterianos brasileiros são cessacionistas. Muitos deles são renovados.
O cessacionismo de Nicodemus traz outro problema: se profecia e outros dons sobrenaturais hoje entre os cristãos brasileiros não são de Deus, quem está provocando o crescimento pentecostal, carismático e neopentecostal no Brasil? Quem está realizando milagres entre eles? Satanás?
O Brasil é a maior nação espírita do mundo. A feitiçaria, principalmente de origem africana, é abundante. A colisão entre os poderes das trevas dessas religiões ocultistas e as igrejas pentecostais, carismáticas e neopentecostais e seus dons espirituais tem resultado em conversões em massa a Cristo.

Essa colisão é necessária. Como o teólogo calvinista Vincent Cheung disse: “A resposta ao poder sobrenatural demoníaco é maior poder sobrenatural divino. A Bíblia descreve muitos encontros de poder, onde o poder miraculoso de Deus esmagou o poder de Satanás. Considere o confronto entre Moisés e os mágicos, entre Elias e os falsos profetas, entre Jesus e os possessos de demônios, entre Felipe e Simão, entre Paulo e Elimas, e entre Paulo e essa jovem com o espírito maligno no texto que estamos lendo. Paulo expulsou o espírito de adivinhação, e a moça perdeu sua capacidade. Essa é a resposta bíblica aos milagres de Satanás. A solução não é negação, mas discernimento e controle.” (Sermonettes, Volume 7, Capítulo Sete.)

Como cessacionista, Nicodemus prefere a negação e vê muitos problemas no explosivo crescimento pentecostal, carismático e neopentecostal. Ele disse: “Como o evangelicalismo chegou a esse ponto de sucesso e crise simultânea no Brasil? Até mesmo entre igrejas reformadas, nunca se conheceu nem se adotou plenamente a teologia e a prática reformada em nosso país.” Por isso, a crise evangélica se origina do fato de que, como disse ele, não “conheceram as doutrinas da Reforma em sua plenitude e poder.”

Mas o que é necessário para prevalecer nas colisões entre os poderes espirituais das trevas e o poder de Deus? Ser cheio das tradições da Reforma ou ser cheio do poder do Espírito Santo?

Nicodemus também disse: “Ao desdenharem séculos de tradição e interpretação teológica, os evangélicos se acharam vulneráveis a qualquer interpretação, tal como teísmo aberto, teologia da prosperidade, uma nova perspectiva sobre Paulo, e assim por diante.” Nenhuma menção à ameaça mais importante entre as igrejas reformadas do Brasil: a Teologia da Libertação e sua irmã protestante, a Teologia da Missão Integral.
O principal defensor da Teologia da Missão Integral no Brasil é o Pr. Ariovaldo Ramos, pastor da Comunidade Cristã Reformada. Recentemente, ele louvou Hugo Chavez como um herói dos fracos e pobres. Suas proeminentes atividades esquerdistas não têm sido contestadas por Nicodemus e outros líderes reformados.
Na melhor das hipóteses, Ariovaldo permanece em silêncio diante das tentativas do governo socialista do Brasil de legalizar o aborto e aprovar o PLC 122, um projeto de lei que criminaliza a crítica bíblica aos atos homossexuais. Ele apoiou a eleição desse governo. Em contraste, Marco Feliciano, deputado federal e pastor da Assembleia de Deus, tem se expressado publicamente contra o aborto e contra o PLC 122.
Feliciano também apoiou a eleição desse governo. Mas quando surgiu uma colisão entre valores e o governo do PT, ele escolheu valores. Por causa de suas posturas morais públicas, ele tem sido sistematicamente atacado pela Esquerda secular e religiosa, inclusive Ariovaldo.
Num contraste mais sombrio, Nicodemus é membro da ANAJURE, uma organização cristã criada para defender os cristãos e seus direitos civis, cujo presidente deu declarações públicas contra Feliciano. Além disso, em 2010, depois que os ativistas gays protestaram contra um manifesto público contra o PLC 122 no site de sua universidade, Nicodemus ordenou sua remoção, virtualmente se prostrando às exigências gays.
Ao que tudo indica, nada disso tem sido uma preocupação para ele.
Como cessacionista, ele está preocupado apenas com os pentecostais, principalmente com a falta de direção teológica deles. Até mesmo entre as igrejas neopentecostais que praticam a Teologia da Prosperidade, a diversidade de interpretação e práticas é gigantesca. Por exemplo, a denominação neopentecostal mais agressiva do Brasil, a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), é cessacionista, crê em milagres apenas por confissão positiva e oração e rejeita profecia e outros dons sobrenaturais do Espírito Santo hoje. A IURD prega que as manifestações desses dons hoje são demoníacas — uma postura que não difere da postura das igrejas reformadas cessacionistas. O bispo Edir Macedo, fundador da IURD, tem apoiado abertamente o aborto. Mas nesses dois pontos — cessacionismo e aborto —, a IURD tem sido exceção entre as igrejas neopentecostais do Brasil.
Essas diferenças imensas têm uma explicação. De acordo com o Novo Dicionário Internacional de Movimentos Pentecostais e Carismáticos: “A diversidade do pentecostalismo global torna impossível falar de uma teologia pentecostal, principalmente já que uma teologia completamente madura da fé cristã a partir de uma perspectiva pentecostal clássica ainda não foi escrita.” Esse é especialmente o caso do Brasil.
Pelo fato de que ele pensa basicamente em termos teológicos, Nicodemus provavelmente vê pouca esperança para tais igrejas sem teologia. Aliás, para ele isso é uma “crise.” Ele disse: “Não existe saída fácil dessa crise. Contudo, há alguns sinais animadores de mudança que não posso deixar de mencionar. Um deles é o crescimento surpreendente da fé reformada entre pentecostais. Há exemplos inumeráveis de pastores pentecostais se voltando para a compreensão reformada das Escrituras. Às vezes até mesmo igrejas pentecostais inteiras têm passado por essa mudança. Cito aqui um email que recebi algumas semanas atrás de um pastor que era pentecostal: Seu livro Adoração Espiritual [primeiramente publicado em 1998 e agora na sua 5ª edição] fez a nossa igreja inteira parar de falar em línguas e mudou nossa liturgia toda. Até tivemos de mudar a placa de nosso templo de ‘Assembleia de Deus’ para ‘Igreja Reformada.’”

Uma igreja Assembleia de Deus parou de falar em línguas (e possivelmente parou as profecias também), e o cessacionismo ganhou no nome da Reforma. Mas será que isso é vitória espiritual?

Eis a realidade brasileira: Milhões de almas perdidas estão perecendo. O espiritismo é generalizado. A Teologia da Libertação está desenfreada na Igreja Católica. A Teologia da Missão Integral está desenfreada nas igrejas reformadas. E um teólogo reformado está interessado em igrejas abandonando experiências carismáticas e se tornando reformadas?
Essa é uma preocupação frívola e irresponsável.
Durante décadas, a Teologia da Missão Integral — sem mencionar a maçonaria — tem sido um grande problema entre as igrejas reformadas, e a grande preocupação de Nicodemus é o crescimento das igrejas pentecostais, renovadas e neopentecostais?
Recentemente, meu blog expôs o cessacionismo de Nicodemus, e um de seus fãs comentou que se a preocupação dos cristãos opostos ao cessacionismo é cura, visão e profecia, eles deveriam visitar centros espíritas para ver tudo isso. Assim, a falsa doutrina de Nicodemus e outros teólogos reformados tem inevitavelmente levado seus seguidores a ver apenas “espiritismo” nas igrejas pentecostais, renovadas e neopentecostais do Brasil.
Essa é uma descrição grosseira e enganosa não só do poder de Deus, mas também de seu papel essencial no crescimento fenomenal da Igreja Evangélica Brasileira.

Faria sentido você estar vivendo na França se o problema mais importante que você vê nessa nação é sua língua?

Por que você viveria na França se você não gosta de francês? Você tentaria converter as pessoas que falam francês em pessoas que falam português? O Brasil não é a França, mas sua população evangélica é vastamente pentecostal, e Nicodemus quer transformá-los em reformados e, assim espera ele, em cessacionistas.
Igrejas pentecostais se transformando em igrejas reformadas acarreta ciladas reformadas.
Sim, o contato reformado poderia ser útil para os pentecostais no Brasil, mas primeiro os líderes reformados precisam renunciar, denunciar e lutar contra a Teologia da Missão Integral que predomina entre eles. Caso contrário, maior contato reformado para os pentecostais só trará mais da mesma crise e confusão com as quais as igrejas pentecostais, renovadas e neopentecostais começaram a se contaminar no final da década de 1990 por literatura e conferências de Caio Fábio, Ariovaldo Ramos e outros líderes reformados defensores da irmã protestante da Teologia da Libertação.
Entre as igrejas reformadas (presbiterianas, calvinistas), a contaminação começou na década de 1950! Há uma crise esquerdista empesteando as igrejas reformadas do Brasil, mas Nicodemus e outros líderes que têm treinamento teológico se recusam a lidar com isso de forma direta. O Brasil é um berço da Teologia da Libertação. Mesmo assim, Nicodemus nunca a mencionou em seu artigo elaborado para apontar apenas a crise por causa do pentecostalismo.
Na década de 1990, frequentei uma igreja presbiteriana, da mesma denominação de Nicodemus. Eles se preocupavam muito com a Teologia da Prosperidade. Para se protegerem, todas as igrejas presbiterianas da região incentivavam assinaturas coletivas da revista Ultimato — a principal voz presbiteriana do Brasil em favor da Teologia da Missão Integral.
Durante anos, tenho denunciado a Ultimato — que tem sistematicamente atacado os conservadores. Mas Nicodemus e seus camaradas cessacionistas nunca a denunciaram do jeito que denunciam os neopentecostais.
Há uma crise reformada na Europa e nos Estados Unidos, onde as grandes denominações estão ordenando pastores gays e liderando boicotes contra Israel. O liberalismo e o esquerdismo têm se introduzido lentamente em grande parte sem oposição, e o resultado é apostasia generalizada. E desde o seu início no Brasil, o movimento de Teologia de Missão Integral tem proeminentes líderes reformados.

Se o cessacionismo é uma venda nos olhos, isso explica por que até mesmo líderes reformados não esquerdistas como Nicodemus são incapazes de combater a Teologia da Missão Integral do jeito que eles sistematicamente combatem a Teologia da Prosperidade e outras práticas pentecostais, inclusive a Marcha para Jesus, que é liderada por neopentecostais opostos ao aborto e ao PLC 122. A Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB) tem um evento semelhante no Rio de Janeiro, chamado “Caminhada Presbiteriana pela Cidadania.” Essa marcha tem como sua missão oficial aumentar a visibilidade da IPB e da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

A “Caminhada Presbiteriana pela Cidadania” tem tido uma parceria com espiritas e religiões afro-brasileiras. Seu líder, o Rev. Marcos Amaral, expressou publicamente seu desejo de vida longa para Hugo Chavez e um derrame para Marco Feliciano, porque o pastor pentecostal é odiado pelos esquerdistas seculares e protestantes por causa das posturas conservadoras dele sobre aborto e homossexualidade. Aliás, o Rev. Amaral chegou até a se unir a proeminentes esquerdistas seculares para protestar contra Feliciano. Nicodemus tem um artigo criticando pesadamente a Marcha para Jesus, mas nenhum artigo contra a marcha presbiteriana liderada pelo Rev. Amaral.
Os pentecostais de fato precisam de ajuda, principalmente porque estão sob ataques pesados de calvinistas e secularistas esquerdistas. No entanto, os líderes reformados realmente têm a resposta certa e completa?
E quanto à cegueira cessacionista e a Teologia da Missão Integral?
Há libertação dessas ciladas reformadas no Brasil? Sim — ser cheio do poder e conhecimento do Espírito Santo.
Leitura recomendada:

Teologia da Libertação e neopentecostalismo: o grande desafio da igreja evangélica do Brasil

Teologia da Libertação e neopentecostalismo: o grande desafio da igreja evangélica do Brasil

Julio Severo
Tradicionalmente, as grandes teologias, boas ou ruins, vieram da Europa e EUA.
A única grande teologia que veio de fora da esfera europeia e americana foi a Teologia da Libertação, que predomina na América Latina, principalmente no Brasil.

A Teologia da Libertação traz, em roupagem mais ou menos cristã, a ideologia socialista — que, basicamente, coloca o Estado socialista como o grande provedor no lugar de Deus.

A vasta maioria dos cristãos no Brasil, que são pentecostais e neopentecostais, não tem condições de conhecer a realidade por traz das constantes infiltrações socialistas nas igrejas. Eles nem mesmo sabem o que é socialismo. E se tiverem interesse real de saber, o lugar menos indicado para conhecer é a livraria evangélica, com livros vindo de editoras em grande parte na onda dessa ideologia.
Em livreto inédito, traço as origens desse movimento no Brasil e como seus líderes reconhecem publicamente que a única força que conseguiu desafiar a Teologia da Libertação foram as igrejas neopentecostais.
Aliás, a esquerda brasileira admite que as igrejas neopentecostais são hoje o único impedimento para o avanço de sua ideologia esquerdista.
Meu livreto ajudará você a compreender os desafios da igreja evangélica brasileira diante da Teologia da Libertação e o nepentecostalismo.
Faça agora mesmo o download do meu livreto “Teologia da Libertação versus Teologia da Prosperidade”. Faça o download gratuito neste link: http://bit.ly/141EUC7
Divulgue-o na sua igreja e outros lugares.
Envie-o aos amigos.
Publique-o e distribua-o nas igrejas e outros lugares.

“Robinson Cavalcanti, o pecado veio cobrar a sua conta”

“Robinson Cavalcanti, o pecado veio cobrar a sua conta”

Uma resposta pública a Renato Vargens e aos defensores de suas incoerências

Julio Severo
Nota: Antes que os liberais tentem me apedrejar, o título deste artigo pertence a Renato Vargens, que usou originalmente as mesmas palavras, mas citando outro nome, que para ele sofreu as consequências de seu próprio pecado. Peço a paciência dos leitores, pois o texto é longo porque preciso responder a vários críticos e acusações. Para ler meu artigo original sobre Vargens, é só clicar aqui.
“Eu creio que a teologia da libertação deu uma contribuição muito importante ao cristianismo… dando uma abertura positiva à reflexão marxista”. — Dom Robinson Cavalcanti em seu livro A Igreja, o País e o Mundo, da Editora Ultimato.
Essa citação, um claro posicionamento reafirmado ao longo de toda a sua trajetória religiosa e política, seria o suficiente para colocar o bispo anglicano, tragicamente assassinado pelo próprio filho, na mira dos inúmeros críticos do mundo gospel enquanto estava vivo. Por incrível que pareça, Cavalcanti nunca enfrentou oposição por tal postura ideológica. Por algum motivo, os críticos estavam tão ocupados que não viram os problemas sérios do bispo, seja no seu apoio à agenda esquerdista anticristã, seja no seu descarado liberalismo teológico.

Teologia da libertação sexual e poligamia

Para piorar, o bispo enfiava sua ideologia em todas as suas atividades “ministeriais”. Em seu livro “Libertação e Sexualidade”, ele consegue destacar Karl Marx, Rubem Alves e Gilberto Freyre, mencionando de forma muito positiva o Relatório Kinsey como confiável referência científica sobre sexualidade.
Rubem Alves é um dos pais da Teologia da Libertação. Talvez, levando isso em consideração, o título mais apropriado para o livro de Cavalcanti devesse ser “Teologia da Libertação Sexual”. Kinsey era um depravado cujas pesquisas supostamente científicas foram desmascaradas como fraudulentas.
Da página 77 a 108, “Libertação e Sexualidade” trata exclusiva e abundantemente da poligamia, de forma positiva. Cavalcanti disse:
Continuo a anunciar um Deus libertador, que ama seus filhos e filhas, e não um Deus policial, desmancha-prazeres, guardião das tradições repressivas (p. 10).
Considerando o contexto ideológico, podemos ler o texto dele da seguinte forma apropriada: Continuo a anunciar um Deus da Teologia da Libertação, que ama seus filhos e filhas, e não um Deus policial, desmancha-prazeres, guardião das tradições repressivas (união conjugal apenas entre um homem e uma mulher?).
Em vez de ser condenado e repreendido publicamente por suas loucuras e aberrações, o bispo anglicano foi divulgado, ou por propaganda ou por silêncio — “quem cala consente”. Durante anos, a revista Ultimato o teve como colunista de destaque. Mais recentemente, um dos seus grandes propagandistas foi o tabloide sensacionalista Genizah. O resultado não poderia ter sido diferente, como disse o próprio Cavalcanti: “Meu livro foi usado como texto básico para grupos de estudo e lição para Escola Dominical em Igrejas de várias denominações” (página 9). Ele estava consciente de que seu liberalismo teológico estava sendo usado e promovido como respeitável referência em muitas igrejas.

Cavalcanti não era um conservador teológico

Embora o mundo gospel esteja repleto de críticos, cujo alvo preferido parece ser Silas Malafaia e outros televangelistas neopentecostais, Cavalcanti escapou ileso de críticas. Um dos únicos que tiveram coragem de criticar foi o jornalista Edson Camargo, editor do Mídia Sem Máscara, que disse:
A teologia de Robinson Cavalcanti, bem como algumas de suas posições em relação à família e à sexualidade também afrontam não só o conservadorismo, mas também o cristianismo histórico. Sobre a monogamia, ele afirma:
O ideal existe, mas sua manifestação histórica pode ferir outros tantos ideais divinos: sanidade, amor, fé, pois a monogamia pode ser, em muitos casos, apenas aritmética (1+1) e não qualitativa. A manutenção de outros ideais divinos tem levado, por sua vez, à necessidade de modelos não-monogâmicos que tornam possível a preservação e a promoção daqueles outros valores e idéias diante da impossibilidade histórico-conjuntural da simultaneidade de todos os valores (p. ex. Israel no Antigo Testamento. (no e-book Libertação e Sexualidade, págs. 71 e 72)
É claro que ele omite a passagem bíblica em que Jesus Cristo reafirma aos fariseus a prescrição divina irrevogável: Deixará o homem pai e mãe e se unirá a sua (no singular) mulher, tornando-se os dois uma só carne. Também não fala do padrão paulino para bispos e diáconos: maridos de uma só mulher.
Antes, a preocupação de Cavalcanti é meramente igualitarista, e acarreta na hipótese de que Deus estabeleceria padrões de conduta impossíveis de serem vivenciados ao longo da história:
O ideal divino, edênico, seriam as uniões monogâmicas? Sim, mas para todos. Ou seja, a exigência de absolutização desse modelo seria legítimo historicamente quando, concomitantemente, houvesse as condições objetivas para que todos a usufruíssem, não ficando ninguém sem casar, conforme, igualmente, o ideal edênico. Não seria teologicamente correto, nem eticamente honesto, exigência de um aspecto sem levar em conta a totalidade da Ordem da Criação. (Libertação e Sexualidade, pág 72)
Aqui fica óbvia a transposição da mentalidade “socialista democrática” de Cavalcanti para a esfera teológica, com todas as suas nefastas conseqüências de ordem espiritual e moral. “Só não é pecado se todos tiverem o mesmo direito”. Mas nada apóia esse raciocínio comunistóide nas Escrituras. “As manifestações sociais do pecado, as perversões, como as guerras, as epidemias, as enfermidades, os acidentes, as desigualdades, os preconceitos, têm tornado impossível o outro lado desse ideal”, afirma o bispo no parágrafo seguinte. Como se a presença do pecado no mundo pudesse relativizar a ordenança divina, única fonte da qual se pode entender a noção mesma de pecado. A ilogicidade da assertiva raia o ridículo.
Esse é o verdadeiro e conhecido Robinson Cavalcanti, ainda que faça boas críticas à ditadura gay (que, na verdade, ajudou a forjar, pois sempre se empenhou para que os evangélicos brasileiros apoiassem candidatos esquerdistas).

Um teólogo da poligamia que não era criticado pelos críticos do mundo gospel

Depois do assassinato do bispo vermelho pró-poligamia, Ariovaldo Ramos, em artigo no Genizah, prontamente o elogiou como “profeta”. Ariovaldo é o mesmo homem que disse: “A Teologia da Missão Integral é uma variante protestante da Teologia da Libertação”. Além de todo um histórico de apoio ao PT e ao MST, Ariovaldo já chegou a defender o aborto.
Para Renato Vargens, a morte do bispo foi uma “grande perda”, conforme foi exposto. Em que sentido? Sem Cavalcanti por perto, não haverá mais ninguém para pregar a Teologia da Libertação ou Missão Integral? Há outros “profetas” por aí para pregar esse “evangelho”. Mas não há muitos pastores ousados o suficiente para justificar a poligamia. Nesse ponto, Robinson Cavalcanti era a autêntica referência da “vanguarda revolucionária”, como dizem os militantes da extrema-esquerda.
Teria sido louvável se Vargens tivesse dito: “Lamento a morte do bispo, mas lamento também todos os erros que ele disseminou nas igrejas do Brasil”.
O mesmo Vargens que escreveu “Amy Winehouse, o pecado veio cobrar a sua conta” não teve coragem, coerência e honestidade de dizer: “Robinson Cavalcanti, o pecado veio cobrar a sua conta”. Pelo contrário, Vargens escreveu não um, mas dois textos em favor do bispo morto. O que teria demais em dizer que o assassinato horrendo do bispo foi o preço de seu amor aos seus pecados de marxismo e liberalismo teológico? Vargens preferiu seguir a multidão.
Eu preferi não seguir a multidão. Em vez de seguir a procissão evangélica ao “profeta” morto e dizer que a morte dele foi uma “grande perda”, deixei claro que o “profeta” provocou grandes perdas na igreja brasileira. Essas perdas são de conhecimento público. Ainda assim, fui considerado insensível e agressivo por autoproclamados apologetas, que estão mais preocupados com bajulações do que com a verdade.
Por tal “profanação”, Danilo Fernandes, dono do Genizah, me xingou publicamente no seu blog laranja Observador Cristão. Por sua vez, Renato Vargens prestou total simpatia e solidariedade à morte do bispo, chegando a se queixar de “desdém e desprezo” contra o morto, sem citar nomes. Embora eu tenha sido um dos únicos a não prestar solidariedade pública ao “profeta” morto, meu texto não trouxe nenhum desdém.
Se eu usasse o estilo do Vargens, eu teria com certeza dito: “Robinson Cavalcanti, o pecado veio cobrar a sua conta”.
Mas Vargens só usa seu estilo peculiar para aqueles que estão na sua mira. Cavalcanti & Cia nunca estiveram na lista negra dele e do Genizah.
Em contrapartida, eu e o filósofo Olavo de Carvalho estamos há muito tempo na lista negra do Genizah. Somos alvo de calúnias, grosseiras e xingamentos, mas nunca de objeções coerentes e dignas de cristãos. E ninguém entre os teólogos, líderes de denominações e outros “apologetas” diz um “a” sobre a conduta vergonhosa de Danilo Fernandes e sua quadrilha. Por aí se vê a “coragem” e o “zelo” dos “apologetas” diante de um desafio real.

O “evangelho” de Karl Marx

Eu realmente não tenho como dizer que foi uma grande perda a morte de um homem que pregava marxismo e poligamia.
Não vejo como um homem que é fiel à Palavra de Deus em todas as questões da vida possa dizer que o fim de alguém que justificava comunismo e poligamia teria sido uma “grande perda” para a igreja brasileira, cujo interesse e ocupação deveria ser proclamar o Evangelho em toda a sua pureza.
Mas, por amor à ficção, vamos imaginar um Cavalcanti que não justificava a poligamia. Vamos imaginar que ele pregava um evangelho esquerdista sem os “excessos” do marxismo — mais de 100 milhões de mortos. Qual seria o resultado?
Em seu livro “Era Karl Marx um Satanista?”, o Rev. Richard Wurmbrand, um pastor luterano romeno de ascendência judaica, deixa claro que Karl Marx, o fundador do marxismo, era satanista.
Num dos seus poemas (disponível no livro de Wurmbrand), Marx disse:
Desejo vingar-me dAquele que governa lá em cima
Assim um deus tirou de mim tudo
Nada me restou a não ser a vingança
Meu desejo é me construir um trono
Meus braços são possuídos de força para agarrar e triturar a humanidade. Com a força de um furacão.
Eu reduzirei o mundo a pedaços com as minhas continuas maldições.
Quando escreveu isso, Marx tinha dezoito anos. O plano de sua vida já havia sido estabelecido. Ele desejava arruinar o mundo. A ambição dele era construir para si um trono, e isso se tornou satanicamente realidade, pois seus livros e ideias estão literalmente entronizados em universidades do mundo inteiro. O esquerdismo, por suas raízes no marxismo satânico, sempre termina em tragédia, para a igreja e para o mundo.

“Outro evangelho” e a fundação do MEP

Embora nos preocupemos com infiltrações satânicas na igreja, ainda não enxergamos que uma grande infiltração já ocorreu, com aparência de anjo de luz, sendo defendida por grandes pastores e revistas. O Apóstolo Paulo alertou:
“Estou chocado de que estejais vos desviando tão depressa daquele que vos chamou pela graça de Cristo, para seguirem outro evangelho, que na verdade, não é o Evangelho. O que acontece é que algumas pessoas vos estão confundindo, com o objetivo de corromper o Evangelho de Cristo. Contudo, ainda que nós ou mesmo um anjo dos céus vos anuncie um evangelho diferente do que já vos pregamos, seja considerado maldito! Conforme já vos revelei antes, declaro uma vez mais: qualquer pessoa que vos pregar um evangelho diferente daquele que já recebestes, seja amaldiçoado!” (Gálatas 1:6-9 KJA)
Consciente do alerta da Bíblia, fui o primeiro cristão do Brasil a denunciar publicamente um homem que nos trouxe um evangelho diferente. Com esse evangelho diferente, ele se tornou membro do PT, teve encontros com Lula e trabalhou ativamente no passado em prol do PT, só abandonando o Partido das Trevas porque, na visão dele, o PT estava abandonando o socialismo e se tornando mais “capitalista”.
Cavalcanti deixou o PT, mas nunca renunciou ao marxismo. Aliás, ele foi o fundador do maior movimento esquerdista evangélico da história do Brasil — o MEP, Movimento Evangelho Progressista. Preocupado com a reação do público evangélico diante das ambições políticas de seu outro evangelho, Cavalcanti teve todo o cuidado de não apresentar o MEP como descaradamente comunista, esquerdista, marxista ou socialista.
O bispo Robinson Cavalcanti disse sobre a fundação do MEP:
Lembro-me do debate sobre a nomenclatura mais adequada quando da fundação do MEP: “evangélicos de esquerda”? “evangélicos revolucionários”? “evangélicos socialistas”? Optamos pela expressão menos controvertida de “progressistas”, embora isso lembre um conceito positivista. Hoje poderíamos falar em um “cristianismo profético”, em “Igreja profética”, em cristãos que incluem o profetismo (“denúncia das estruturas iníquas da sociedade”) em seu conceito de Missão, a serviço do Reino de Deus.
O MEP surge em 1990 com o sentimento de continuidade e aprofundamento de um discipulado integral, que inclui a cidadania responsável. Um importante movimento de opinião, afirmando a compatibilidade entre a fé cristã reformada, protestante, evangélica, com a democracia e o socialismo. O MEP estimulou essa militância nos partidos de esquerda, nos movimentos sociais e nos sindicatos filiados à CUT.
Fonte: OS CRISTÃOS PROGRESSISTAS E A CRISE DA ESQUERDA NO BRASIL, palestra apresentada por Dom Robinson Cavalcanti, em nome do Movimento Evangélico Progressista, no Encontro promovido pelo CLAI (Secretaria Regional para o Brasil) em Brasília, 29 de agosto de 2003.
A astúcia desse homem não permitia que o MEP fosse publicamente designado pelo que realmente era: marxista. Como um dos mais importantes estrategistas e proclamadores de outro evangelho, Cavalcanti tinha de ser denunciado — na vida ou na morte. Essa tarefa cabia especialmente aos críticos do mundo gospel. Mas, muito diferente do que sempre fizeram com Malafaia — onde a crítica de boca escancarada é a regra —, a regra deles para Cavalcanti e outros pregadores de outro evangelho é a boca fechada.
Só o silêncio já é pecado para eles, pois se a missão deles é realmente defender o Evangelho, por que Vargens teve o trabalho de escrever dois artigos sobre o bispo sem mencionar seu “outro evangelho”? Aliás, Vargens, que critica regularmente Silas Malafaia e outros neopentecostais por nome, nunca fez uma única menção negativa a Cavalcanti. Cito Vargens porque o conheço pessoalmente e sei com quem ele anda: ele está diretamente ligado à turma teológica do Mackenzie, cujos estudantes ficaram famosos por confrontarem publicamente militantes esquerdistas durante o regime militar.

“Sigam o blog do Renato Vargens sem restrição!”

Na verdade, essa amizade é tão estreita que logo que escrevi meu artigo denunciando a incoerência de Vargens, teólogos do Mackenzie e aliados se manifestaram prontamente para dar apoio irrestrito a ele. Augustus Nicodemus, chanceler do Mackenzie, deu o tiro de partida, dizendo em sua página de Facebook: “Recomendo o blog do Renato Vargens sem restrição”. Norma Braga e outros copiaram e retransmitiram. “Sem restrição” significa, de acordo com o Dicionário Michaelis, “sem reservas”, “incondicionalmente”. Significa que eles concordam, TOTALMENTE, com tudo o que Vargens diz e disse em seu blog.
E eu que achava que os cristãos nunca alcançariam esse sublime estado de perfeição na terra! Preciso descobrir o segredo divino do Vargens. Meus leitores me apoiam com restrições e críticas. Mas Vargens virou um anjo! Se do lado neopentecostal você encontra apóstolos e bispos, do lado antineopentecostal você encontra criaturas muito mais graduadas. Ninguém pode negar que os anjos estão em hierarquia acima dos pastores, apóstolos e bispos.
O que é fascinante nessa questão é que Augustus Nicodemus Lopes é um teólogo, especialista em hermenêutica. Norma Braga é escritora. Ambos estão aptos a entender profundamente o significado das palavras. Portanto, esse termo “sem restrições” não foi um mero descuido deles. Foi um termo proferido com entusiasmo e convicção, por quem sabe o que fala.

Vejamos agora o comportamento do anjo que é recomendado sem restrição, o anjo que critica Silas Malafaia, mas nunca criticou Cavalcanti.

Renato Vargens faz propaganda de Caio Fábio

Tal qual o Genizah, Renato Vargens, até onde pode, divulga “pregações” de Caio Fábio. Veja a divulgação dele aqui e aqui, com Caio Fábio, para variar, atacando Malafaia. Divulgar o excelente trabalho de Malafaia contra o aborto e a agenda gay ou as posturas pró-vida e pró-família da Marcha para Jesus? Isso nem passa pela cabeça do Vargens. Só para recordar, recebo de Caio Fábio o mesmo tratamento de zombaria que recebo do Genizah.
Confira a zombaria aqui: Caio Fábio ataca Julio Severo

Genizah elogia Caio Fábio e ataca Julio Severo e Olavo de Carvalho

Quanto ao Genizah, esse blog calvinista debochador faz vários elogios e divulgações de Caio Fábio, Cavalcanti e outros “mestres” da Teologia da Missão Integral. Elogia também Leonardo Boff, o “mestre” da Teologia da Libertação. Para mim (e para Olavo de Carvalho), o tratamento é o contrário. Recentemente, Danilo Fernandes, o dono do Genizah, debochou:
E por falar em gente mal intencionada, a minha impressão negativa sobre Pat Robertson ganhou outro patamar quando um certo blogueiro parecido com o INRI Cristo, hoje roommate nos Estados Unidos de Olavinho, a cloaca senil, de Carvalho apoiou a mesma tese racista relativamente ao povo sofrido do Haiti…
Está muito claro que a verdade e a sã doutrina são meros detalhes na defesa dos ideais políticos de INRIzinho. Doutrina cristã não é a praia dele. O camarada é apologista do ideal reacionário e, na sua defesa tropega da ideologia olaviana, ele segue uma linha de raciocínio típica dos esquizofrênicos paranoides, onde se alguém emite uma opinião em concordância com a opinião específica de outra pessoa, a qual defenda alguma tese que o esquizofrênico paranoide esteja vidrado, para este, os dois são iguais e concordam em tudo.

“Defensor da fé”

Como será mostrado mais adiante, Vargens declarou em seu blog: “Louvo a Deus pelos defensores da fé… pelos blogs de apologética como o… Genizah.”
O Genizah promove Cavalcanti, e isso é apologética e defesa da fé.
O Genizah ataca Malafaia, e isso é apologética e defesa da fé.
O Genizah promove Caio Fábio, e isso é apologética e defesa da fé.
O Genizah ataca Julio Severo e Olavo de Carvalho, e isso é apologética e defesa da fé.
O Genizah promove Ariovaldo Ramos, e isso é apologética e defesa da fé.
E ai de quem não louvar o “defensor da fé” e “blog apologético”!
Se temos agora que seguir o blog do Renato Vargens sem restrição, então somos obrigados a dizer: “Oh, Deus, te louvamos porque o Genizah é um blog apologético que defende a fé única e verdadeira nos protegendo de heréticos como Silas Malafaia, Olavo de Carvalho e Julio Severo e nos iluminando com a luz de Cavalcanti, Caio Fábio e Ariovaldo Ramos”.
Ataque a Teologia da Prosperidade e você ganha o direito de promover a Teologia da Libertação, Leonardo Boff, Caio Fábio e Cavalcanti e ainda posar de “santo”, “defensor da fé” e especialista em “apologética”! Com todos esses privilégios, quem é que não vai querer participar, ou pelo menos emudecer?
Genizah e Vargens são implacáveis contra a Teologia da Prosperidade e seus pastores. Mas os dois divulgam sistematicamente o “profeta” Cavalcanti, Caio Fábio e Ariovaldo Ramos, emudecendo com relação aos erros e aberrações desses homens. Aliás, eles vivem à vontade entre teólogos e pastores liberais, nunca os confrontando.
O que está por trás dos ataques aos neopentecostais? O que está por trás da promoção aos pastores liberais e o silêncio diante dos erros deles?
Por que os chamados apologetas calvinistas se calam diante de Cavalcanti, Genizah & Cia? Será que Cavalcanti, Genizah & Cia estão desculpados em todos os seus pecados e liberalismo apenas por sua posição de atacar a Teologia da Prosperidade e os neopentecostais — esporte predileto dos calvinistas liberais e cessacionistas?

Cavalcanti: Teologia da Prosperidade é reflexo do capitalismo

Robinson Cavalcanti via a Teologia da Prosperidade como expressão do capitalismo. Isso pode explicar a razão por que adeptos da Teologia da Missão Integral invariavelmente sejam os mais raivosos contra os adeptos da Teologia da Prosperidade. Embora tentem camuflar sua hostilidade com preocupações “teológicas”, “bíblicas” ou “apologéticas”, sua fonte é essencialmente ideológica.
Em recente entrevista à revista Cristianismo Hoje, Caio Fábio declarou que o grande momento para unificar as igrejas evangélicas do Brasil foi o início da década de 1980. Na entrevista, feita por Danilo Fernandes, do Genizah, Caio Fábio desabafou: “A teologia da prosperidade não existia por aqui, o que prevalecia era a teologia da missão integral. Havia uma quantidade enorme de pastores [adeptos da teologia da missão integral]”. Esse prevalecimento, de acordo com ele, ocorria de forma especial no Congresso Brasileiro de Evangelização, onde até hoje a Teologia da Missão Integral está no pedestal. Mas Deus, em sua graça, destruiu a unificação evangélica que quase ocorreu no começo da década de 1980: Pouco tempo depois, veio a Teologia da Prosperidade, com força total, quebrando a espinha dorsal do monopólio da Teologia da Missão Integral, essencialmente arruinando todos os esquemas socialistas maiores que estavam sendo arquitetados.
A ascensão do neopentecostalismo destroçou o consenso que, de acordo com Caio Fábio, estava se avolumando entre as igrejas com relação à Teologia da Missão Integral.
A destronação da Teologia da Missão Integral foi um golpe “imperdoável”, provocando uma demonização sem precedentes das igrejas neopentecostais, sob a capa de seriedade espiritual e devoção religiosa. Caio Fábio e Robinson Cavalcanti, que tiveram papel destacado em iniciativas para aproximar os evangélicos do PT, se tornaram “profetas” contra a Teologia da Prosperidade e a favor da Teologia da Missão Integral, que usa o Evangelho apenas como palanque da ideologia socialista.
Por atacar a Teologia da Prosperidade, Cavalcanti e outros “mestres” da Teologia da Missão Integral ganharam isenção de toda crítica. Afinal, o Brasil vive uma temporada livre de caça aos adeptos da Teologia da Prosperidade. Por determinação de uma minoria de pastores liberais e pelo silêncio da maioria, é proibido colocar a Teologia da Missão Integral nessa temporada.
Assim, é natural ver multidões aproveitando a temporada de caça, e depois mostrando aos amigos apologetas e genizistas: “Ei, cacei um neopentecostal! Coloquem-me na primeira página! Mereço os holofotes! Mereço prêmios e condecorações!”

“Profecias, línguas, visões e outros dons do Espírito Santo cessaram há dois mil anos…”

Os neopentecostais, especialmente sua Teologia da Prosperidade, são atacados implacavelmente pelo Genizah, Vargens & Cia. Contudo, se a questão da Teologia da Prosperidade for resolvida, Vargens e seus amigos do Mackenzie ficarão satisfeitos? Claro que não. Eles são cessacionistas — religiosos que acreditam que os dons do Espírito Santo eram apenas para a época dos apóstolos. Portanto, na visão deles, hoje não existe genuínas profecias, dons de cura, dons de línguas, etc.
Eles realmente acreditam que os cristãos que têm esses dons hoje não os receberam de Deus. A questão deles, pois, com os neopentecostais e pentecostais é muito mais profunda e espinhosa, não se limitando apenas à Teologia da Prosperidade. Os dons sobrenaturais do Espirito Santo também estão incluídos na lista de condenação deles do que os cristãos hoje podem ou não ter.
Infelizmente, a heresia cessacionista — que faz seus adeptos ridicularizarem e atribuírem ao diabo as manifestações legítimas do Espírito Santo na vida de milhões de cristãos atualmente — não é atacada com veemência e seriedade por quase ninguém atualmente. (Quem encontrar um apologeta denunciando a heresia cessacionista ganha um pirulito!)
O que tenho para dizer para Vargens e os calvinistas que o apoiam sem restrição é: cuidem de seu quintal. As maiores igrejas presbiterianas do mundo estão descambando para a ordenação de pastores gays e lésbicas. Portanto, parem sua preocupação obsessiva com os pentecostais e neopentecostais e cuidem de seu próprio quintal.
Nunca vi Vargens, que tem 100% de apoio de outros calvinistas, criticar e condenar Robinson Cavalcanti e seus males teológicos e políticos.
Mas tenho certeza de que Vargens jamais perdoaria se visse o Apóstolo Paulo ou outro cristão fazendo isso HOJE:
“E Deus pelas mãos de Paulo fazia maravilhas extraordinárias. De sorte que até os lenços e aventais se levavam do seu corpo aos enfermos, e as enfermidades fugiam deles, e os espíritos malignos saíam.” (Atos 19:11-12 ACF)
O que Paulo fazia era totalmente estranho e avesso à teologia seca e morta dos judeus de sua época, e duvido que seria diferente para os adeptos modernos de teologias secas e mortas.
Provavelmente, pelas mãos de Paulo muitas outras maravilhas extraordinárias eram feitas, não só com lenços e aventais. Mas se hoje um cristão imita Paulo, com lenços ou aventais ou outros objetos, os adeptos da teologia cessacionista prontamente negam que isso seja de Deus, pois afinal, para eles, os dons espirituais cessaram com os primeiros apóstolos, como se o próprio Espírito Santo tivesse ficado velhinho e se aposentado!

Maiores milagres nos últimos dias

É possível hoje um cristão ser usado por Deus para que milagres extraordinários sejam realizados através de lenços, aventais e outros objetos? Claro que sim. Jesus realizou milagres imensos e Ele disse para nós:
“Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas, porque eu vou para meu Pai.” (João 14:12 ACF)
“Aquele que crer e for batizado será salvo. Todavia, quem não crer será condenado! E estes sinais acompanharão aos que crerem: em meu Nome expulsarão demônios; em línguas novas falarão. Pegarão serpentes com as mãos; e, se algo mortífero beberem, de modo nenhum lhes fará mal, sobre os enfermos imporão as mãos e eles serão curados!” (Marcos 16:16-18 KJA)
E nós, que estamos nos últimos dias, somos alvos de promessas não de cessação dos dons, mas de maiores manifestação deles:
“Nos últimos dias, diz o Senhor, que derramarei do meu Espírito sobre todos os povos, os seus filhos e as suas filhas profetizarão, os jovens terão visões, os velhos terão sonhos”. (Atos 2:17 KJA)
De acordo com Jesus, nós que cremos nEle podemos sim fazer obras maiores do que os grandes milagres que Ele realizou, seja por meio de lenços, aventais ou outros objetos ou o que o Espírito Santo inspirar, por mais estranho que possa parecer aos adeptos de teologias mortas e secas, ou por mais escandaloso que possa parecer para os que têm fé firme de que os dons espirituais sobrenaturais só existiram há 2.000 anos e o que se vê hoje, de acordo com eles, é falsificação e operação demoníaca.
Para eles, Deus hoje não fala mais através de sonhos, visões e profecias. Curas por dons espirituais e palavras proféticas? Heresia!
Como a maior parte da igreja brasileira, eu creio que Deus fala hoje, que Deus cura hoje, que Deus faz milagres e maravilhas hoje e que Deus dá dons de visões e profecias hoje. Tenho essa convicção porque não quero andar na contramão da Palavra de Deus e do mover do Espírito Santo.
Creio que os que creem em Jesus podem hoje realizar maiores milagres. Creio na Palavra de Deus. Mas tenho desconfiança de cristãos que se dizem profetas e apoiaram Lula. Tenho desconfiança de líderes cristãos que dizem que oraram e a resposta foi José Serra ou Marina Silva. Tenho desconfiança de cristãos que dizem que oraram e Deus os dirigiu a votar num cristão marxista, profundamente comprometido com a Teologia da Libertação.

A união oportunista de críticos ideológicos e teológicos da Teologia da Prosperidade

Enquanto os críticos ideológicos e liberais teológicos criticam a Teologia da Prosperidade por vê-la como reflexo do capitalismo, críticos teológicos tradicionalistas atacam porque são fundamentalmente contra tudo o que venha do neopentecostalismo.
O fato de que igrejas e líderes não liberais silenciem diante das críticas ideológicas das igrejas da Teologia da Missão Integral deve-se exclusivamente ao ranço teológico, que no final acaba beneficiando o liberalismo teológico, que cresce debaixo do silêncio comprometedor daqueles que deveriam denunciar os perigos maiores da Teologia da Missão Integral.
Os críticos teológicos liberais só vão parar de criticar os neopentecostais depois que os neopentecostais abraçarem a Teologia da Missão Integral.
Os críticos teológicos tradicionalistas só vão parar de criticar os neopentecostais depois que os neopentecostais abandonarem a Teologia da Prosperidade, e depois que abandonarem falar em línguas, profecias, expulsão de demônios, etc. Mas as exigências teológicas, com certeza, não vão parar por aí.

O que você deve fazer com um crítico da Teologia da Prosperidade?

Qual deve ser sua atitude quando encontrar um crítico do mundo gospel numa igreja ou conferência? Você que é pastor ou responsável pela conferência, exija que o crítico só trate dos problemas da Teologia da Prosperidade depois que ele denunciar a Teologia da Missão Integral e a heresia cessacionista. Se o especialista em crítica não aceitar esses justos termos, mande-o plantar batatas no quintal da casa dele.
Se ele quiser atacar Silas Malafaia ou R.R. Soares, exija dele: “Você passou anos atacando esses dois telepastores neopentecostais, mas nunca criticou Ariovaldo Ramos e outros promotores da Teologia da Missão Integral, inclusive o Genizah. Você também nunca atacou a heresia cessacionista. Se não começar agora a denunciar essas heresias, vou vê-lo como falso mestre de hoje em diante”.

Renato Vargens recomenda Ariovaldo Ramos e Genizah

Por falar em Ariovaldo Ramos, Vargens recomendou publicamente que seus leitores o seguissem no Twitter. Veja aqui. O Genizah & Cia dizem “amém”! Augustus Nicodemos completa: “Sigam o blog do Renato Vargens sem restrição!”
Vargens também disse: “Louvo a Deus pelos defensores da fé… pelos blogs de apologética como o da Nani, Genizah, Púlpito Cristão, Márcio de Souza, Hermes Fernandes, e dezenas de outros mais que diariamente lutam contra os ensinamentos espúrios dos apóstolos modernos”.
Os que seguem Vargens sem restrição em tudo o que ele disse têm também o dever de “louvar a Deus” pelo Genizah e outros debochadores. Como é horrível seguir incondicionalmente meros mortais!
Hermes Fernandes, que foi recomendado por Vargens, já foi repreendido publicamente por ter debochado de Olavo de Carvalho, mas recebeu resposta à altura, que você pode ver aqui:
Em outra ocasião, Vargens louvou a Deus por Antônio Carlos Costa, pela “ousadia de levantar a bandeira da paz neste país”. Essa “ousadia” foi compactuar com a ideia de paz do socialismo: desarmamento da população civil. Vargens também “Bendisse ao Senhor por teólogos como… Ariovaldo Ramos”. Você pode encontrar esses disparates aqui no blog do Vargens. E você pode apostar que o PT e outros socialistas devem estar louvando todos os deuses e deusas por um líder evangélico calvinista progressista como Antônio Carlos Costa que trabalha pelo desarmamento.
Sobre desarmamento, tenho este artigo:
Dá, realmente, para seguir o blog do Renato Vargens sem restrição? Faça essa pergunta ao Rev. Augustus Nicodemus, do Mackenzie.
Aliás, foi graças à intervenção do Rev. Nicodemus, que postou o primeiro comentário de apoio ao texto do Vargens — que tentou defender seus disparates sobre Cavalcanti dizendo que não é socialista , que todos os outros mackenzistas e aliados imediatamente seguiram o rastro, fazendo seus comentários e achando que estavam autorizados a apoiar Vargens e me atacar. Meteram-se na questão do Vargens e Cavalcanti sem nem mesmo dar atenção à Palavra de Deus:
“Como alguém que decide pegar um cão pelas orelhas, assim sofre aquele que se mete em discussão alheia!” (Provérbios 26:17 KJA)
Meu longo artigo é, pois, um reforço ao que eu disse sobre a incoerência do Vargens e também uma resposta às acusações dos que a Palavra de Deus chama de “metidos”.
Eu já havia tratado do assunto do Vargens e Cavalcanti adequadamente neste artigo:

Julio Severo responde aos críticos que não gostam de ser criticados

O que fica mais que evidente é que a turma que adora criticar (vejam só!) não adora ser criticada. Bastou a “recomendação ‘sem exceção’” do Rev. Nicodemus, literalmente sacralizando as incoerências do Vargens, que a turma mackenzista & cia saiu em tropel em defesa do crítico incoerente, sem parar para olhar mais nada. Sorte a recomendação sem exceção não ter envolvido pulo em abismo!
Nessa altura, podemos pensar: será que até mesmo Calvino recebe de seus seguidores um apoio incondicional e sem exceção?
Darei, a seguir, minhas respostas aos que não gostam de críticas e criticaram a mim no blog do Vargens:
Tiago Santos: Ô, moleque, que vai atrás de recomendações sem restrição e tenta agradar lambendo botas e solas dos recomendadores e recomendados. Por que você não cuida melhor da Editora Fiel, que já chegou a colocar propaganda no Genizah? No comentário de apoio ao Vargens, você disse: “Acusá-lo de esquerdismo por sua palavra de respeito à vida do bispo que foi brutalmente assassinado tange a desonestidade e beira o absurdo”. Ora, ora, Sua Santidade Tiago, o único acusado de esquerdismo foi o Cavalcanti. E o que Vargens disse da cantora que morreu? Repito o que ele disse: “Amy Winehouse, o pecado veio cobrar a sua conta”. Não se pode dizer então: “Robinson Cavalcanti, o pecado veio cobrar a sua conta”? Sua teologia é que todos os descrentes vão para o inferno e todos os pastores, inclusive Cavalcanti, vão para o céu? Isso parece predestinação calvinista, bem típico de você e seu grupo.
Ora, você finge desconhecer que a punição para os que conhecem o Evangelho e o distorcem é maior do que para aqueles que, sem o conhecer, pecaram por toda a vida.
Você também disse: “Concluo expressando minha tristeza por perceber que há alguns que confundem a fé cristã com conservadorismo político. Aquela está muito acima desta — e é a base da boa política”.
Alguns, quem, rapaz? Seu comentário deveria ter lidado com a incoerência do Vargens, sem jogar indiretas. Você não poderia estar falando de outra pessoa. Qualquer criança sabe que você se referia a mim.
Agora pergunto: com base em que você faz acusações sobre a vida cristã de outra pessoa?
Você não conhece minha vida devocional, não conhece minha vida familiar, nada sabe da minha vida na igreja local que frequento e nem da minha vida na comunidade em que atualmente moro. Você desconhece meu testemunho na vida diária, desconhece as minhas atividades ministeriais que não aparecem em meu blog, e desconhece outros posicionamentos e convicções minhas em outras áreas.
Mesmo assim, você se atreve a lançar acusações estúpidas.
Querendo por em dúvida a qualidade e a autenticidade da minha fé a fim de justificar, desviar ou acobertar as incoerências do Vargens, você mostrou a qualidade da sua própria fé. Tal erro é muito grave, pois não há nada no padrão ético da Bíblia que justifique sua acusação à minha pessoa ou a qualquer outra pessoa.
Duvido que o propósito da Editora Fiel seja gerar na vida dos leitores o comportamento que você demonstrou. Seja como for, leitores verdadeiramente guiados pelo Espírito Santo não se deixam influenciar por tal carnalidade.
Portanto, deixe de molecagem, e aja com a responsabilidade de um verdadeiro servo de Deus. E isso não vale apenas para você. Vale para todos os que, vergonhosamente, apoiaram sua acusação, como Norma Braga, Uziel Santana e outros.
Norma Braga disse: “É uma piada de muito mau gosto dizer que você é de esquerda”. “Vargens é de esquerda” não são palavras que eu disse, mas que você colocou na minha boca. O que eu disse é que o Vargens é um incoerente. Como você chama um crítico que critica tudo e diz ser contra o marxismo, mas não critica Cavalcanti por seus pecados descarados? Como você chama alguém que diz “Amy Winehouse, o pecado veio cobrar a sua conta”, mas não aplica o mesmo princípio ao bispo que pregava marxismo e depravação? Como você chama um homem que silencia diante dos pecados de Cavalcanti e elogia todos os que debocham de mim e do Olavo de Carvalho? Vargens é um incoerente. Como chamamos alguém que diz condenar o marxismo, mas anda a vontade com pastores dessa linha, os elogia e louva a Deus pela vida deles? Não consigo imaginar o Apóstolo Paulo louvando a Deus por nenhum dos pregadores que proclamavam outro evangelho. Paulo não teria elogiado nem mesmo um anjo se tivesse feito isso.

Mas no seu caso, como você também já declarou que recomenda Renato Vargens “sem restrição”, temos novamente a questão de um anjo encarnado, que não erra. E o que é mais grave: os erros notórios do Vargens passam a ser também os seus, quer você goste disso ou não.

Voltando ao ponto central: Cavalcanti era ou não falso mestre? O que está em questão aqui não é o que você imagina sobre mim e outras pessoas. De leitores de alma, já basta Caio Fábio. E você apoiou a interpretação de alma que o Tiago Santos fez, postando até um elogio seu ao que você chamou de “testemunho bonito” do Tiago Santos. Mas uma amiga sua disse para você sobre esse “testemunho bonito”:
“Eu sei que o Pr. Renato é excelente pessoa. Mas só tem um senão no texto: eu não considero socialistas como irmãos em Cristo, já que o socialismo é frontalmente contrario à fé cristã e sempre procurou e a procura destruir. Prova é o que tem acontecido no mundo e no Brasil. Que o Robinson não era conservador, não era mesmo, hehe”.
É mais fácil levantar qualquer acusação contra mim do que reconhecer que o “anjo” não é dotado de infalibilidade?
Leia minha resposta acima ao Tiago. Vargens — e os que tentam acobertar sua incoerência — fez um desserviço ao Evangelho ao prestar solidariedade a um dos maiores estrategistas do outro evangelho no Brasil.
Uziel Santana: “O fundamento da nossa ação no Reino ou no mundo sempre deve ser Cristo. Não deve haver outro fundamento, seja ele de direita ou de esquerda. Como bem disse o Tiago, confundir as bases da nossa fé com o conservadorismo político é inadmissível, principiante e coisa de quem, ao contrário do que prega as Escrituras, está em busca de partidarismos e divisões na Igreja de Cristo”.
Sua acusação foi além da do Tiago. “Partidarismos e divisões na Igreja de Cristo”? Você está falando do Genizah, Ariovaldo Ramos, Robinson Cavalcanti ou de mim? Prove sua acusação.
Nem direita nem esquerda são o fundamento do Cristianismo, mas a verdadeira fé cristã se expressa com posturas conservadoras. As posturas conservadoras são um dos frutos do verdadeiro Cristianismo, e ficam evidentes quando o cristão maduro tem oportunidades de dar seu testemunho público em questões culturais e políticas. Durante o governo militar, os estudantes do Mackenzie, de direita, entravam em violentos confrontos de rua com os estudantes da esquerda. Acredito que a direita não era a base da fé deles, assim como não é da minha. E só para constar: nunca tive violentos confrontos de rua com nenhum esquerdista.
O que é inadmissível é que, com a desculpa de pregar o evangelho, se faça vista grossa ao apoio à Teologia da Missão Integral, à heresia cessacionista e às incoerências e pecados óbvios de lideranças evangélicas, com o interesse oportunista de forjar uma artificial “união na Igreja de Cristo”, visando, obviamente, alcançar maior poder, visibilidade e influência diante de determinados movimentos. A fé cristã ou ação no Reino sempre foram desculpas bem arranjadas para manipuladores do Evangelho como Cavalcanti. Você conhece a história das grandes denominações brasileiras, repletas de pastores liberais, maçons e esquerdistas. Sabe do que estou falando.
Convenhamos, Uziel, você está hostil comigo desde que rejeitei seu apoio a Marina Silva. Conforme você me disse, você orou e Marina foi a resposta. De forma igual, Valnice Milhomens orou e Marina foi a resposta. Mas duvido muito que foi Deus quem deu uma resposta a vocês. E seus amigos cessacionistas também duvidam com certeza, mas por outros motivos. Contudo, você não se pronuncia sobre suas discordâncias com eles, evitando o confronto do erro, apenas para alimentar interesses de poder, visibilidade e influência debaixo da capa de amor e união cristã.
Você poderia citar para seus amigos cessacionistas John Piper, que é teólogo calvinista e crê nos dons sobrenaturais do Espírito Santo para hoje, inclusive o dom de línguas. Já está mais do que na hora de confrontar a heresia cessacionista, não?
Desde o episódio da Marina, parei de publicar seus artigos e de recomendá-los.
Eu avisei você que Marina tem como conselheiros Leonardo Boff e Caio Fábio. Ambas as criaturas são apoiadas pelo Genizah. E você ainda me perguntou “O que é que você tem contra o Genizah?” O orgulho de satanás foi querer grandeza e posições elevadas. E esse é um problema sério que você tem de lidar na sua própria vida, pois desde que parei de lhe dar oportunidades de publicação, você está em hostilidade.
O que você quer que eu pense a seu respeito, diante de tudo isso?
Solano Portela: Você, como eu, é contra o desarmamento da população civil. Mas já expus minha discordância com você por ter citado favoravelmente o Rio de Paz, organização desarmamentista amplamente apoiada pelo Genizah. Isso é incoerência. Agora, você apareceu no blog do Vargens para participar do ataque em grupo contra mim. Pare de ser incoerente. Copiei aqui meu comentário para você em 2008:
Olá, Rev. Solano! Parabéns pelo excelente artigo! Eu queria publicá-lo no meu blog, mas fiquei preocupado porque seu texto faz divulgação do Rio de Paz, que recentemente patrocinou palestra do ultra-esquerdista Bispo Robinson Cavalcanti. Além disso, as campanhas do Rio de Paz, que lidam com questões de violência e segurança pública, não defendem o direito natural dos cidadãos à defesa pessoal e armada. São campanhas que acabam atendendo aos interesses da ideologia esquerdista (principalmente o desarmamento, tão querido da esquerda) e, como todos somos testemunhas, o esquerdismo é uma doença mental afetando e impulsionando não só o governo Lula, mas também o movimento homossexual. Sou pela paz, mas não a paz da esquerda ou do inferno. Sou pela paz de Cristo, que deve reinar nos corações, junto com a justiça de Deus.
Ciro Sanches Zibordi também comentou, aproveitando a proteção do grupo, para expor elogios ao Vargens e me atacar. Ciro, que já foi repreendido por mim por suas incoerências ao atacar Malafaia, hoje se queixa por ser criticado por criticar. Para aqueles que querem conhecer o motivo do Ciro ter aparecido no blog do Vargens para me criticar em grupo, leiam o artigo:
Euder Faber disse: “A postura de Renato Vargens tem sido pautada pela coerência ética e bíblica, afirmar que ele é um esquerdista é um absurdo. Renato conta com a solidariedade dos que fazem a Vinacc”. Não chamo de coerência ética e muito menos bíblica elogiar Cavalcanti, Ariovaldo Ramos e Genizah. Quem colocou na minha boca a afirmação de que “Vargens é um esquerdista” foi a Norma Braga. Mas é inegável que várias das más companhias dele são esquerdistas. Isso eu deixei muito claro no meu artigo, mas você preferiu se esquivar de todas as ligações do Vargens plantando algo na minha boca. Vargens é um incoerente. Como chamamos alguém que diz condenar o marxismo, mas anda a vontade com pastores dessa linha, os elogia e louva a Deus pela vida deles? Não consigo imaginar o Apóstolo Paulo louvando a Deus por nenhum dos pregadores que proclamavam outro evangelho. Paulo não teria elogiado nem mesmo um anjo se tivesse feito isso.
O papel da VINACC hoje se reduz a se solidarizar com um homem que se solidariza com pastores, líderes e falsos mestres que abraçaram outro evangelho?
O stand da revista Ultimato está sempre nos eventos da VINACC. Então, você tem assuntos muito mais importantes para se preocupar do que seguir “recomendações sem restrição”.
Leonardo Gonçalves, antigo aliado do Genizah e dono do Púlpito Cristão, aproveitou para mostrar sua cara nos comentários. Dois anos atrás, Leonardo participou de um conluio com o Genizah para me atacar, e agora tenta repetir a proeza. Será que sou tão forte assim que o Leonardo só consegue me atacar protegido em bando?
Supondo que não foi por mágoa (não leio a alma de ninguém) nem por um nojento espírito de matilha que você e outros tomaram as dores do Vargens depois do meu artigo mostrando as incoerências daquele que foi recomendado sem restrição, foi então por qual motivo? Foi por zelo à sã doutrina?
Para aqueles que querem conhecer o embate que o senhor Leonardo já teve comigo no passado, leiam o artigo:

Jean Wyllys está certo

Desgraçadamente, tenho de concordar com Jean Wyllys quando disse que os calvinistas são os maiores aliados do movimento gay. Sustentam com unhas e dentes uma apologética raivosa militantemente antineopentecostal, mas toleram o outro evangelho baseado nas ideias de Karl Marx. Não são progressistas, mas toleram essa ideologia, por amor a amizades e corporativismo doutrinário e denominacional. (Quando digo que não são progressistas, não me refiro aos calvinistas Genizah e Ariovaldo Ramos.)
É muito fácil criticar nominalmente pastores da Teologia da Prosperidade. Essa é a onda, que está provavelmente sendo usada para acobertar os próprios pecados dos críticos.
Mas onde está a coragem para denunciar os pregadores do outro evangelho, o evangelho que Cavalcanti pregava? Anos atrás, publiquei um artigo excelente denunciando nominalmente um dos maiores escritores esquerdistas do mundo evangélico. A pessoa que me ajudou a escrever não queria assinar o artigo comigo, pois criticar liberais evangélicos famosos custa caro. No caso dessa pessoa, poderia lhe custar oportunidades em grandes editoras do Brasil. Assim, embora o artigo trouxesse uma imensa contribuição dessa pessoa, fui obrigado a colocar somente minha assinatura, pois ela estava com muito medo de se expor a virar alvo de críticas.
Não tenho medo de críticas. Não tenho medo também de perder oportunidades. Semanas atrás, um dos maiores jornais seculares dos EUA me convidou oficialmente para ser colunista, me tentando com ofertas de um futuro de fama e riquezas. Não pude aceitar porque o dono do jornal é um dos maiores heréticos do mundo.
Não tenho medo nenhum de nadar contra a maré, mesmo quando sou diretamente prejudicado. O mais importante para mim é não negar o nome de Jesus publicamente.
É fácil nadar com a corrente. O difícil é nadar contra a corrente e modismos.
É fácil então enfrentar um cristão como eu. O Genizah faz isso muito bem: com deboches, calúnias e mentiras. Mas não é fácil enfrentar liberais, que vivem cercados de matilhas e multidões enganadas.
O grupo do Mackenzie e simpatizantes que está me criticando por coisas que não sou exclusivamente para desviar a atenção das óbvias e indesculpáveis incoerências do Vargens deveria refletir melhor antes de se reunir como grupo de ataque.
Só entrei nesse assunto porque o foco dessa confusão — a falta de coerência, coragem e honestidade do Vargens de também escrever “Robinson Cavalcanti, o pecado veio cobrar a sua conta” — tem tudo a ver com anos de denúncias proféticas que venho fazendo contra o profetismo esquerdista de Cavalcanti.
Se o pastor Richard Wurmbrand estava certo ao afirmar que Karl Marx era satanista, então Cavalcanti tinha simpatia por uma ideologia satanista. O marxismo e suas variantes são infiltrações satânicas na igreja. É outro evangelho. Não faz, pois, sentido algum acobertar num bispo evangélico liberal tais diabólicas simpatias ou prestar solidariedade a um homem que tanto estrago provocou na igreja brasileira.

Três falsos evangelhos: prosperidade, terapêutico e missão integral

Posted in Teologia da Libertação, Teologia da Missão Integral, Teologia da Prosperidade by juliosevero on 29 de março de 2012

Três falsos evangelhos: prosperidade, terapêutico e missão integral

José Bernardo
Como Satanás está arrastando milhares de adolescentes e jovens para fora da Igreja e para longe da fé? Porque a Igreja não está sendo capaz de perceber e conter essa evasão? Onde toda essa maldade e destruição estão se apoiando? Um olhar cuidadoso para o cenário faz perceber que a estratégia usada pelo inimigo tem sido um ‘cavalo de troia’, belo por fora e cheio de destruição por dentro: a religião do ‘bem estar’.

Apoiado em uma interpretação flexível da própria Bíblia, o inimigo vem minando a fé bíblica da igreja evangélica e substituindo por essa nova religião, ainda difícil de distinguir para muitos, mas definitivamente oposta ao que Jesus ensinou. Há três correntes principais desse neo-paganismo, três falsos evangelhos que a grande maioria dos crentes está seguindo para longe de Cristo. Tais evangelhos não têm poder para salvar, não oferecem os elementos para a perseverança na fé. Adolescentes e jovens aprendem tais heresias de seus pais e essa é uma razão central de seu desvio.

Primeiro, enumeremos esses três ataques malígnos:
O evangelho do bem estar material – ou a teologia da prosperidade, movimento religioso surgido nas primeiras décadas do século XX nos Estados Unidos da América. Sua doutrina afirma, a partir da interpretação de alguns textos bíblicos como Gênesis 17.7, Marcos 11.23-24 e Lucas 11.9-10, que quem é verdadeiramente fiél a Deus deve desfrutar de uma excelente situação na área financeira, na saúde, etc. Não mais capaz de seduzir a população norte-americana que emergiu das crises econômicas no pós-guerra, esse falso evangelho foi despejado na América Latina por tele-evangelistas, rapidamente absorvido aqui pelo nascente movimento neo-pentecostal e é hoje refugo lançado covardemente contra a África por uma equivocada ação missionária.
O evangelho do bem estar psicológico – movimento que visa a descoberta e o tratamento de problemas emocionais, como medo, complexos, baixa auto-estima, no intuito de que as pessoas sejam tratadas no espírito, na alma e no corpo, com ênfase na cura da alma. O movimento, também originado nos Estados Unidos, resultou do esforço de manter a Igreja atraente para uma sociedade cada vez mais materialista e egocêntrica e têm raízes, tanto no evangelicalismo histórico, como no movimento carismático. Entre os evangélicos históricos surgiu no condicionamento do aconselhamento cristão pela psicologia e psicanálise, entre os pentecostais, dos esforços de cura interior. Ambas as correntes proliferaram a partir dos anos 80 com a enxurrada de livros evangélicos de auto-ajuda e hoje são um mal perfeitamente institucionalizado.
O evangelho do bem estar social – é um movimento essencialmente político que utiliza elementos do Cristianismo como alegoria para facilitar a disseminação de idéias de diferentes pensadores socialistas. Seus defensores a apresentam como, por exemplo, “uma interpretação da fé cristã através do sofrimento dos pobres, sua luta e esperança, e uma crítica da sociedade e do cristianismo através dos olhos dos pobres”. O movimento surgiu no seio do catolicismo da América Latina, na esteira da influência marxista, foi fortemente combatido e diminuido pela Igreja Católica, proliferou entre ditos evangélicos em alguns países da América Hispânica e influenciou o evangelicalismo brasileiro com mais força a partir dos anos 80.

As causas dessa monstruosidade espiritual

Embora pareçam propostas diferentes, as três correntes religiosas são extremos próximos, identificados por três ensinos heréticos centrais: a) Antropocêntrismo – O cristianismo defende a centralidade de Deus e apresenta o ser humano como inútil e sem valor, mas as três teologias malígnas retomam o ser humano como centro de tudo e fazem Deus gravitar ao redor de suas necessidades, desejos e ações; b) Temporalidade – O cristianismo aponta para a vida na terra como uma passagem de provação para um mundo novo e eterno, mas as três teologias corrosivas se concentram no que pode ser obtido imediatamente, fixando a quem pode seduzir no que é presente, temporal e passageiro; c) Materialismo – O cristianismo aponta para as coisas espirituais, invisíveis, mas as três correntes teológicas cativam seu público ao que é material e carnalmente desfrutável, são evangelhos da sensualidade.
Os falsos evangelhos da prosperidade, terapêutico e libertação (também conhecido entre os protestantes como missão integral) se contrapõe ao verdadeiro Evangelho do Reino, que anuncia o governo soberano de Deus em Cristo sobre a vontade humana e leva ‘cativo todo pensamento, para torná-lo obediente a Cristo’ 2Co 10:5. Tais evangelhos são produzidos pelos inimigos da cruz, seu deus é o ventre (Fp 3:19).
A endo-apologia combaterá com dificuldade esses ataques malígnos. Os falsos evangelhos se mimetizam com capricho, usando o vocabulário dos evangélicos, suas expressões e a própria Bíblia para surpreender e destruir a fé bíblica. Esses falsos evangelhos promovem uma interpretação flexível das Escrituras, baseada principalmente na dedução e em um criticismo pretensamente acadêmico e energicamente desconstrutor. No discurso, usam e abusam do palavrório apaixonado, como se estivessem militando por uma grande causa e, quando não funciona, abundam na irreverência, no sarcasmo, na ironia e na zombaria. Todas os três praticam também uma contra-apologia preventiva, acusando de reacionários, desumanos, anti-cristãos e fundamentalistas aqueles que se atrevem a ir contra suas ambições egocêntricas, temporais e materialistas. Dessa forma surpreendem, sequestram e escravizam uma igreja que deixou as Escrituras de lado para abraçar o sensacionalismo.
Mas o aspecto mais venenoso de tais falsos evangelhos, é que são virais, não estão baseados nas teologias alucinadas que os geraram, mas nas características de seus hospedeiros. Quando o apóstolo Paulo nos preveniu disso, disse: “Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis, pois os homens serão egoístas…” 2Tm 3:1ss. Não é a teologia maligna, principalmente, que faz essa maldade prosperar, mas a natureza egoísta que impede os seres humanos de clamarem pelo verdadeiro Evangelho do Reino: Seja feita a Tua vontade, ó Deus. Egoístas, egocêntricos, esses são os hospedeiros de evangelhos oportunistas, que contagiam os mais jovens e causam seu desvio.
Divulgação: www.juliosevero.com

Um pastor assembleiano que não gosta de moscas

Um pastor assembleiano que não gosta de moscas

Teólogo assembleiano, cujo nome consta no site Genizah, critica Malafaia, mas não critica socialistas e vigaristas evangélicos

Julio Severo
Silas Malafaia tem sido alvo de constantes ataques. Do lado secular, o governo e a mídia sustentada pelo governo rejeitam sua forte defesa da família contra os ataques da agenda do aborto e do homossexualismo.
Do lado evangélico, ele tem sido muito atacado por seguir a Teologia da Prosperidade. Os ataques têm vindo de todos os lados, inclusive de seus colegas assembleianos, um dos quais recentemente escreveu um artigo educado criticando essa teologia no ministério de Malafaia.
Tenho tratado, em vários artigos, dessa questão, mas minha pergunta agora é: A Teologia da Prosperidade é a maior ameaça ao Brasil?
É evidente que a resposta é “não”. Temos problemas muito maiores. A perseguição aos cristãos e a iniquidade estão sendo institucionalizadas com o apoio das igrejas. A sacralização do homossexualismo e do assassinato de bebês mediante o aborto está sendo promovida muitas vezes com a “bênção” da igreja através de líderes que se calam ou juntam as mãos com os próprios promotores do mal.
O governo, que está possesso da ideologia socialista, está determinado a avançar esses males. E nesta semana um dos homens mais sinistros do PT revelou que não existe mais oposição nenhuma para o avanço das metas do PT no Brasil. Aliás, ele deixou claro que hoje a única oposição são as igrejas midiáticas — que por pura coincidência pertencem, majoritariamente, aos pastores neopentecostais. Ele também declarou, conforme o colunista da revista Veja Reinaldo Azevedo, que o PT está se preparando para um confronto com essas igrejas midiáticas.
Excetuando a IURD, cujo fundador e chefão segue a ideologia do aborto, todas as outras igrejas neopentecostais se opõem ao aborto e homossexualismo. R. R. Soares, por exemplo, fala claramente contra o aborto e o homossexualismo em seus programas. Silas Malafaia então é muito mais enérgico.
Mas por que o PT iria ver essas igrejas neopentecostais midiáticas como a única ameaça ao controle absoluto do PT sobre a sociedade?
O PT percebe que essas igrejas o apoiam por interesse, não ideologia.
O PT não vê igrejas neopentecostais doutrinando suas congregações no socialismo. O PT não as vê usando suas revistas e sites ensinando que o socialismo é a salvação da sociedade.
Os líderes dessas igrejas só se aproximam do PT em épocas de eleição por oportunismo, por entenderem que o PT é um partido vingativo que retaliaria contra suas concessões de rádio e TV. Além disso, eles têm muito dinheiro e opor-se ao PT poderia lhes custar caro. A atitude deles é movida por puro interesse.
Em contrapartida, outros grupos evangélicos, que majoritariamente não pertencem aos neopentecostais, têm muito mais que interesse, usando suas revistas e outras publicações para promover o socialismo, com toda a sua carga de aborto e homossexualismo que vem inevitavelmente em seu rastro. Grandes revistas evangélicas do Brasil regularmente doutrinam o público a ver no socialismo a solução para os problemas da sociedade. O governo socialista petista, com toda sua frenética corrida para institucionalizar a iniquidade, é maquiado e até louvado por eles. Esses evangélicos são movidos por ideologia.
O PT não está preocupado com líderes evangélicos que são movidos por ideologia, pois quer ateu ou evangélico, quem segue o PT por convicção é um servo fiel e devoto. Seu apoio é garantido — ou para o partido ou para a ideologia socialista, que no final das contas dá no mesmo.
Mas um apoio que vem por interesse nunca é garantido. É por isso que o PT tem tanta desconfiança dos líderes neopentecostais: Por não serem movidos pela ideologia socialista, esses líderes podem criticar abertamente as políticas pró-aborto e pró-homossexualismo do PT, ou mesmo abandonar o barco petista a qualquer momento.
Esse é um ótimo sinal. O que não é um bom sinal é que perdemos a prioridade nas críticas.
Em nome do PT, lhe digo pela última vez: a Teologia da Prosperidade é o maior pecado do universo!

Aqueles que criticam Malafaia fazem vista grossa a outros graves pecados. O pastor assembleiano que fez uma crítica educada a Malafaia juntou-se a muitos outros que detestam a Teologia da Prosperidade e seus adeptos, mas não detestam as teologias que facilitam a aceitação do socialismo como salvação social.

O pastor assembleiano foi educado em sua crítica, mas seu nome consta no Genizah, site que nunca trata Malafaia e outros pastores neopentecostais com a mínima educação. Não por acaso, o Genizah rotineiramente doutrina a favor do socialismo, em toques sutis de vários articulistas francamente favoráveis à ideologia do PT.
Nem eu nem Olavo de Carvalho somos adeptos da Teologia da Prosperidade, mas não escapamos de ataques do Genizah, porque a luta desse site liberal não é apenas contra a teologia de Malafaia, mas também contra todo conservadorismo.
O que não é de surpreender é que, para o PT, o Genizah e mídias evangélicas semelhantes não representam nenhuma ameaça ao avanço da institucionalização socialista da iniquidade. A ameaça são as igrejas neopentecostais, que também são alvos regulares de zombarias do Genizah.
Malafaia não é perfeito, mas ele tem feito um trabalho estupendo de mobilizar a população contra o PLC 122. Em contraste, o Genizah nunca fez tal mobilização e ainda insinua que os que fazem são “extremistas”. Ativistas gays aplaudem o liberalismo do tabloide calvinista.
Enquanto muitos leitores incautos se deliciam com deboches e zombarias aos líderes neopentecostais no Genizah, esse tabloide sensacionalista vai incutindo neles amor e respeito às ideias socialistas, que são muito bem disfarçadas. Aplicar golpes e enganar é, ao que tudo indica, uma especialidade do poderoso chefão do Genizah.
Ainda que o Genizah não tivesse esse trabalho sujo de promover habilmente o socialismo, o cristão é exortado por Deus:
“Bem-aventurado o homem que não… se assenta na roda dos escarnecedores.” (Salmos 1:1 ACF)
Homens como eu e o Olavo de Carvalho são zombados no Genizah exclusivamente pela oposição ao PT e ao socialismo.
O que então o nome do pastor assembleiano que critica educadamente Malafaia está fazendo na roda dos escarnecedores? O público assembleiano inocente, ao ver o nome dele no site dos escarnecedores, poderá facilmente concluir: “Olha, o nome do pastor *** está ali, então esse site deve ser bom!”
No Genizah, esse público é sistematicamente doutrinado a detestar ou a ter um medo mórbido dos líderes neopentecostais (sem mencionar ódio e medo mórbido de Julio Severo e Olavo de Carvalho!) e, ao mesmo tempo, a nutrir um carinho especial por teologias abertas ao socialismo. Coa-se então, nas palavras de Jesus Cristo, um mosquito e engole-se um camelo!
Estamos vendo uma epidemia de engolição de camelos vermelhos, onde muitas revistas e líderes, que seguem a linha do Genizah, ensinam: “Devemos detestar os mosquitos da Teologia da Prosperidade”. Falam de seus ódios com a boca cheia de camelos.
Por coincidência, um pastor assembleiano que comentou no meu blog esta semana se apresentou dizendo: “Sou petista por entendimento ideológico”. Ao ser refutado por mim e por outros leitores do meu blog, o pastor, que dirige uma Assembleia de Deus de Brasília, prontamente se defendeu, usando o pretexto de que sua presença no PT era para “evangelizar” e que qualquer oposição a ele como petista equivaleria à oposição a um santo trabalho de evangelização.
Para evangelizar bruxos tenho necessidade de dizer “Sou bruxo por entendimento ideológico”?
Para evangelizar homossexuais tenho necessidade de dizer “Sou homossexual por entendimento ideológico”?
Portanto, há dois tipos de evangélicos apoiando o PT.
1. Há os evangélicos que seguem o PT por interesses, para não perderem suas rádios e TVs. A maioria deles são líderes neopentecostais.
2. Há os evangélicos que seguem o PT porque, descaradamente ou não, são petistas por entendimento ideológico. A maioria deles não são neopentecostais, e o PT não está preocupado com nenhum deles.
Temo que no confronto que o PT previu que terá com as lideranças neopentecostais, haverá aliados evangélicos para ajudar o PT. Se a meta do PT é combater os inconfiáveis líderes neopentecostais, o Genizah e evangélicos de mentalidade semelhante estarão prontos para a batalha.
Quero pois desafiar o pastor assembleiano que criticou Malafaia educadamente a olhar para prioridades muito mais importantes.
O Bispo Manoel Ferreira, presidente da CONAMAD, a segunda maior denominação asssembleiana do Brasil, está envolvido num grande escândalo. Não, não, ele não é adepto da teologia de Malafaia.
Na eleição de 2010, Ferreira foi o supremo “ministro” de Dilma Rousseff para assuntos evangélicos. Mas ele não foi amplamente criticado. Seu maior crítico, infelizmente, foi meu próprio blog. Mas acredito que se Ferreira tivesse dito, “Defendo a Teologia da Prosperidade”, ele seria sumariamente demonizado.
Outro escândalo grave é que ele tem se aliado ao Rev. Moon, que se considera um messias maior do que Jesus Cristo. Essa é uma heresia de tamanho infernal, mas a maioria dos líderes assembleianos se cala. O pastor assembleiano que criticou educadamente Malafaia também criticou o Rev. Moon e sua doutrina satânica, mas evitou completamente mencionar o nome de Ferreira. É mais fácil citar o nome de Malafaia? A “heresia” de Malafaia é maior do que o envolvimento de Ferreira com Moon?
Por que não denunciar por nome? Só os neopentecostais podem ser criticados por nome? Por que os evangélicos amantes do PT e do socialismo não merecem ser denunciados e expostos? Qual é o medo? A única coisa que inspira um ódio declarado de citar nomes é uma ligação com a Teologia da Prosperidade? Esse é o maior pecado do universo, santificando automaticamente os críticos, por mais petistas e socialistas que sejam, por mais vigaristas e adúlteros que sejam?
Se criticar a teologia de Malafaia transforma o crítico em apologeta imaculado e laureado, então o chefão do Genizah virou santo padroeiro — o que não deixa de ser verdade, a julgar pela idolatria e reverência que lhe são prestadas.
Por que, mesmo com seu medo mórbido de engolir mosquitos, o pastor assembleiano que criticou educadamente Malafaia também não critica o Genizah e outros vigaristas evangélicos? Estará ele também aspirando a um cargo de santo padroeiro dos comedores de camelo?
Tenho certeza de que se o Genizah fosse um site descaradamente a favor da Teologia da Prosperidade, o tal pastor assembleiano não hesitaria: exigiria a remoção do nome dele do site. Vai ver que ele pensa: “Tudo o que o Genizah faz — debochando descaradamente de Malafaia, Julio Severo e Olavo de Carvalho — é absolutamente inofensivo. Só a Teologia da Prosperidade é altamente venenosa”.
Mesmo sendo teólogo e filósofo, ele prefere a companhia barata da roda de escarnecedores de um tabloide sensacionalista cujo padroeiro se orgulha de seu calvinismo liberal.
Engolir mosca é algo desagradável. Mas é muito menos desagradável do que engolir camelos de ideologias podres que estão sendo acobertadas, protegidas, alisadas, aduladas e abrigadas por mídias evangélicas mal-intencionadas.
Seja como for, na hora do confronto com o PT não quero estar com os evangélicos comedores de camelos.
E oro para que o teólogo assembleiano deixe essas más companhias o mais depressa possível.

Entrevista de Julio Severo ao site Gospel Prime

Posted in Teologia da Libertação, Teologia da Missão Integral, Teologia da Prosperidade by juliosevero on 24 de outubro de 2011

Entrevista de Julio Severo ao site Gospel Prime

Gospel Prime: Você declara que tem um chamado para denunciar as fraudes e mentiras do esquerdismo evangélico. O que você define como esquerdismo evangélico e como tentar barrá-lo?
Julio Severo: Combato toda ideologia e sistema que pretende usurpar o lugar de Deus, da família e da igreja. E de longe quem mais quer fazer isso é o estatismo socialista, isto é, o Estado socialista exige ser o centro de tudo na vida das pessoas. Com o socialismo, o Estado perdeu seu caráter fundamental de ser apenas representante do seu povo para ser deus do seu povo. De forma geral, a ideologia socialista — com todas as suas variantes, em maior ou menor grau — coloca o Estado nesse papel central de falso deus.
Esse tipo de Estado exige a supremacia e o controle absoluto sobre as crianças nas áreas de educação e saúde. Exige interferências em muitas áreas que não lhe competem, como família, igreja e caridade.
Com a desculpa de fazer caridade para todos, esse Estado assume controle da educação e saúde e importantes áreas pertencentes a Deus, às famílias e às igrejas, tirando da população muitos de seus recursos através de impostos abusivos, que escoam em grande parte para o bolso dos corruptos. No fim, terminamos controlados, doutrinados e com os bolsos vazios.
O esquerdismo é uma ideologia que vem de Karl Marx, um homem de raízes judaicas que se converteu ao protestantismo. Mas sob a influência de um professor satanista na universidade, ele se converteu ao satanismo, que o inspirou em ideias socialistas.
Defino o esquerdismo evangélico como a tentativa de usar o Evangelho e as igrejas para promover ou impor um Estado assistencialista na sociedade. Essencialmente, o esquerdismo evangélico está a serviço da ideologia marxista, deixando o Evangelho apenas como assessório, fomentando ideias como a Teologia da Missão Integral, que Ariovaldo Ramos define como “uma variante protestante da Teologia da Libertação”. Adeptos da Teologia da Libertação, juntamente com a CNBB, foram instrumentais na fundação e manutenção do PT. Do lado evangélico, os adeptos da Teologia da Missão Integral trabalharam em comunhão com os objetivos da CNBB e da Teologia da Libertação. Ariovaldo Ramos, que assinou manifestos políticos pró-Lula e pró-Dilma em épocas de eleição, viajou a Venezuela para dar apoio ao ditador socialista Hugo Chavez, por suas políticas supostamente voltadas aos pobres.
Para barrar o crescimento socialista entre os evangélicos é preciso conscientizar que a assistência aos pobres, conforme pregada e praticada por Jesus, deve sempre ser um ato voluntário, sem a coerção do Estado, que não tem chamado nenhum para ser assistencialista. Sua única função é trazer ordem, punir os criminosos e elogiar os bons. Aos cidadãos fica a liberdade e responsabilidade de praticar caridade, sem nenhuma coerção através de impostos abusivos. Meu artigo sobre a Teologia da Missão Integral explica em detalhes a diferença entre caridade voluntária e coerção estatal no tão chamado assistencialismo aos pobres.
Gospel Prime: Os principais líderes religiosos, ou pelo menos os mais conhecidos, já foram alvos de denúncias criminais (lavagem de dinheiro, estelionato, etc) e outros, além disso, ainda aparecem com teologias bastante criticadas como é o caso das igrejas que pregam a Teologia da Prosperidade. Como você avalia esse caminho que a Igreja brasileira tem tomado?
Julio Severo: Penso que as igrejas da Teologia da Prosperidade não agem bem ao instigar seus membros a ofertarem excessivamente, muitas vezes como um requisito para receber bênçãos. Já a questão da lavagem de dinheiro envolve vários problemas. Essas igrejas arrecadam muito dinheiro e sabem que o governo é abusivo na cobrança de impostos. (Veja que Tiradentes se revoltou contra o governo português que cobrava o “quinto”, 20% da renda. Contudo, hoje o governo brasileiro cobra de nós uma quantia exorbitante de quase 40%!) O caminho certo seria essas igrejas não pedirem ofertas de forma exagerada e também protestarem contra a ganância do governo, que em termos bíblicos está cometendo o pecado do “roubo”, ao quebrar um dos Dez Mandamentos. Contudo, em vez de fazerem esse protesto, essas igrejas se alinharam ao esquerdismo oriundo de focos esquerdistas pioneiros em igrejas históricas como a presbiteriana, luterana e batista. Hoje, as igrejas da Teologia da Prosperidade se aliam descaradamente às igrejas da Teologia da Missão Integral para promover políticos socialistas. Eu penso que as igrejas da Teologia da Prosperidade deveriam continuar frisando a importância do dízimo, sem se aproveitar das ofertas para enriquecimento pessoal dos pastores. Não sou contra os pastores da Teologia da Prosperidade, contanto que o enriquecimento deles venha diretamente de Deus, não das ofertas de ovelhas ludibriadas. As igrejas da Teologia da Prosperidade também deveriam renunciar ao esquerdismo que abraçaram das igrejas históricas e deveriam pregar publicamente contra os roubos que o Estado comete em nome dos impostos.
Por outro lado, vemos uma apostasia disfarçada de “apologética”, onde indivíduos desprovidos de honestidade atacam os adeptos da Teologia da Prosperidade, mas abraçam os adeptos da Teologia da Missão Integral e abraçam outros indivíduos desprovidos de moral. Esses indivíduos, alguns dos quais chegam a se alinhar a bruxos e às campanhas do governo, ousam se classificar como paladinos da doutrina pura. Eles são totalmente contra a Teologia da Prosperidade, mas sempre se unem aos seus adeptos para apoiar políticos de linha esquerdista. Veja o caso de Guilherminho Cunha, da Igreja Presbiteriana do Brasil, que se uniu ao Bispo Macedo para apoiar Lula em 2002. Em 1994, em seu programa de TV, Caio Fábio, que na época representava a Igreja Presbiteriana do Brasil, apresentou Lula aos evangélicos como forma de “estimular” os evangélicos a se aproximar de Lula e do PT. Funcionou. Antes da ação de Caio Fábio, que sempre se opôs à Teologia da Prosperidade (mas já era adepto da Teologia da Missão Integral), as igrejas, principalmente as pentecostais e neopentecostais, viam Lula, o PT e o socialismo como produtos do inferno. Desgraçadamente, Caio Fábio mudou a visão deles, fazendo com que todos eles deitassem na cama de adultério político e espiritual do socialismo brasileiro que estava sendo oferecido com Lula e o PT.
É roubo induzir, ainda que sem força física, pessoas da igreja a dar dinheiro na igreja em troca de bênçãos. Os que ensinam que podemos barganhar as bênçãos de Deus terão de prestar contas a Ele.
Os adeptos Teologia da Missão Integral denunciam muito os pastores da Teologia da Prosperidade, mas apoiam sistemas e leis que forçam as pessoas a pagar, com o dinheiro de seu próprio bolso, as perversas políticas assistencialistas do Estado socialista. Caridade é voluntária, nunca forçada. Portanto, os adeptos Teologia da Missão Integral também terão de prestar contas a Deus por promoverem roubos estatais com o pretexto de caridade.
Em vez de se preocuparem com o espírito e a fome espiritual das pessoas, tanto a Teologia da Missão Integral quanto a Teologia da Prosperidade miram o bolso de suas vítimas.
João 6 ensina que Jesus veio matar a fome espiritual das pessoas. Ele não veio interessado no bolso de ninguém, seja para ajudar supostas políticas de caridade do Estado, seja para barganhar dinheiro das pessoas por bênçãos terrenas.
Gospel Prime: No Brasil é nitidamente visto que os líderes religiosos “vendem” seus rebanhos para políticos oferecendo o púlpito das igrejas para campanhas políticas. Como você encara essa relação igreja e política?
Julio Severo: A Bíblia é muito clara que, para alcançarmos o suprimento de todas as necessidades, precisamos buscar o Governo de Deus acima de todas as coisas: “Buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.” (Mateus 6:33 ACF)
Já temos um Governo poderoso para nos suprir, de modo que demonstraria infidelidade usar as igrejas para dar apoio a determinado político ou partido em troca de favores políticos. Até mesmo os políticos evangélicos não deveriam trabalhar para alcançar mais repasses de verbas para suas igrejas, pois a prioridade absoluta das verbas públicas é a manutenção da ordem social e da força policial de repressão ao crime e da força judicial de punição ao crime. O que eles deveriam fazer é trabalhar para que o governo cesse suas práticas abusivas e criminosas de aumento de impostos, que deixam as pessoas e as igrejas com menos recursos para investirem em si e suas necessidades. Se Tiradentes, que não lutou com motivações cristãs, acertou em cheio quando se inconformou com uma taxa de impostos de 20%, os políticos cristãos deveriam se inconformar e lutar muito mais. Eles não deveriam descansar até o governo abaixar a taxa de impostos para 10% ou menos. Sem isso, sempre teremos uma sociedade escrava e um Estado autoritário.
Por outro lado, a esquerda evangélica não tem a mínima vergonha de promover, em época de eleição, políticos que trazem o rótulo de “caridade” e assistencialismo aos pobres. E caridade aqui é no sentido puramente estatal, onde o ato voluntário é sacrificado e eliminado em favor de uma caridade forçada a custa dos impostos de quem trabalha e tem família para sustentar. E as imensas riquezas obtidas em nome desse assistencialismo estatal escoam para fazer “caridade” também para grupos gays, grupos pró-aborto, políticos corruptos, etc.
É errado usar o púlpito das igrejas para promover políticos em troca de favores políticos. É igualmente errado e imoral usar o Evangelho de Jesus Cristo para apoiar partidos e políticos que roubam em nome da caridade. Ariovaldo Ramos, o maior defensor da Teologia da Missão Integral, fez exatamente isso nas eleições presidenciais passadas: assinou e promoveu manifestos a favor do PT, que é a favor do aborto e da agenda gay
No dois casos, não há o espírito do Evangelho.
Gospel Prime: Em falar em igreja e política, como você avalia o trabalho da Frente Parlamentar Evangélica?
Julio Severo: Com todas as suas fraquezas, a Frente Parlamentar Evangélica (FPE) é a maior força contra a avalanche de políticas de sodomia e aborto, apesar de que importantes líderes dessa bancada não abrem mão do apoio ao próprio governo petista que está majoritariamente por trás dessa avalanche. A liderança e membros da Frente Parlamentar Evangélica precisam da compreensão de que, quer sejam políticos ou simples cidadãos, como cristãos somos cidadãos de outro Governo: o Reino de Deus. Eles deveriam, acima de tudo, trabalhar para expandir esse Governo supremo, que não falha. Trabalhar para expandir, a qualquer custo, o governo deste mundo pode trazer problemas sérios, já que estamos vendo o governo brasileiro profundamente manobrado pela ideologia esquerdista, que o usa para tentar impor sobre a sociedade brasileira valores de aborto, homossexualismo e outras perversões. Aqueles que trabalham no governo deste mundo com fidelidade total ao Governo de Deus não serão confundidos nem envergonhados.
Mas se a FPE continuar lutando contra o aborto e algumas questões da agenda gay, e ao mesmo tempo se aliando ao governo, é certeza de que a FPE receberá alguns elogios do governo. É igualmente certeza de que haverá reprovação divina para esse adultério político e espiritual.
Gospel Prime: E no caso do kit anti-homofobia que foi barrado pela presidente Dilma depois de ser pressionada pelos parlamentares cristãos?
Julio Severo: O kit anti-“homofobia” nada mais era do que o kit da propaganda do sexo homossexual para crianças de escola. A pressão da população e da bancada cristã moveu Dilma a barrá-lo, mas eis que agora vem o kit gay 2…
Gospel Prime: A homofobia é outro tema que tem sido muito discutido na mídia, colocando evangélicos e homossexuais em choque, causando inúmeras discussões e processos. Qual seria a melhor forma da Igreja lidar com esse tema?
Julio Severo: A palavra “homofobia” é um termo politica e ideologicamente carregado. De maneira geral, os ativistas homossexuais e seus simpatizantes o interpretam como “agressões e assassinatos de homossexuais”. Mas então, um padre ou pastor que prega contra a prática homossexual se torna alvo do rótulo “homofóbico”, numa tentativa suja de intimidar os cristãos e transformar a denúncia cristã contra o pecado em conduta equivalente ao comportamento dos que agridem e matam homossexuais. Mas a origem da maioria das agressões aos homossexuais são as brigas com seus parceiros e clientes sexuais. No famoso caso da Av. Paulista, uma homossexual foi agredido de madrugada. Sou paulistano e sei muito bem que qualquer pessoa que ouse sair de madrugada em São Paulo arrisca ser assassinada. Aliás, a amiga de um amigo meu foi estuprada de dia na Av. Paulista mais de vinte anos atrás, mas seu caso nunca ganhou repercussão. Contudo, o caso do homossexual de madrugada, horário em que muitíssimos homossexuais fazem ponto de prostituição, recebeu amplíssima cobertura da mídia.
Então, fica claro que está havendo uma manipulação nos meios de comunicação. Essa manipulação favorece grandemente a expansão da agenda gay.
A posição da igreja é estar aberta para os pecadores, mas os cidadãos cristãos não podem de forma alguma se omitir, pois em nome do combate à “homofobia” o Estado ideologicamente sequestrado está mais do que disposto a nos forçar a participar dessa revolução homossexual, tomando a força nosso dinheiro mediante políticas absurdas de impostos para entregar aos pés de ativistas que estão usando os nossos recursos para práticas de orgias e doutrinação homossexual de crianças nas escolas, entre muitas outras barbaridades.
Se uma lei anti-“homofobia” for aprovada, as igrejas e seus membros correrão riscos se criticarem a homossexualidade ou citarem versículos da Bíblia. Mesmo sem nenhuma lei anti-“homofobia” no Brasil, outdoors bíblicos citando versículos que condenam a sodomia foram removidos à força pelas autoridades de Ribeirão Preto. A própria Marta Suplicy disse que se o PLC 122 for aprovado, os cristãos não terão liberdade de criticar o sexo anal nem mesmo dentro das igrejas.
Portanto, tome cuidado: a palavra “homofobia” é uma armadilha que custará caro para a sociedade.
Gospel Prime: O senhor aprova as atitudes como a do pastor Silas Malafaia de não se calar diante das afrontas?
Julio Severo: Sou 300% a favor da intrepidez do Pr. Silas Malafaia, que não se cala onde muitos estão calados e omissos. Gostaria que os cristãos do Brasil pudessem imitar a coragem desse homem frente às questões do aborto e homossexualismo. Seria anticristão e apostaria não apoiar Malafaia quando ele denuncia o aborto e o homossexualismo, embora nenhum de nós tenha a obrigação de apoiá-lo quando se alinha com políticos corruptos e oportunistas. Mesmo defendendo Malafaia em suas posturas pró-família, não o segui quando ele cometeu a estupidez de apoiar Lula nas duas eleições presidenciais.
Gospel Prime: Acha possível que os projetos para substituir (ou renomear) a PL 122 sejam aprovados?
Julio Severo: Com o PT e outros socialistas no governo, jamais teremos descanso, pois eles estão determinados a avançar os projetos de lei de privilegiação e sacralização da sodomia e a criminalização dos bons costumes.
Gospel Prime: Há 11 anos você lançava o livro “O Movimento Homossexual”, como é hoje olhar pelos noticiários que os grupos militantes em favor das causas homoafetivas estão recebendo muita atenção por parte do governo brasileiro e da mídia? Você já imaginava que isso aconteceria? Existe algo que possa barrá-lo?
Julio Severo: Meu livro já alertava sobre a obsessão homossexual que viria a dominar o governo, a mídia e as escolas do Brasil. Foi bem fácil fazer isso, pois, como deixei claro em meu livro, os grupos gays brasileiros são imitadores descarados dos modismos homossexuais dos EUA. Na verdade, se não fosse pelo imperialismo cultural dos EUA, o Brasil e muitas outras nações desconheceriam paradas gays e a obsessão política e legal de impor a sodomia como normal em toda a sociedade.
O que eu “imaginei” no meu livro na época era impensável no Brasil na década de 1990. Hoje, é normal e até quase obrigatório aceitar o homossexualismo.
O que pode barrar essa revolução homossexual são as igrejas cristãs. Veja que antes da guerra de independência dos EUA, houve todo um trabalho de pregação e conscientização de Jonathan Edwards e outros pregadores. Em seguida, veio o Grande Avivamento. Depois, a bem-sucedida guerra de independência dos EUA. Se a igreja tivesse fracassado, os EUA não teriam nascido e seu povo estaria escravizado, com impostos elevadíssimos sendo usados para o mal. É verdade que hoje os EUA vivem essa realidade de escravidão e impostos sendo usados para o mal, mas por quase um século, depois de sua independência, eles acertaram.
Se as igrejas do Brasil fracassarem, seu povo ficará escravizado, à mercê dos caprichos da ideologia gayzista.
Aproveitando, é preciso esclarecer que o termo “homoafetivo” não tem nenhum significado intrinsecamente homossexual, pois pode, com justiça, ser aplicado à amizade entre pai e filho, entre uma mulher e sua amiga, etc. Homoafetivo significa simplesmente “afeição entre iguais”. No caso homossexual, só se deve aplicar “homoerotivismo”, ou até “homo-depravação”.
Gospel Prime: Hoje você é considerado um dos grandes inimigos dos homossexuais e já foi alvo de inúmeros protestos, chegando a ter sua conta na Paypal cancelada. Como pretende se defender desse tipo de acusação e chantagem por parte dos homossexuais que pressionam as empresas?
Julio Severo: Internacionalmente, sou considerado um opositor da agenda gayzista. Os ativistas gays querem impor sobre os que fazem essa oposição a caricatura de “inimigo dos homossexuais”. Não adianta os cristãos dizerem que amam os pecadores, mas não seu pecado. Basta você dizer que quem pratica atos homossexuais não herdará o Reino de Deus, e o rótulo lhe é aplicado sem dó nem piedade: “Você é um odiador de gays!”
As chaves do Reino de Deus pertencem a Deus, e Ele em sua soberania já decidiu que quem não se arrepender de seus atos homossexuais e não aceitar Jesus, não irá para o Reino de Deus.
Deus será agora rotulado como o supremo Odiador?
O único modo de evitar essa caricaturização é favorecendo todas as imposições gayzistas. Evidentemente, Deus que condena o pecado homossexual como abominação e diz que os que praticam essa abominação não herdarão o Reino de Deus é enquadrado, na visão ideológica da militância gayzista, como “inimigo dos homossexuais”. Se o pai da família é assim tratado, que tipo de tratamento seus filhos devem esperar? Mas essas caricaturizações não têm impedido homossexuais de buscarem ajuda de mim para se verem livres de seu comportamento.
A organização homossexual AllOut, que fez pressão para que o PayPal fechasse minha conta, é a mesma organização que está fazendo campanha para que as empresas americanas parem de fazer doações para entidades cristãs de caridade. Um número grande de entidades católicas e evangélicas está sendo alvo dessa campanha, sendo injustamente classificadas como “incitadoras de ódio e violência aos homossexuais”, inclusive Focus on the Family, fundada pelo Dr. James Dobson. Eu sou apenas um dos alvos dessa campanha.
AllOut é um grupo homossexual muito bem financiado. Aliás, os grupos gayzistas contam hoje com acesso privilegiado a inúmeras verbas estatais, sem mencionar dinheiro que lhes chega de poderosas fundações e instituições americanas e europeias. A ONU também os financia. Eu não tenho apoio nem de governos, nem de fundações nem da ONU. Meus apoiadores são humildes leitores do meu blog.
Gospel Prime: Recentemente seus blogs foram bloqueados pelo Google, você teme que isso possa acontecer outras vezes ou temem que eles sejam cancelados definitivamente?
Julio Severo: A primeira vez que meu blog foi bloqueado foi em 2007, durante três dias. Quando um procurador em Brasília telefonou para o Google pedindo explicações sobre o fechamento do meu blog, os advogados do Google disseram que haviam recebido muitas queixas de que meu blog promovia ódio e violência contra os homossexuais. O procurador então respondeu que era leitor assíduo do meu blog e nunca tinha visto nenhum ódio e violência contra os homossexuais nos meus textos. No caso mais recente, eu havia ido ao supermercado com minha família e demoramos. Quando voltei, para minha surpresa, minha conta de Gmail estava inacessível e em seguida recebi chamadas me avisando que meu blog havia sido eliminado. Quando fui verificar, constatei que todos os meus blogs haviam sido eliminados, e a única explicação que recebi do Google foi que eu havia violado seus termos. Mas eu nem precisei me queixar, pois a eliminação que foi feita enquanto eu estava no mercado gerou uma repercussão grande na internet, de modo que quando eu havia chegado do mercado e constatado o problema, vários blogs e sites já estavam espontaneamente denunciando o ocorrido. Não sei em que “violei os termos do Google”, mas em poucas horas o Google restaurou meu blog, sem dar nenhum esclarecimento.
Se o PLC 122 for aprovado, meus blogs poderão ser fechados. Anos atrás, quando o Ministério Público Federal enviou uma comunicação ao Google solicitando o fechamento do meu blog por incitar a “homofobia”, o Google respondeu que só o faria depois de aprovada uma lei explicitamente contra a “homofobia”.
Gospel Prime: O que você tem a dizer sobre essa perseguição que fazem em relação ao seu trabalho como blogueiro em defesa da família?
Julio Severo: Meu blog tem incomodado vários segmentos subversivos, que exigem o avanço de sua agenda radical em detrimento de tudo o mais na sociedade, inclusive a família natural. Meu blog confronta os subversivos da agenda gay e suas campanhas para forçar a sacralização da sodomia na sociedade. Meu blog confronta o socialismo secular, que exige o lugar de Deus, da família e da igreja na vida dos indivíduos e da sociedade. Meu blog confronta a agenda feminista e sua obsessão pró-aborto. Meu blog confronta os cristãos subversivos que usam o Evangelho apenas como assessório para a promoção de ideias socialistas e liberais. Meu blog confronta o controle ditatorial do Estado sobre a educação, mostrando que a educação escolar em casa é um direito natural de toda família. Meu blog confronta indivíduos que, fazendo uso de uma fraudulenta apologética cristã, atacam outros cristãos simplesmente por atacar, enquanto ao mesmo tempo abraçam ideias nitidamente socialistas.
Enfim, meu blog incomoda muita gente.
Incomoda a ABGLT, a maior organização homossexual do Brasil, que enviou queixa ao Ministério Público Federal contra mim e meu blog.
Incomoda a Associação da Parada do Orgulho Gay de São Paulo, que também enviou queixa ao Ministério Público Federal contra mim e meu blog.
Incomoda o Ministério de Segurança Nacional dos EUA, que dois meses atrás foi flagrado fazendo uma visita ao meu blog.
Mas ao mesmo tempo, pelas mensagens de apoio que recebo, glorifico ao Senhor Jesus pelo fato de que muita gente está também sendo abençoada pelos humildes textos do meu blog.
Divulgação: www.juliosevero.com

>Onde fica o Reino de Deus na disputa entre PT e PSDB?

>

Onde fica o Reino de Deus na disputa entre PT e PSDB?

Enquanto o avanço das leis anti-“homofobia” do governo federal sob o PT esbarrou em fortes resistências cristãs, os mesmos tipos de lei encontraram poucos obstáculos em seu avanço no Estado de São Paulo sob o PSDB. O que farão os cristãos agora?

Julio Severo
Em 1992, a Igreja Universal do Reino de Deus tinha uma postura firme contra o aborto, e contra Lula e o PT. Não era necessário ser visionário para enxergar que o PT no governo traria aborto e homossexualismo — mas ninguém imaginava que seria muito pior do que pensávamos.
O PT chegou ao poder graças a uma horrorosa deturpação do conceito do que é o Reino de Deus, pregada por uma CNBB majoritariamente adepta da Teologia da Libertação. Os evangélicos, que sempre tinham um pé atrás com a ideologia de Lula, acabaram aderindo — sob inspiração de Caio Fábio — a essa teologia.
Na segunda metade da década de 1990, o Bispo Edir Macedo começou a mudar radicalmente de opinião, passando a apoiar conjuntamente o aborto e o PT, levando sua endinheirada igreja a caminhar lado a lado com a CNBB e Ariovaldo Ramos numa visão religiosa onde o PT é um tipo de implementador oficial das políticas de sua versão do “Reino de Deus”.
Segundo eles, o PT estaria perdoado por sua promoção do aborto e do homossexualismo, pois “ajuda os pobres”. Quem quer que faça isso é parceiro de sua versão do “Reino de Deus”, independente do que tenha feito. Por isso, eles facilmente perdoam Fidel Castro e Hugo Chavez. É o vale-tudo pelos pobres: matar, roubar e destruir.
Fiel à sua ideologia abortista, Macedo se coloca hoje ao lado da candidata abortista Dilma Rousseff. O Pr. Silas Malafaia já criticou a postura pró-aborto e pró-Dilma de Macedo, o qual respondeu argumentando que Serra é também a favor do aborto.
Seria imprudente presumir que Dilma e Serra não terão governos comprometidos com a causa do aborto e do homossexualismo. Lula é a amostra (e ameaça) viva do que será o governo de Dilma. O Estado de São Paulo sob o PSDB, com suas radicais leis anti-“homofobia”, é a amostra (e ameaça) viva do que será o governo de Serra.
Serra foi sincero o suficiente para dizer que apoiará a união civil homossexual — exatamente como fez publicamente Marina Silva, que confessou ter a mesma posição de Marta Suplicy —, e Dilma disfarçou suas antigas posições de aborto.
Se Dilma ganhar, a mentira se transformará em realidade cruel. Se Serra ganhar, quem conseguirá impedi-lo de fazer pelo PLC 122 o que o PSDB fez pela versão estadual dessa lei em São Paulo, que teve um avanço espetacular? E os grupos homossexuais proclamarão que Serra venceu porque defendeu publicamente os interesses deles, enquanto que Dilma titubeou.
Contudo, os cristãos estão titubeando muito mais do que Dilma e Serra, que se encontram na desconfortável situação de verem a questão do aborto e “casamento” gay pesando numa eleição inteira.
Aqueles que deveriam ter compromisso com o Reino de Deus estão fazendo muitas negociações, esquecendo-se ou não se importando que fazer compromisso com candidatos políticos em tempo de eleição é um mau negócio. Tudo o que o candidato Lula negociou em 2002 sobre aborto e homossexualismo seu governo jamais cumpriu. Mas, acima de tudo, se os valores do Reino de Deus são inegociáveis, por que tantas negociações?
Com Ariovaldo Ramos e Edir Macedo, a Teologia da Missão Integral (versão protestante da Teologia da Libertação) se uniu à Teologia da Prosperidade para sustentar o insustentável: um governo que durante oito anos trabalhou pelo aborto, pelo homossexualismo, aliançado com Fidel Castro, Hugo Chavez e outras famosas ditaduras internacionais. Respeito aos direitos humanos? Só nos discursos. No que depender do PT, de Ariovaldo Ramos, Edir Macedo e Bispo Manoel Ferreira, as populações de Cuba, Irã, Venezuela e Coreia do Norte podem continuar a ser massacradas sob as grossíssimas vistas da diplomacia brasileira.
No que se refere à ideologia marxista — que essencialmente crê que o centro do universo é o santo e generoso Estado “assistencialista” —, Serra não é muito diferente de Dilma, como a própria Marina Silva reconheceu, considerando seus partidos no mesmo nível ideológico nas origens. O único motivo de preocupação dela nesta eleição foi a “onda de conservadorismo”, reconhecida pela imprensa como a principal força que está se opondo ao aborto e ao homossexualismo.
Ninguém esperava essa onda, e mesmo se declarando não conservadora antes da onda, Marina acabou no primeiro turno recebendo votos de milhões de conservadores, que votaram nela para evitar o abortismo e homossexualismo de Dilma e Serra. Mas seu testemunho principal, moldado pela Teologia da Libertação, foi ficar em cima do muro ou lavando as mãos, como uma versão verde de Pôncio Pilatos. Nenhuma queixa contra as posturas anticristãs de Dilma ou do PT — com quem ela trabalhou com a consciência tranquila durante muitos anos — ou de Serra. Só queixas contra o conservadorismo.
De Macedo e Ariovaldo Ramos, não se espera nada, pois não existe coerência em aliados de um governo patentemente anticristão. Enquanto Macedo tocou explicitamente no assunto do aborto em tom de aprovação, Ariovaldo pró-Dilma divulgou seu manifesto público, declarando: “manifestamos as nossas rejeições diante da onda de conservadorismo que se abateu sobre o país nesse processo eleitoral”. E Marina, em sua “Carta Aberta aos Candidatos à Presidência da República Dilma e Serra”, igualmente não toca no assunto do aborto e homossexualismo uma única vez, mas critica abertamente o que ela enxerga como “esse conservadorismo renitente que coloniza a política e sacrifica qualquer utopia em nome do pragmatismo sem limites”.
A utopia dela — envolvendo marxismo, socialismo, Teologia da Libertação, Teologia da Missão Integral, evangelho progressista, evangelho comunista e afins — não merece ser sacrificada em prol do verdadeiro e único Evangelho? Não merece ser sacrificada pelo bem-estar moral de milhões de famílias que não precisam e não querem governos que, dizendo-se a favor dos pobres, são obcecados, doentes e insanos por aborto e homossexualismo?
De Silas, espera-se mais. Seu testemunho contra o PLC 122 e contra o aborto é notável e louvável. Mas apoiar Serra publicamente é compatível com os valores do Reino de Deus? E que tipo de compatibilidade houve no apoio dele no passado a Lula e Sérgio Cabral? Marcelo Crivella e Magno Malta são destaques também entre os evangélicos por combaterem o PLC 122, mas estão com Dilma, que tem um histórico de violência e luta armada que ela nunca renega e hoje está alinhada com o PT em sua ambição de transformar o Brasil numa ditadura marxista e a América Latina numa União das Republiquetas Socialistas do Foro de São Paulo.
Será uma alegria enorme ver a derrota da terrorista comunista Dilma, mas uma vitória de Serra será motivo de comemoração?
Entenda que esta eleição não representa alegria, pois os eleitores não poderão escolher entre uma solução menor e uma solução maior. Pelo contrário, é uma eleição de dor e sofrimento, principalmente para homens e mulheres que têm valores elevados de justiça e família, onde a única opção humana disponível é escolher entre o mal maior e o mal um pouco menor. É uma escolha entre um governo que trará grandes problemas e outro que trará problemas imensos.
Os dois candidatos representam perigos reais. Dilma, em maior grau; Serra, em menor. É como escolher, metaforicamente, entre um assassino e um estuprador. Se você escolhe o assassino, sua esposa e filhas são estupradas na sua frente e no final você e elas são mortos. Se escolhe o estuprador, você e elas escapam com vida, mas elas são estupradas.
O que não é metáfora nem ficção é que as políticas deles realmente trarão mortes e estupros, em muitos sentidos diferentes e reais. Aborto propositado e legalizado é assassinato sancionado pelo Estado. Ensinar homossexualismo ou sexo para crianças nas escolas é estupro psicológico perpetrado pelo Estado. Sacralizar e proteger legalmente o conceito de “orientação sexual” abre as portas para todos os tipos de barbarismo e anormalidade, inclusive a pedofilia, sob as “bênçãos” do Estado. Dificultar relações diplomáticas com Israel e facilitá-las com as ditaduras sanguinárias do Irã e Coreia do Norte é trazer espírito de morte e maldição ao Brasil, assim como manter ligações com grupos terroristas como as Farc e o Hamas. Tudo isso o PT tem feito religiosamente, enquanto que metade disso o PSDB aprova e faz.
É por isso que não voto em nenhum dos dois, mas entendo aqueles que, vendo o mal maior do PT aparelhado ao Estado e transformando o Brasil em tirania, estão dispostos a tapar o nariz para votar em Serra. Entretanto, dá para entender os que não tapam o nariz e ainda negociam?
Diante do mal, o Reino de Deus e seus valores são inegociáveis, mas muitos membros importantes da Frente Parlamentar Evangélica estão se vendendo em troca de propostas indecorosamente altas. O PT está conseguindo comprar a consciência de parlamentares evangélicos que até recentemente viam e avisavam sobre as ameaças dos projetos do PT. Agora, sob o peso das tentações terrenas, eles se calam para a verdade e só desentopem a boca para elogiar os bons pagadores.
No entanto, aqueles que negociarem os valores do Reino de Deus verão a Palavra de Deus se cumprir. Antes de o governo e a sociedade do Brasil serem castigados por suas iniquidades, o juízo se abaterá sobre a casa de Deus, a começar por homens que trazem o titulo de pastor, bispo, apóstolo, deputado evangélico, etc. De Deus não se zomba. Ele não tolerará para sempre os que negociam os valores do Reino de Deus em troca de ideologias de morte, roubo e destruição, ainda que venham elegantemente mascaradas de assistência aos pobres.
Então, se não há em quem votar, para onde recorrer? Ao Rei do Reino de Deus. Ninguém entende melhor de política do que Ele.
Uma convocação pública e nacional de jejum, choro e oração poderia trazer para o Brasil um aumento da “onda de conservadorismo” contra o aborto e o homossexualismo — uma onda maior que traga justiça e repudio à institucionalização de toda iniquidade.
Nesta eleição, ninguém esperava uma onda contra o aborto e o homossexualismo, mas ela veio, fazendo o diabo estremecer de raiva e pavor.
Quem a enviou não pode mandar muito mais?
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 4.795 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: