Julio Severo

FBI prepara sistema de varredura e vigilância da internet

Posted in ABGLT, FBI, monitoração, vigilância by juliosevero on 31 de janeiro de 2012

FBI prepara sistema de varredura e vigilância da internet

Atividades de monitoração do FBI abrangerão a internet inteira, principalmente redes sociais como Facebook e Twitter

Julio Severo
A polícia federal dos EUA, conhecida como FBI, divulgou quietamente detalhes de planos para monitorar continuamente as informações mundiais do Facebook, Twitter e outras redes sociais, oferecendo uma rara oportunidade de ver as atividades do FBI. Outros órgãos do governo americano estão também envolvidos na vigilância das mídias de internet, mas não divulgam nada de suas atividades nem revelam até que ponto estão monitorando os usuários.

Os planos do FBI, conforme foram divulgados, incluem a contratação de empresas que construam um sistema de monitoração que ajude o FBI a vasculhar tudo na internet.

O documento indica que o FBI quer usar a mídia social para mirar usuários ou grupos de usuários específicos, observando que os agentes do FBI precisam “localizar causadores de problemas… e analisar seus movimentos, vulnerabilidades, limitações e possíveis ações adversas”.
Quem será classificado como “causador de problemas”? Uma das políticas prioritárias do governo dos EUA é promover a agenda gay no mundo inteiro. Sendo um órgão federal, o FBI poderia se desalinhar dessa política? É evidente que sua monitoração favorecerá os interesses do governo americano em tudo — inclusive na proteção e promoção da agenda gay.
Já há casos do governo americano monitorando cidadãos cristãos nos EUA que não têm nenhum envolvimento com terrorismo:
* O FBI tem monitorado indivíduos e grupos cristãos opostos ao aborto e ao “casamento” gay.
* O FBI tem perseguido uma mãe cristã e sua filha exclusivamente porque ela abandonou o lesbianismo e porque sua ex-amante lésbica exige a posse da menina.
* O FBI foi denunciado pelo grande site WND por monitorar um pregador evangélico.
O perigo nessa tendência americana é que outras polícias do mundo poderão imitar o FBI. Se o FBI pode monitorar cristãos por suas opiniões contra o aborto e o homossexualismo, por que a polícia federal do Brasil não pode copiar?

Sem nenhum mau exemplo dos EUA, o Brasil já enfrenta sérias ameaças, com um governo dirigido por indivíduos com histórico criminoso e terrorista comunista. São indivíduos que interpretam a “democracia” como um regime onde eles têm liberdade de fazer o que bem entendem, inclusive calar seus inimigos.

E por pura coincidência, o PT descobriu que o maior obstáculo para a implantação de sua ditadura e controle sobre a mente e coração do povo é a mídia evangélica: programas de TV e sites que defendem os valores cristãos, se opondo ao aborto e ao homossexualismo.
Por questão ideológica, o governo do PT, assim como todo governo socialista fanático, dá preferencia para Cuba. Por isso, a nova lei brasileira obrigando as mulheres grávidas a serem registradas se inspirou em Cuba.
Contudo, já que o FBI está demonstrando capacidade maior de monitorar os que ameaçam o governo americano com opiniões contrárias aos dogmas estatais do aborto e do homossexualismo, por que a polícia federal brasileira quereria ficar de fora desse controle?
O Brasil adora imitar lixo americano. Os grupos gays brasileiros, por exemplo, são imitadores fiéis dos grupos gays americanos.
O perigo é real, ainda mais que o governo americano, que anda obcecado pela agenda gayzista e abortista, tem tido um relacionamento com a ABGLT, a maior organização gay do Brasil.
Em 2010, a secretária de Estado Hillary Clinton deu uma mãozinha para que a ABGLT fosse oficialmente credenciada dentro da ONU. Ela deu essa ajuda depois que todos os esforços do governo Lula em prol da ABGLT na ONU falharam.
Além disso, há uma informação obtida de que a ABGLT já está tendo contatos com o FBI.
Com a ajuda do governo do PT, a ABGLT quer calar no Brasil cristãos que denunciam a agenda gay. Com a ajuda do FBI e do governo americano, o que a ABGLT poderia fazer com brasileiros nos EUA que denunciam em português a agenda gay? Como se sabe, Silas Malafaia e eu temos estado na mira da ABGLT.
Se o governo brasileiro — que é amante da truculência ditatorial cubana — se interessar pelo monitoramento dos cidadãos através do sistema de vigilância do FBI, a imitação será o próximo passo.
Teremos pois um FBI para pegar brasileiros conservadores nos EUA e um FBI tupiniquim para imitar o lixo policialesco americano.
Será o Fim do Brasileiro Independente?
Com informações do New Scientist.

Lanna Holder, o porco e a sodomia

Posted in Lanna Holder, lesbianismo, Levítico 18:22, porco by juliosevero on 30 de janeiro de 2012

Lanna Holder, o porco e a sodomia

Julio Severo
Em entrevista recente ao Gospel Prime, Lanna Holder, que se considera pastora lésbica, usou o exemplo dos pastores para defender sua opção sexual: se eles podem viver em divórcios e recasamentos, por que ela não pode viver no lesbianismo?
Só não vou tratar desse assunto porque meu artigo “A teologia da nudez” já disse tudo o que precisava ser dito sobre homossexuais e pastores divorciados e recasados: http://juliosevero.blogspot.com/2008/04/teologia-da-nudez.html
Vou tratar de outro assunto igualmente importante de Lanna Holder, que é “pastora”, não porque alguma denominação evangélica brasileira esteja ordenando gays e lésbicas, imitando decadentes igrejas americanas. Ela é “pastora” por decadência lésbica pessoal, sem o apoio de nenhuma denominação evangélica do Brasil. Claro que, no que depender do governo e da mídia, ela tem aprovação garantida para qualquer decadência lésbica, gay, bissexual, transexual e transgênera que quiser.
Lanna Holder e sua parceira lésbica: carne de porco é igual ao homossexualismo?

Na entrevista ao Gospel Prime, ela foi indagada sobre este versículo:

“Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; abominação é.” (Levítico 18:22 ACF)
A resposta dela: “No mesmo capitulo de Levítico que fala que é proibido um homem se deitar com outro homem… no mesmo contexto também fala que era abominável comer carne de porco”.
Ela colocou o porco diretamente no assunto! Barack Hussein Obama, durante sua primeira campanha eleitoral presidencial, fez discurso não muito diferente, citando Levítico e o homossexualismo.
Mas será que o pecado da homossexualidade está mesmo, no livro de Levítico, no contexto do porco? Vejamos:
“Nenhum homem se chegará a qualquer parenta da sua carne, para descobrir a sua nudez. Eu sou o SENHOR. Não descobrirás a nudez de teu pai e de tua mãe: ela é tua mãe; não descobrirás a sua nudez. Não descobrirás a nudez da mulher de teu pai; é nudez de teu pai. A nudez da tua irmã, filha de teu pai, ou filha de tua mãe, nascida em casa, ou fora de casa, a sua nudez não descobrirás. A nudez da filha do teu filho, ou da filha de tua filha, a sua nudez não descobrirás; porque é tua nudez. A nudez da filha da mulher de teu pai, gerada de teu pai (ela é tua irmã), a sua nudez não descobrirás. A nudez da irmã de teu pai não descobrirás; ela é parenta de teu pai. A nudez da irmã de tua mãe não descobrirás; pois ela é parenta de tua mãe. A nudez do irmão de teu pai não descobrirás; não te chegarás à sua mulher; ela é tua tia. A nudez de tua nora não descobrirás: ela é mulher de teu filho; não descobrirás a sua nudez. A nudez da mulher de teu irmão não descobrirás; é a nudez de teu irmão. A nudez de uma mulher e de sua filha não descobrirás; não tomarás a filha de seu filho, nem a filha de sua filha, para descobrir a sua nudez; parentas são; maldade é. E não tomarás uma mulher juntamente com sua irmã, para fazê-la sua rival, descobrindo a sua nudez diante dela em sua vida. E não chegarás à mulher durante a separação da sua imundícia, para descobrir a sua nudez, Nem te deitarás com a mulher de teu próximo para cópula, para te contaminares com ela. E da tua descendência não darás nenhum para fazer passar pelo fogo perante Moloque; e não profanarás o nome de teu Deus. Eu sou o SENHOR. Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; abominação é; Nem te deitarás com um animal, para te contaminares com ele; nem a mulher se porá perante um animal, para ajuntar-se com ele; confusão é.” (Levítico 18:6-23 ACF)
Não há nenhum porco aí. Aliás, ao contrário do que Lanna alegou, no capitulo 18 inteiro não há uma única menção a porco. No máximo, só há espírito de porco e muita, muita porcaria sexual. O contexto traz proibições de várias anormalidades sexuais, inclusive sexo com animais e sacrifício de bebês ao demônio Moloque.
Se a homossexualidade é normal, o que dizer então de todas as outras porcarias sexuais que estão nesse contexto? Deve-se legalizar tudo o que está ali junto com a homossexualidade? (Para mais informações sobre os casos de “nudez” mencionados nessa passagem de Levítico, consulte meu artigo “A teologia da nudez”.)
No livro de Levítico, há menção ao porco, porém não é no contexto da homossexualidade nem no capítulo 18, conforme insistiu Lanna. Mas talvez ela tenha introduzido o porco na discussão homossexual devido à semelhança de estilos de vida. E que nenhum ativista gay me acuse de nada desta vez, pois quem igualou o porco ao homossexualismo foi uma “pastora” lésbica.
Pois bem, se ela quer falar de porco e homossexualismo, vamos aos fatos bíblicos.
Realmente, no Levítico é proibido comer porco, mas essa condenação não é reforçada no Novo Testamento. O Apóstolo Paulo, sob inspiração divina, nunca disse: “Os que comem carne de porco não herdarão o Reino de Deus!”
Eu não como porco, por entender que a Bíblia ensina corretamente sobre alimentos. Mas não acho que quem come vai para o inferno espiritual. Aliás, nunca me esqueço de um médico, pastor de Brasília, que durante uma pregação disse: “Como médico, sei que a carne de porco não é saudável e que viverei menos anos se a comer. Mas EU GOSTO!” Assim, pela medicina, o porco pode condenar o comilão a um inferno de problemas físicos.
Diferente da carne de porco, a condenação à homossexualidade é reforçada no Novo Testamento em vários lugares, inclusive nesta passagem:
“Vocês sabem que os maus não terão parte no Reino de Deus. Não se enganem, pois os imorais, os que adoram ídolos, os adúlteros, os homossexuais, os ladrões, os avarentos, os bêbados, os caluniadores e os assaltantes não terão parte no Reino de Deus. Alguns de vocês eram assim. Mas foram lavados do pecado, separados para pertencerem a Deus e aceitos por ele por meio do Senhor Jesus Cristo e pelo Espírito do nosso Deus.” (1 Coríntios 6:9-11 BLH)
No tempo do apóstolo Paulo, não havia ativista gay ou gayzista ou homossexualista, como conhecemos hoje. Havia só os homens que cometiam atos homossexuais.  Mesmo não sendo ativistas, Paulo mostrou que, enquanto não abandonassem as práticas homossexuais, as portas do Céu estavam fechadas para eles. Para eles e também para os idólatras, os adúlteros, os ladrões, os avarentos, os bêbados, os caluniadores e os assaltantes.
Entretanto, as portas da igreja devem estar abertas para eles exatamente para que eles possam ouvir o Evangelho, se arrepender, abandonar seus pecados e obter entrada no Reino de Deus. Mas a nenhum deles é permitido entrada no ministério sacerdotal, pois é antibíblico um pastor ser idólatra, adúltero, homossexual, ladrão, avarento, bêbado, caluniador e assaltante.
Então, aparece a Lanna Holder e diz: “Mas eu não quero ficar na igreja só ouvindo o Evangelho. Conheço a Bíblia de capa a capa! Quero pregar! Quero o púlpito! Do contrário, saio da igreja e fundo minha própria igreja!” E foi o que ela fez: fundou sua própria igreja, pois ela não se reconhece como uma mulher pecadora que precisa de Jesus Cristo e sua libertação. Ela só se reconhece como “pastora”.
Lanna Holder sendo promovida pela revista Eclésia, sucessora da revista VINDE, de Caio Fábio

Apesar disso, na entrevista, ela declarou que não é ativista do movimento gay. Mas Levítico 18:22 não condena homens envolvidos em militância política e legal gay. Condena homens envolvidos em atos homossexuais. Assim, sejam ativistas ou não, a Bíblia deixa muito claro que os homossexuais, assim como outros pecadores que não se arrependem e abandonam seus pecados, não têm direito ao Reino de Deus.

Tente imaginar a nojeira que é um porco no lamaçal de seu chiqueiro, e você entenderá por que Deus considera o ato homossexual nojento. Aliás, ele o chama de “abominação”, que significa “repugnante” e “detestável”.
Houve tempo em que Lanna queria crer nisso, mas hoje ela confessa sobre seus sentimentos lésbicos: “Se era uma influência demoníaca, por que eu continuava sentindo os mesmos desejos? Percebi que a minha natureza e a minha orientação sexual continuavam sendo as mesmas”.
Um drogado, beberrão, assaltante e outros desviados, que permanecem a vida inteira com o pecado abrigado no coração, poderiam fazer o mesmo questionamento: “Se é uma influência demoníaca, por que eu continuo sentindo os mesmos desejos (drogas, pedofilia, bebedeiras, roubos, estupros, adultérios, etc.)? Percebo que minha natureza continua sendo a mesma”.
Viver com o porco na boca não leva ninguém ao inferno. Só leva a problemas de saúde. Mas levar o porco na alma traz problemas de saúde e leva o porco de alma ao inferno.
Porco de alma é o que escolhe conviver com a “abominação” na alma e no corpo.
Tal “abominação” contamina também a mente, de modo que seu portador faz da verdade exatamente o que o porco faz com qualquer coisa limpa e bonita que venha a parar debaixo de suas patas: “Não deis aos cães as coisas santas, nem deiteis aos porcos as vossas pérolas, não aconteça que as pisem com os pés e, voltando-se, vos despedacem.” (Mateus 7:6 ACF).
No caso de Lama Holder, ela tem jogado a Bíblia no lamaçal de seu chiqueiro teológico. Alegremente, ela pisa à vontade em qualquer passagem da Bíblia, distorcendo e reinterpretando do jeito lésbico que ela quer, e atacando como “fanático” qualquer cristão que discorde da interpretação de chiqueiro dela.
Ela diz que conheceu o Evangelho no passado, largou do lesbianismo e depois voltou. Mas ela não é a única. Ela representa inúmeros casos de pessoas que fazem a escolha pessoal de voltar.
“Essas pessoas são um exemplo deste ditado verdadeiro: ‘O cachorro volta ao seu próprio vômito’ e ‘A porca lavada volta a rolar na lama.’” (2 Pedro 2:22)
Essa porca lavada é porca de alma. Por mais que lhe lavem, a bicha prefere a lama! “Eu nasci assim! Eu nasci assim! Não consigo viver sem vômito e lama!” dirão algumas dessas criaturas.
Já vi muitos drogados irem ao Evangelho, e voltarem aos antigos hábitos. Já vi prostitutas, ladrões, beberrões e outros voltando aos seus vícios. E essas infelizes escolhas são confirmadas pelas palavras de Jesus, que disse que a maioria sempre escolhe a porta larga e o caminho espaçoso que conduz à perdição (cf. Mateus 7:13-14).
Claro que se você perguntar para Lanna Holder se ela abandonou o Evangelho, prontamente ela negará. O que as porcas de alma fazem é muito pior: trocam o Evangelho de Jesus Cristo pelo “evangelho” do vômito e da lama. E ainda por cima querem ser pastoras! Esse é o mesmo “evangelho” da decadência abraçado por grandes denominações evangélicas dos EUA.
No final das contas, foi ótimo a Lama ter enfiado o porco nessa estória toda. Nem mesmo eu nunca liguei o porco ao homossexualismo. Mas agora, com as palavras da “pastora” lésbica, tudo começou a fazer sentido. Sim, realmente tem tudo a ver! Estilos de vida idênticos.
Com relação ao número pequeno de pessoas que não volta aos antigos hábitos nem troca o Evangelho de Jesus Cristo pelo “evangelho” da decadência, Jesus diz: “Estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem.” (Mateus 7:14 ACF)
Já vi os que aceitaram e permaneceram no Evangelho puro e simples, e não voltaram ao vômito e à lama. São realmente poucos.

A chocante diminuição dos cristãos nos Estados Unidos

Posted in apostasia, Estados Unidos, evangélicos, evangélicos americanos, Igrejas by juliosevero on 29 de janeiro de 2012

A chocante diminuição dos cristãos nos Estados Unidos

Comentário de Julio Severo: Este artigo, escrito por um evangélico americano, poderá provocar reações de dúvidas em muitos leitores: “Mas os EUA não são a nação mais cristã do mundo? Os EUA não são o país mais evangélico do mundo?” Afirmativamente. Mas a igreja evangélica americana está em crise. Por exemplo, a maior denominação presbiteriana dos EUA (conhecida pela sigla PCUSA) está agora oficialmente ordenando pastores gays e lésbicas. A PCUSA é a mãe da Igreja Presbiteriana do Brasil.
Revoltados com os rumos da PCUSA, presbiterianos representando 500 congregações, conforme relatou o Rev. Augustus Nicodemus em seu blog O Tempora! O Mores!, se reuniram para fundar uma denominação presbiteriana conservadora. 500 é um número grande, mas o total de congregações da PCUSA soma 11.000! Portanto, os dissidentes conservadores são menos de 5% desse total, deixando para a vasta maioria presbiteriana dos EUA os sinais inconfundíveis não de uma apostasia periférica, mas de uma apostasia de proporções colossais.
Com esse quadro apocalíptico diante dos nossos olhos, não é difícil entender no artigo abaixo quando o autor americano menciona evangélicos que falam com “mortos” e creem em reencarnação. Eis o artigo americano:
Nas décadas recentes, a percentagem de cristãos nos Estados Unidos está diminuindo sem parar, principalmente entre os jovens.
Os Estados Unidos foram fundados principalmente por cristãos que estavam buscando escapar de perseguição religiosa. Para esses primeiros colonizadores do que são hoje os Estados Unidos, a fé cristã era o próprio centro de suas vidas, e influenciou profundamente as leis que eles fizeram e as estruturas governamentais que eles estabeleceram.
No mundo inteiro, o Cristianismo é de longe a maior religião. De acordo com o Pew Forum on Religion & Public Life, há atualmente 2,2 bilhões de cristãos no mundo, de modo que tão cedo o Cristianismo não está em perigo de desaparecer. Aliás, em algumas regiões do globo o Cristianismo está experimentando crescimento explosivo.
Mas nos Estados Unidos, o quadro é diferente. As igrejas estão diminuindo, o ceticismo está aumentando e a apatia acerca de questões espirituais parece estar no apogeu de toda a história americana.

De acordo com Dave Olson, diretor de plantio de igrejas da Igreja Evangélica Covenant, somente 18,7% de todos os americanos frequentam regularmente uma igreja.

Mas o que está acontecendo com a fé dos jovens americanos é ainda mais alarmante.
Grande número de jovens americanos que iam a igreja enquanto estavam crescendo estão hoje abandonando as igrejas completamente. Um recente estudo do Grupo Barna descobriu que aproximadamente 60 por cento de todos os cristãos entre as idades de 15 e 29 anos não têm mais nenhum envolvimento com igrejas.
Esses jovens não só abandonaram a igreja, mas também abandonaram todas as formas de espiritualidade cristã.
Uma pesquisa do LifeWay Christian Resources entre jovens deu os seguintes resultados:
* 65% raramente ou nunca oram com outros e 38% quase nunca oram sozinhos.
* 65% raramente vão a reuniões de adoração.
* 67% não leem a Bíblia ou nenhum texto religioso regularmente.
Mas os jovens não estão rejeitando apenas a igreja.
A realidade é que eles estão também rejeitando os princípios fundamentais da fé cristã.
Uma pesquisa conduzida pelo Grupo Barna revelou que menos que 1 por cento de todos os americanos entre as idades de 18 e 23 têm uma cosmovisão cristã.

O Grupo Barna perguntou aos participantes da pesquisa se eles concordavam com as seguintes seis declarações:

1) Crer que existe uma verdade moral absoluta.
2) Crer que a Bíblia é completamente precisa em todos os princípios que ensina.
3) Crer que Satanás é considerado um ser ou força real, não meramente simbólica.
4) Crer que não dá para uma pessoa ir ao Céu tentando ser boa ou fazendo boas obras.
5) Crer que Jesus Cristo viveu uma vida sem pecado na terra.
6) Crer que Deus é o Criador onisciente e onipotente do mundo e que Ele governa o universo hoje.
Menos de 1 por cento dos participantes concordou com todas essas declarações.
Isso é simplesmente assombroso.
Mas não são apenas os jovens que estão rejeitando os princípios fundamentais da fé cristã.
Números ainda maiores de “evangélicos” estão rejeitando esses princípios.
Uma pesquisa revelou que 52 por cento de todos os evangélicos americanos acreditam que “pelo menos algumas religiões não-cristãs podem levar à vida eterna”.
Outra pesquisa revelou que 29 por cento de todos os evangélicos americanos afirmam que já tiveram contatos com os mortos, 23 por cento acreditam em astrologia e 22 por cento creem em reencarnação.
Sem dúvida, o panorama religioso dos Estados Unidos está mudando.
Nas recentes décadas, a frequência à igreja vem diminuindo sem parar, a percentagem de americanos que se consideram cristãos está caindo e o número de pessoas que têm convicções cristãs conservadoras está despencando.
O que tudo isso significará para o futuro dos Estados Unidos?
Tradução e adaptação: www.juliosevero.com

A menina, o banheiro e o marmanjo gay

Posted in banheiro, Folha de S. Paulo, PSDB by juliosevero on 28 de janeiro de 2012

A menina, o banheiro e o marmanjo gay

Julio Severo
Uma menina de dez anos entra no banheiro feminino de uma pizzaria e se assusta. Ela volta para sua mãe e cochicha: “Tem um homem lá dentro do banheiro! Ele tá vestido de mulher!”
A mãe não tem dúvida: numa reação natural que qualquer outra mãe teria, reclama para o dono da pizzaria.
O dono, em atenção à mãe e à segurança dela e sua filha, pediu, quase que implorando, para que o homem vestido de mulher não voltasse mais ao banheiro feminino.
Toda a humilhação e imploração do dono de nada valeram. O caso chegou à Secretaria da Justiça do Estado de São Paulo, que telefonou — não para a mãe e sua filha —, mas para o homossexual, de nome Laerte Coutinho, dizendo que a pizzaria violou a lei estadual 10.948/2001, sobre discriminação por orientação sexual ou identidade de gênero. A pizzaria será multada e ameaçada por forças governamentais a serviço e seviciadas pelo movimento gay. Laerte está determinado a exigir essa truculência estatal contra a pizzaria, como lição para todas as meninas do Brasil que encontrarem um gay no banheiro das mulheres.

Homossexual Laerte Coutinho exige “direito” de estar em banheiros femininos com meninas de 10 anos

A Secretaria da Justiça não se incomodou em telefonar para a menina de 10 anos, nem para sua mãe, talvez porque o marmanjo gay seja funcionário do notório jornal esquerdista Folha de S. Paulo, que já foi denunciado por defender descaradamente o assassinato de crianças em gestação.

O caso expõe nitidamente a hipocrisia do governo e da imprensa esquerdista. Na polêmica lei da palmada, os dois atacaram os pais e sua autoridade, alegando que os interesses das crianças devem estar acima de tudo. Mas quando um homossexual entra no cenário, o holofote fica só para ele, e a pobre criança é atirada para um cantinho escuro.
Se a menina tivesse ligado para a Secretaria de Justiça denunciando que sua mãe lhe deu umas palmadas, a resposta governamental teria vindo imediatamente para punir a mãe.
Mas se a menina tivesse denunciado, “Tem um homem vestido de mulher no banheiro!”, a resposta governamental nunca viria para punir o sem-vergonha. Viria, isso sim, para ameaçar o dono do estabelecimento, a mãe da criança (por ter ensinado “homofobia” para a menina) e para dar uma bronca na menina por deixar sua mãe lhe ensinar “preconceito, discriminação e ódio”.
O governo e a mídia incitam crianças a denunciar os pais, que são os maiores protetores de seus filhos.
Mas o governo e a mídia nunca incitam crianças a denunciar predadores homossexuais. Tudo indica que, na visão governamental e midiática, pais são muito mais perigosos do que esses predadores.
A Folha de S. Paulo, que está gritando histericamente em favor de seu funcionário homossexual, calou-se para o fato de que uma menina estava envolvida. Nenhum jornalista nem autoridade governamental e muito menos um membro do Conselho Tutelar apareceu para dizer: “Ei, temos de colocar a menina antes do homossexual!” É uma vergonha colossal que o Estado de São Paulo sob o PSDB e a Folha de S. Paulo estejam colocando o homossexual na frente da menina.
Poderia haver perigo com a presença de um homossexual num banheiro feminino com uma menina por perto? Homens homossexuais também ameaçam meninas. Apesar de seu padrão politicamente correto, até mesmo a Globo não deixou de noticiar o caso de dois pais-de-santo homossexuais que estupraram uma menina de 9 anos.
Qualquer caso de uma menina na presença de um homem no banheiro feminino é suficiente para despertar justa indignação em qualquer pessoa normal, especialmente nos pais. Tal indignação só aumenta diante da injustiça de uma imprensa e até governo que tratam com descaso uma menina e sua mãe a fim de prestigiar um marmanjo homossexual.
Casos como esse só tendem a inflamar e incitar a violência contra os homossexuais, porque embora a imprensa e até o governo coloquem homossexuais na frente de uma menina e sua mãe, as pessoas normais sempre defenderão uma menina ameaçada pela presença de marmanjos em banheiros femininos.
Se até nos banheiros masculinos os homens estão enfrentando problemas provocados por homossexuais, por que estender agora essa insegurança aos banheiros das mulheres?
Cada vez mais, de forma descarada, shopping centers e outros lugares estão sendo usados como pontos de prostituição gay — bem nos banheiros masculinos. E, talvez por temor da obsessão anti-“homofobia, os homens olhem e ignorem. Já presenciei homossexuais que, dentro do banheiro do shopping, ficam ali como canibais do sexo anal, olhando cada homem que entra, esperando uma oportunidade de sexo.
A lei 10.948/2001, que está sendo usada para garantir que o marmanjo gay tenha acesso aos banheiros femininos, é uma insanidade do PSDB. Embora o PLC 122 não tenha sido aprovado como lei federal, o governo estadual do PSDB aprovou uma lei anti-“homofobia” no Estado de São Paulo em 2001. A lei foi criada em resposta à reivindicação de dois homossexuais que estavam se beijando em público e se queixaram de pessoas próximas que se sentiram ofendidas. A lei do PSDB foi criada especificamente para proteger o erotismo homossexual em público.
Como resultado direto dessa lei:
* Homossexuais dançaram de calcinha na Assembleia Legislativa de São Paulo em 2007, sem nenhum impedimento.
* Um pastor foi preso no centro de São Paulo, após pregar contra as práticas homossexuais.
* O Estado de São Paulo lidera o ranking de incitação de denúncias por “homofobia”.
* Um bêbado foi multado em quase 15 mil reais por chamar um homossexual de “veado”.
* Uma  igreja evangélica teve seus outodoors com versículos bíblicos violentamente removidos pela “justiça” de São Paulo.
Todas essas consequências vieram de uma lei específica para beneficiar dois gays que queriam a liberdade de se beijar em público, na frente de adultos e crianças.
Que tipo de lei farão agora para atender ao marmanjo gay que exige estar com meninas e suas mães nos banheiros femininos?
Enquanto isso, o que uma mãe deverá dizer à sua filha de 10 anos que testemunhar um marmanjo gay no banheiro feminino? Ficar em silêncio para não ofender o marmanjo?

PLC 122: Senado faz público de palhaço

Posted in homofobia, PLC 122, Senado by juliosevero on 27 de janeiro de 2012

PLC 122: Senado faz público de palhaço

Senado se recusa a dizer que maioria dos telefonemas é contra projeto gayzista

Julio Severo
Em “reportagem” recente, o Senado Federal reconheceu o óbvio: O PLC 122 foi o projeto de lei mais mencionado no serviço Alô Senado em 2011.
A página oficial do Senado disse: “Dentre centenas de projetos de lei que receberam comentários favoráveis ou críticas de cidadãos em 2011, através do serviço Alô Senado, o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 122/2006, que criminaliza a homofobia, foi o que mais chamou a atenção, tendo sido tema de 309.320 manifestações no decorrer do ano”.
Se essas 300 mil manifestações tivessem apoiado o governo em sua obsessão gayzista, o “jornalista” do Senado teria feito uma “reportagem” em tom de carnaval: “Maioria dos brasileiros exige fim do preconceito e a aprovação do PLC 122! O que o Senado está esperando para atender à vontade popular?”
Contudo, não tendo nenhum amparo dos sentimentos da população, cuja maioria cristã ainda repugna a agenda gay (apesar da incessante lavagem cerebral do governo e da mídia), o “jornalista” do Senado não teve opção: com uma reportagem murcha e sonsa, ele deixa para a imaginação dos leitores decidir se as 300 mil manifestações foram contra ou a favor do PLC 122.
De acordo com a revista Veja, em maio de 2011 o Senado recebeu mais de 245.000 mensagens por telefone ou internet sobre o PLC 122. Mas Veja deixou claro que a maioria desses contatos era contra.
Diante dessa realidade, um jornalista sério cobraria numa reportagem séria: “O povo já se pronunciou. O que o governo está esperando para atender? Ao invés de um projeto de lei a favor da agenda gay, o povo quer uma lei contra essa agenda. Eu, como jornalista há duas décadas, não entendo essa obsessiva contrariedade governamental à vontade e interesses da população”.
Fazer cobranças é algo que os jornalistas sabem fazer muito bem. Se a maioria dos telefonemas ao Senado tivesse sido a favor do PLC 122, não há dúvida alguma de que nenhum jornalista no Brasil iria perder a oportunidade de exigir energicamente sua aprovação.
Pelo visto, o Senado só mostrará e comemorará os resultados de uma pesquisa sobre o PLC 122 depois que a população tiver aprendido a demonstrar reações em conformidade com a sistemática doutrinação das campanhas estatais e midiáticas a favor da agenda gay.
Enquanto isso, o público terá de se contentar com “reportagens” murchas e sonsas.

Ativistas gays censuram líder cristão pró-família na Moldávia

Posted in Moldávia, perseguição, Vitalie Marian by juliosevero on 26 de janeiro de 2012

Ativistas gays censuram líder cristão pró-família na Moldávia

Julio Severo
Conversei sábado com Vitalie Marian, um dos líderes do movimento pró-vida na Moldávia, um país muito conservador.
Com 96% da população de cristãos ortodoxos, a Moldávia não quer nenhuma marcha gay nem leis pró-homossexualismo. Mas como o país mais pobre da Europa, a Moldávia está vulnerável à ação das máfias que raptam meninas e moças para o tráfico sexual internacional e também vulnerável às pressões ideológicas de governos mais fortes.
Nunca houve uma parada gay na Moldávia, apesar das pressões dos grupos homossexuais que recebem milhões de dólares vindos dos Estados Unidos e Europa. Mas o governo desse país pobre está sendo colocado cada vez mais na parede. A Europa ameaça que a Moldávia só será aceita como membro da União Europeia depois de aprovar leis anti-homofobia e outros privilégios aos homossexuais.
Sob essa pressão, em 1995 a Moldávia legalizou a sodomia. Em 1998, o governo preparou um projeto de lei antidiscriminação, esperando aprová-lo silenciosamente, exclusivamente para agradar à União Europeia. Mas a organização de Vitalie (www.salvareafamiliilor.com) ficou sabendo do projeto e organizou uma campanha nacional, coletando mais de 100.000 assinaturas.
O projeto de lei dá aos ativistas gays o direito de ir às escolas para ensinar a homossexualidade, obriga o governo a promover campanhas antidiscriminação nos setores públicos e privados e dá aos homossexuais poderes de denunciar e processar qualquer cidadão por suspeita de homofobia ou discriminação. Até este momento, o projeto não foi aprovado, por conta das pressões da Igreja Ortodoxa e da organização de Vitalie, a qual realiza protestos, debates e conferências onde palestrantes conscientizam o povo acerca dos perigos desse projeto.
Vitalie tem sido mirado como o inimigo número 1 do movimento homossexual na Moldávia. Por isso, em março de 2011 ele foi processado por escrever no blog dele que a homossexualidade é pecado e pelo fato de que ele fez uma lista negra de todos os políticos que apoiam ou promovem a agenda gay na Moldávia.
Os ativistas homossexuais estão exigindo que ele apague todas as informações de seu blog e redija um pedido formal de perdão, dizendo que a homossexualidade é uma “atração romântica”. Eles também exigem que ele lhes pague uma indenização.
A pedido dos grupos homossexuais, o juiz proibiu Vitalie de compartilhar com o público detalhes das acusações feitas pelos ativistas gays. É por esse motivo que Vitalie colocou um aviso em seu blog dizendo que está sendo censurado por um movimento que tem os bolsos cheios de dinheiro americano e europeu. É por esse motivo também que estou divulgando para todo o Brasil a perseguição que o endinheirado movimento gay da Moldávia está fazendo contra um cristão ortodoxo.

Eis o manifesto de Vitalie:

Na República da Moldávia NÃO TENHO o direito de livre expressão!
Em março de 2011, como administrador do meu próprio blog (www.marianvitalie.eu), fui intimido a comparecer a um tribunal por causa da queixa da organização “Gender Doc-M”. Essa é uma organização gay na República da Moldávia. Estou sendo sofrendo ações legais por expressar minha opinião sobre o estilo de vida homossexual. Em 1 de agosto de 2011 a pedido da organização gay “Gender Doc-M”, o tribunal deu sua decisão, pela qual fui proibido de revelar ao público as acusações que a organização gay trouxe contra mim, as quais até agora não foram provadas pelo tribunal.
Considero essa decisão como um ataque ao meu direito de livre expressão, o direito garantido pela Constituição e pela Lei 64 sobre liberdade de expressão. Declaro também o fato de que a comunidade LGBT da Moldávia começou uma vasta campanha de atormentar as pessoas que têm uma opinião diferente sobre a homossexualidade. Aqui gostaria de mencionar casos recentes como: “Gender Doc-M” vs. Privesc.Eu, “Gender Doc-M” vs. Mdn.md etc.
Nesse sentido, começando hoje, 21 de janeiro de 2012, lanço um protesto do “silêncio” em meu blog sob o título “Na República da Moldávia NÃO TENHO o direito de livre expressão!”, pelo qual expresso que desaprovo a violação do meu direito de liberdade de pensamento, opinião e expressão pública.
Meu protesto do “silêncio” permanecerá até 21 de fevereiro de 2012.
Vitalie Marian, blogueiro
Mob. +373-60-189-672
E-mail: christianimpact@gmail.com

Governo de Dilma Rousseff quer monitoração de mulheres grávidas

Posted in gravidez de risco, monitoração, mulheres grávidas by juliosevero on 25 de janeiro de 2012

Governo de Dilma Rousseff quer monitoração de mulheres grávidas

Julio Severo e Dr. Zenóbio Fonseca, professor de direito e assessor legislativo
Todos os sistemas públicos e privados de saúde serão obrigados, por norma compulsória, a identificar e cadastrar todas as mulheres grávidas no Brasil, conforme o Sistema Nacional de Cadastro, Vigilância e Acompanhamento da Gestante e Puérpera para a Prevenção da Mortalidade Materna, instituído pela Medida Provisória nº 557/11 do governo de Dilma Rousseff em 26/12/11.
À primeira vista, a ação do governo federal até parece preocupação com as mulheres, com sua pretensão de cuidar das gestantes em situação de risco, impondo o exame pré-natal e concedendo um auxílio de até R$ 50 para o pré-natal e o acompanhamento pós-parto. As mulheres mais pobres vão pular de alegria com a generosidade estatal.
O governo alega que está obrigando todas as instituições de saúde do Brasil a registrar TODAS as mulheres apenas para saber quais as mulheres que estão em situação de risco.
Entretanto, o que é de chamar a atenção é: qual a razão do governo apresentar uma Medida Provisória em caráter de urgência, bem no dia 26 de dezembro, quando toda a população do Brasil, inclusive os parlamentares, estava totalmente distraída com o Natal? Qual o motivo do governo querer compulsoriamente cadastrar todas as gestantes com o pretexto de ajudar a gravidez se a política partidária e ideológica do PT é no sentido de legalizar o aborto no Brasil?
Essa Medida Provisória foi elaborada por um governo repleto de feministas que alegam que a legalização do aborto fortalece os direitos humanos das mulheres, que tratam o aborto como mero “direito de escolha” nos casos de gravidez comum, ou seja, abortar (matar) o bebê “simplesmente” porque a mulher deveria ter a liberdade de decidir se continua ou não uma gravidez.
É assombroso que a Medida Provisória, que já está em vigor, tem como foco o controle compulsório de todas as mulheres grávidas do Brasil, como questão de saúde pública, mas silencia totalmente na questão do bebê em gestação e seu valor e proteção.
O artigo 3º, inciso V, aponta que o foco é somente a mulher e não o bebê:
 “V – estabelecer políticas, programas e ações com o objetivo de aprimorar a atenção à saúde das gestantes e puérperas de risco.”
O artigo 7º, inciso IV e VI, estabelece medidas para evitar novas ocorrências de morte nas mulheres, mas exclui totalmente os bebês em gestação. Ué? Bebês em gestação também não morrem? Qual então é a pretensão do governo? Estabelecer e fortalecer um sistema obrigatório para preparar as mulheres para interromper a gravidez em determinados casos? Implementar a eugenia? Veja:
“IV – informar, em sistema informatizado, a ocorrência de óbitos de mulheres gestantes ou puérperas, com informações sobre a investigação das causas do óbito e das medidas a serem tomadas para evitar novas ocorrências;
“VI – propor aos gestores federal, estaduais, distrital e municipais do SUS a adoção de medidas necessárias para garantir o acesso e qualificar a atenção à saúde das gestantes e puérperas, e para prevenir o óbito materno”.
O fato mais preocupante é que a Medida Provisória limita a garantia individual de liberdade da mulher ao obrigá-la compulsoriamente a cadastrar-se em sistema de controle e vigilância pelo simples fato de estar grávida, mesmo que tenha todas as condições econômicas equilibradas, pague o seu próprio plano de saúde, esteja saudável e não precise do Estado para nada. A Medida Provisória deixa as mulheres grávidas à mercê do controle e intrusão estatal.
Tirar a liberdade dos cidadãos não é prática de governos democráticos. É prática de governos autoritários.
No Brasil agora, basta à mulher estar grávida e o Estado passará, cedo ou tarde, a controlar o fruto de seu ventre compulsoriamente, independente das escolhas dela. Com tal controle, será fácil o governo brasileiro impor o número de filhos que as mulheres poderão ter e exigir um controle da natalidade forçado, conforme a ONU exigir. Afinal, o sistema de cadastramento compulsório das mulheres grávidas do Brasil está sendo estabelecido para atender às exigências da ONU.
Com o tempo, o que o governo fará para regulamentar seu controle sobre as mulheres grávidas? O que será dos bebês em gestação e sua proteção? Se o governo decidir que a gestação de um bebê com síndrome de Down é uma gravidez de risco e a mãe decidir prosseguir, o que o governo fará? Se a mãe tiver algum problema de saúde, porém decidir prosseguir sua gravidez, o que o governo fará? Quais as pressões “médicas” que as mulheres sofrerão dentro do sistema compulsório de acompanhamento pré-natal estatal?
Esta Medida Provisória, por tirar a liberdade das mães e por omitir completamente a proteção dos bebês em gestação, precisa ser denunciada.
A perfeita preocupação às mães envolve garantir sua plena liberdade e proteção e a proteção da vida desde a concepção.

Brazilian government wants pregnant women monitored

Posted in Afro-Brazilian religions, monitoration, pregnant women, surveillance by juliosevero on 25 de janeiro de 2012

Brazilian government wants pregnant women monitored

By Julio Severo and Zenóbio Fonseca, law professor and legislative consultant
Brazilian public and private healthcare institutions will be forced, by compulsory norm, to identify and register all pregnant women in Brazil, according to the National System of Register, Surveillance and Follow-up of Pregnant Women for Maternal Mortality Prevention, established by the administration of Socialist President Dilma Rousseff in its Provisory Measure no. 557/11 in 26/12/11. A provisory measure is a legal act in Brazil through which the President of Brazil can enact laws without approval by the National Congress.
At first glance, the federal plan seems done out of concern for women, with its assumption of taking care of high-risk pregnant women, imposing prenatal exams and granting a maximum monetary aid of US $25 for prenatal and postpartum follow-up. The poorest women will jump of joy for the state generosity.
The government says that is forcing all healthcare institutions to register all the women just to know how many women are in a high-risk situation.
However, it is worthwhile to ask some questions: What is the reason for decreeing urgently a Provisory Measure right on December 26, when the whole population of Brazil, including congressmen, was distracted by Christmas? What is the reason to compulsorily register all pregnant women under the excuse of helping pregnancy if the politics and ideology of the ruling Workers’ Party of Rousseff is to legalize abortion in Brazil?
That Provisory Measure was drafted by a government full of feminists that claim that legalization of abortion strengthens the women’s human rights, who treat abortion as a “right to choose” in the cases of normal pregnancy; in other words, to abort (kill) the baby “simply” because a woman should have the freedom of deciding if she wants to continue or not a pregnancy.
It is scary that the Provisory Measure, which is already in force, has focused on the compulsory control of all pregnant women in Brazil as public healthcare issue, but it remains totally silent on the unborn baby and his value and protection.
The 3rd article, clause V, points that the focus is only a woman, never her baby:
“V — to establish politics, programs and actions aimed at improving the healthcare for high-risk pregnant women.”
The 7th article, clauses IV and VI, establishes measures to avoid new female deaths, but it totally excludes unborn babies. Hey, don’t unborn babies also die?
So is it possible that there are other reasons behind the government’s plan? To establish and strengthen an obligatory system to prepare women to interrupt a pregnancy in certain cases? To implement eugenics? Let us see:
“IV: to inform, through computerized system, deaths of pregnant women, adding information about investigation on the death causes and of the measures to be taken to avoid new deaths;
“VI: to propose to federal, state, and municipal administrators of SUS (the Brazilian public healthcare system) the adoption of necessary measures to guarantee access and improve healthcare of pregnant women, and prevent maternal death.”
The most worrying fact is that the Provisory Measure limits the woman’s right to freedom when it forces her to register in a control and surveillance system just because she is pregnant, even though she has a personal health plan and is healthy, with no need for the State for anything. The Provisory Measure leaves pregnant women at the mercy of the state control and intrusion.
To remove the citizens’ freedom is not a democratic action. It is an action of totalitarian governments.
In Brazil, now it is enough for a woman to be pregnant and the State will begin, sooner or later, to control the fruit of her womb compulsorily, regardless of her choices. With such a control, it will be easy for the Brazilian government to impose the number of children that a woman can have and to demand birth control on her, as UN sees fit. After all, the compulsory register system of pregnant women in Brazil has been established to meet UN requirements.
In the short and long run, what will the Brazilian government do to regulate its control on pregnant women? What will happen to unborn babies and their protection? If the Brazilian government decides that an unborn baby with Down syndrome is a risk pregnancy and his mother decides to continue, what will the government do? If a mother has some health problem and decides that her pregnancy is to continue, what will the government do? Which “medical” pressures will a woman suffer in the compulsory system of state prenatal follow-up?
Because it removes the mothers’ freedom and completely overlooks the unborn babies’ protection, the Brazilian Provisory Measure should be denounced.
The perfect concern for mothers involves guaranteeing her full freedom and protection and the protection of life from conception on.
Source: LifeSiteNews, via Julio Severo in English: www.lastdayswatchman.blogspot.com

Capitão Covarde: eis nosso admirável novo mundo sexualmente emancipado

Posted in Costa Concordia, Feminismo, Francesco Schettino, Titanic by juliosevero on 25 de janeiro de 2012

Capitão Covarde: eis nosso admirável novo mundo sexualmente emancipado

SANTA MARINELLA, Itália, 23 de janeiro de 2012 (LifeSiteNews.com) — Que tipo de homem foge, sob o manto da escuridão, de seu navio que está afundando, deixando aproximadamente 4.200 passageiros e tripulação para se virarem sozinhos? Que tipo de homens empurra violentamente mulheres idosas, menininhas e jovens mães para entrar primeiro nos botes salva-vidas? Ora, ora, os homens modernos, os homens sexualmente emancipados que foram criados conforme as doutrinas do feminismo e de nossos costumes “modernos”.

O que significa uma expressão como “mulheres e crianças primeiro” para homens modernos que foram ensinados a vida inteira que as mulheres nada mais são do que brinquedos sexuais e que as crianças nada mais são do que uma carga descartável?

Os detalhes do tombamento do Costa Concordia, um dos maiores navios cruzeiros que navegam pelo Mediterrâneo, chegaram à imprensa de língua inglesa uma semana mais tarde e todo mundo agora conhece a conversa de telefone gravada na qual o capitão da guarda costeira, Gregorio De Falco, ordena furiosamente que o capitão do navio, Francesco Schettino, volte a seu navio. Schettino respondeu mentindo repetidamente, enquanto estava tentando fugir num bote salva-vidas.
Os passageiros foram abandonados para se resgatarem sozinhos, ajudados por artistas contratados e poucos membros da tripulação. Uma mulher disse: “Havia homens grandalhões, membros da tripulação, empurrando todos nós para entrarem nos botes salva-vidas”. Outra passageira, uma avó, disse: “Eu estava ao lado dos botes salva-vidas, e homens grandalhões estavam me acertando e empurrando as meninas com brutalidade”.
Nos primeiros dias depois que o Costa Concordia tombou na água rasa a quase 300 metros da praia, toda a Itália foi pega em vergonha com as reportagens sobre a conduta de Schettino. Ele foi preso depois que chegou à praia e acusado de homicídio involuntário e abandono de seu navio. Ele foi apanhado tentando entrar num táxi, tendo, pelo que foi relatado, pedido ao taxista: “Tire-me daqui o mais rápido possível”.
Francesco Schettino (“Capitão Covarde”) é o símbolo do moderno homem sexualmente emancipado, criado por uma cultura feminista.

Apelidado de “Capitão Covarde”, Schettino se tornou o centro da fúria nacional para os italianos que já estão fartos do estereótipo — que com demasiada frequência é acurado — dos homens italianos como permanentes adolescentes vaidosos, preguiçosos, irresponsáveis, egoístas e inconfiáveis.

Mas o problema não está limitado à Itália. A propósito, na mesma semana do caso do navio o grande apologeta católico americano Michael Voris estava fazendo uma série de vídeos sobre a feminilização dos homens e o efeito do feminismo na Igreja Católica e no mundo em geral, um assunto que poucos na Igreja Católica ousam puxar.
Num vídeo, Voris mencionou o tipo de homem que é aprovado pelos meios de comunicação controlados pelas feministas: fraco, burro e inútil, que precisa ser governado por mulheres fortes, modernas e inteligentes. Nos 50 anos passados, a Igreja Católica vem seguindo o mundo ao adotar o modelo feminista. Esse ideal, diz Voris, expulsou os homens fortes da Igreja e da vida familiar, empurrando-os para encontrar um canal para sua masculinidade em caminhos prejudiciais como a criminalidade e o tratamento das mulheres como meros objetos.
Depois de assistir ao vídeo, enviei um email a Michael perguntando se ele havia se lembrado de falar sobre o outro lado do feminismo: o ódio feminista aos homens e sua atitude de difamar e demonizar a força dos homens. De acordo com as doutrinas da ideologia feminista, os homens fortes são violentos, malignos e apavorantes. Em vez de heróis protegendo mulheres e crianças, o feminismo retrata homens fortes como monstros brutais, surradores de esposas e estupradores de crianças.
O desastre do Costa Concordia trouxe ao centro das atenções os efeitos que o feminismo, e sua filha prostituta, a Revolução Sexual, tiveram nos homens. O feminismo matou a prioridade cultural dos homens protegendo e se responsabilizando pelas mulheres. Num vídeo, Michael Voris falou da “jornada do herói”, o modelo original da cultura ocidental do rapaz que deixa o lar, enfrenta e vence adversidades e se torna um homem com capacidade de proteger uma família. Mas nossa cultura inspirada pelo feminismo, juntando forças com o materialismo consumista que mata a alma, jogou esses conceitos na lata de lixo.
Ao dizer às mulheres que elas não precisam dos homens e ao demonizar o valor da masculinidade, o feminismo ao mesmo tempo diz aos homens que eles nunca precisam crescer. Se o feminismo disse às mulheres que elas podem sair por aí dormindo com qualquer um “como se fossem homens”, devemos nos lembrar de que isso significa que os homens podem, em retribuição, fazer a mesma coisa. Em vez de insistirem em que os homens cresçam, se casem com uma mulher e protejam e cuidem de seus filhos, o feminismo oferece aos homens as mulheres como brinquedos e ao mesmo tempo oferece às mulheres a pílula anticoncepcional, aborto e tribunais para resolver questões de pensão alimentícia como plano B. O feminismo define “igualdade” como homens e mulheres competindo igualmente no mercado de trabalho e usando um ao outro igualmente como objetos.
Algum tempo atrás li um site interessante, embora profundamente assustador, que afirmava dar apoio aos homens contra o mundo feminista. Num artigo, os homens claramente irados apontavam para o injusto padrão duplo nas leis relativas à família. O sistema legal, agora preso firmemente nas garras das feministas, mantem os homens financeiramente responsáveis pelos filhos que eles geram quando se separam da mãe. Mas o artigo apontou, com suficiente lógica, que ao mesmo tempo o feminismo exige que a contracepção e o aborto sejam disponibilizados gratuitamente. Por que então, se as mulheres têm agora a liberdade de usar os homens como objetos sexuais, um homem deveria em algum momento ser responsabilizado pela paternidade? Por que os homens deveriam ser rotineiramente arruinados por ações legais de pensão alimentícia quando o aborto é legal e muito mais barato e fácil de conseguir?
Realmente, por quê? O feminismo, pelo fato de que é essencialmente desonesto, pueril e age só em causa própria, nunca confessará francamente as conclusões lógicas de suas suposições.
Recentemente, os papas escreveram contra o tipo de feminismo que promove o aborto e a contracepção e ao mesmo tempo cria uma divisão de hostilidade entre homens e mulheres. A promiscuidade geral, a contracepção, o aborto legal, o divórcio fácil, junto com uma cultura que adora a juventude e é loucamente materialista, disseram eles, criaram uma sociedade individualista de consumidores isolados para os quais todos os relacionamentos rotineiramente terminam em abandono. Uma vasta catástrofe cultural que deixa os filhos sem pais, diz às mulheres que elas não precisam dos homens e que diz aos homens que eles podem permanecer a vida inteira como adolescentes felizes e despreocupados.
Essa mensagem parece ter tido resultado especialmente evidente na Itália onde é facílimo encontrar homens que são a personificação do estereótipo consumista. O homem-criança efeminado é uma praga na Itália; meninos das mamães vaidosos, convencidos, superficiais e egoístas que vivem na casa dos pais quando já estão com trinta e quarenta anos de idade. Outrora, o centro de vida dos italianos era a família; agora eles estão cada vez mais se divorciando ou se recusando a casar em primeiro lugar.
A jornalista italiana Rosaria Sgueglia escreve no Huffington Post que o ex-capitão do Costa Concordia é um daqueles homens italianos que estão à altura desse estereótipo ponto por ponto. Os italianos estão “furiosos”, escreveu ela, com “gente como o sr. Schettino que não fazem nada a não ser comprometer a imagem já danificada que o resto do mundo tem do povo italiano”.
“Diz-se que o homem italiano comum é narcisista, egomaníaco, covarde, egoísta, incapaz de seguir procedimentos básicos e incapaz de seguir as regras. Verdade ou não, é um estereótipo, um estereótipo que é fortemente comprovado pelos eventos trágicos mais recentes na Itália”.
Embora os italianos estejam descarregando sua fúria em Francesco Schettino por ser tudo o que eles odeiam em si mesmos, precisamos nos lembrar de que muitos países estavam representados na lista da tripulação do Costa Concordia. O desastre tem, por todos os lados, as impressões digitais de nossa cultura ocidental que está envenenada e morrendo.
Lendo as reportagens do Costa Concordia, não pude evitar reconhecer os resultados das novas prioridades de nossa sociedade. Muitos observadores fizeram a comparação com o desastre do Titanic. Cem anos atrás, os homens da primeira classe levantaram as mulheres e crianças da classe pobre e as colocaram nos botes salva-vidas tendo plena consciência de que estavam dando suas vidas. O capitão do Titanic, de acordo com os relatos, foi visto pela última vez segurando uma criança em seus braços buscando um jeito de salvá-la. Cem anos mais tarde, o que vemos é um oficial da guarda-costeira gritando para o “Capitão Covarde”: “Vada a bordo, cazzo!” que significa “Volte à bordo, caralho!”
Eis nosso admirável novo mundo sexualmente emancipado.
Para informações detalhadas sobre o paganismo feminista dentro das igrejas evangélicas, adquiria o livro De Volta Ao Lar

Admirável Mundo Novo: especialista em ética da Inglaterra quer que mulheres abandonem maternidade e usem úteros artificiais

Posted in Feminismo, feministas by juliosevero on 24 de janeiro de 2012

Admirável Mundo Novo: especialista em ética da Inglaterra quer que mulheres abandonem maternidade e usem úteros artificiais

NORWICH, Inglaterra, 23 de janeiro de 2012 (LifeSiteNews.com) — Em comentários que os críticos dizem que, de forma preocupante, lembram a famosa novela antiutopia “Admirável Mundo Novo” de Aldous Huxley, uma especialista em ética da Inglaterra está argumentando que pelo fato de que a gravidez provoca “desigualdade natural” entre o sexo feminino e o sexo masculino, as mulheres devem ser libertas dos “pesos e riscos da gravidez” por meio do uso da “ectogênesis”, ou úteros artificiais.
O plano de Smajdor lembra o livro “Admirável Mundo Novo”, de Aldous Huxley, onde bebês são gerados em “chocadeiras”.

“A gravidez é uma condição que provoca dor e sofrimento, e que afeta somente as mulheres. O fato de que os homens não precisam passar pela gravidez para ter um filho com ligações genéticas, ao passo que as mulheres precisam, é uma desigualdade natural”, escreve a Dra. Anna Smajdor num artigo que apareceu recentemente na revista Cambridge Quarterly of Healthcare Ethics.

Em seu artigo Em Defesa da Ectogênesis, publicado online em dezembro de 2011, Smajdor interpreta a gravidez como um “problema médico, junto com outros problemas de saúde que causam dor e sofrimento”. Smajdor é conferencista de ética na Escola de Teoria e Prática de Saúde e Medicina na Universidade de East Anglia.
“Se houvesse uma doença que provocasse sintomas e riscos semelhantes aos que a gravidez causa, afirmo que seria considerada como razoavelmente séria, e que teríamos boas razões para tentar fazer um seguro contra ela”, argumenta Smajdor, que agrupa a gravidez junto com “doenças” que persistem por vários meses, tais como o sarampo.
Para Smajdor, atualmente “os homens colhem todos os benefícios da gestação das mulheres, enquanto as mulheres suportam os riscos e pesos”.
Por isso, na cosmovisão de Smajdor, “as mulheres são um grupo em desvantagem com um destino brutal, pois os homens podem se reproduzir sem passar pelos riscos da gravidez”.
Em outras palavras, ser mulher, para Smajdor, significa simplesmente se tornar biologicamente mais parecida com o homem. Para alcançar essa igualdade, o potencial inato e natural da mulher de procriar, gerar e cuidar de uma nova vida humana tem de ser eliminado e entregue à ciência e tecnologia. Ela propõe que nos aproximaremos mais da genuína igualdade somente quando todos os seres humanos não gerarem filhos.
“Talvez nem todas as desvantagens de ser mulher sejam atribuíveis à maternidade”, reconhece Smajdor, “mas suavizar esses pesos certamente ajudaria”.
Na novela de Huxley, “Admirável Mundo Novo”, o Estado Mundial assume completamente a reprodução, onde filhos são criados, “decantados” e gerados em “incubadoras” e criados em “centros de condicionamento”.
Para Smajdor, a questão é simplesmente de igualdade sexual: “Ou vemos as mulheres como portadoras de bebês que devem subjugar seus outros interesses ao bem-estar de seus filhos ou reconhecemos que nossos valores sociais e nível de especialização médica não são mais compatíveis com a reprodução ‘natural’”, conclui ela.
Para informações detalhadas sobre o paganismo feminista dentro das igrejas evangélicas, adquiria o livro De Volta Ao Lar

Escorregadinhas evangélicas?

Posted in Davi e Jônatas, Silas Malafaia by juliosevero on 23 de janeiro de 2012

Escorregadinhas evangélicas?

Revista da Assembleia de Deus diz que Jônatas e Davi eram amantes

Julio Severo
Uma mulher, membro da Assembleia de Deus em Campo Grande, no Rio de Janeiro, estava fazendo umas “Cruzadinhas Evangélicas” da revista “Palavras Cristãs” quando, olhando na página 6, ela viu a pista para encontrar a palavra-chave: “Jônatas, com relação a Davi, conforme o livro de 1 Samuel, capítulo 18”.

Por incrível que pareça, a palavra-chave que coube no espaço foi “amante”.

Nessa altura, a mulher precisou esfregar os olhos e se beliscar. Mas quando ela foi conferir a resposta na página 29, ela ficou estarrecida. A resposta certa era realmente “amante”!

A revista é publicada pela Assembleia de Deus em Campo Grande, no Rio de Janeiro, igreja dirigida pelo Pr. Daniel Malafaia, parente do Pr. Silas Malafaia.

Será que a influência gay e midiática chegou a um ponto catastrófico nas igrejas evangélicas?
Peço aos leitores do meu blog que enviem ao Pr. Daniel Malafaia uma cópia das excelentes pregações do Pr. Silas Malafaia contra as mentiras da agenda gay. Aliás, mandem uma cópia para toda a liderança dessa igreja, pois se Jônatas e Davi eram homossexuais por serem muito amigos, então o que dizer de nós, homens cristãos, que somos apaixonados por Jesus Cristo?

A nova missão do FBI: monitorar cristãos

Posted in FBI, Gestapo, KGB, monitoração by juliosevero on 23 de janeiro de 2012

A nova missão do FBI: monitorar cristãos

Julio Severo
Historicamente, a Gestapo e a KGB são notórias como agências policiais estatais de monitoração, repressão e perseguição, inclusive de cristãos.
Enquanto a Gestapo e a KGB miravam dissidentes e cristãos, o FBI mirava criminosos.
Os tempos mudaram. A Gestapo e a KGB desapareceram nos escombros da história. E agora o FBI, que deveria estar mirando islâmicos terroristas, mira os cristãos, se tornando aos poucos como a Gestapo e a KGB.
Primeiro, conforme foi denunciado no meu blog, o FBI está atrás de uma ex-lésbica e sua filha. A mulher se tornou cristã e teve de fugir dos EUA, porque a ex-amante, uma ativista lésbica, exige a menina. Mas o FBI não está do lado da mãe natural. O FBI está com o movimento gay, prendendo pastores e movendo uma perseguição internacional contra a mãe cristã e sua filha.

E agora, WND relata o caso de um pregador de rua na mira do FBI. É de se temer o que o FBI acabará se tornando em futuro não muito distante.

E não seria difícil o FBI perseguir grupos cristãos e conservadores. Numa das excelentes aulas de seu curso de filosofia, o Prof. Olavo de Carvalho disse que por ano são aprovadas milhares de leis nos Estados Unidos. É claro que é impossível os cidadãos conhecerem todas essas leis. E quando você tem inimigos políticos, como apontou o Prof. Olavo, fica fácil pegar qualquer lei, que você desconheça, e jogar contra você.
Só no ano passado, os Estados Unidos aprovaram 40 mil leis, de modo que, conscientemente ou não, todo americano deve estar quebrando alguma lei! Um terço dos americanos já passou, em algum momento de suas vidas, algum tempo na cadeia.
Os tribunais americanos declaram aos que confessam que não sabiam: “O desconhecimento da lei não é desculpa”. Isso era fácil quando havia só os Dez Mandamentos. Mas se é impossível decorar dez por cento de todas as leis que foram aprovadas somente no ano passado nos EUA, como então se lembrar das leis que foram aprovadas nos outros anos? Esse enorme labirinto legal pode ser usado e abusado para prender e destruir os desafetos do sistema político no poder.
E os maiores desafetos desse sistema agora são os cristãos conservadores. Sei disso porque o governo americano já está monitorando sites cristãos. Sei disso porque eu mesmo estou em alguma lista negra. Sei disso porque o governo americano já declarou que os EUA vão estabelecer uma agência policial internacional a favor da agenda gay.
Perto do policiamento politicamente correto que o governo americano quer instaurar mundialmente, temo que a Gestapo e a KGB venham ainda a parecer coisa de criança.
Eis o artigo de WND:

Pregador quer saber se seu nome está na lista de terroristas

Bob Unruh
O Instituto Rutherford, um escritório de advocacia, está buscando saber se o FBI colocou em sua lista de monitoração de terroristas um pregador de rua que prega o Evangelho sem rodeios.
O pregador, Michael Marcavage, recorreu à ajuda legal depois que ficou sabendo que o FBI estava querendo entrevistar e interrogar seus amigos sobre as atividades dele.
Michael Marcavage

O Instituto Rutherford confirmou que “uma fonte confiável informou Marcavage de que ele estava sendo alvo de uma investigação do FBI e que seu nome havia sido acrescentado à lista do FBI de monitoração de terroristas, com base na ligação alegada dele a uma organização antiaborto conhecida como ‘Exército de Deus’”.

John Whitehead, presidente do Instituto Rutherford, disse que o FBI estava conduzindo uma investigação secreta nas ligações e atividades de Marcavage. Ele exigiu que o FBI revelasse o que está acontecendo ou pare a investigação.
“Michael Marcavage merece saber o motivo por que está sob investigação e se ele foi, de fato, colocado na lista do FBI de monitoração de terroristas. Contudo, se, conforme suspeitamos, Marcavage não é culpado de nada, a não ser de dar mensagens religiosas pacíficas que autoridades governamentais veem como polêmicas, então o governo claramente ultrapassou seus limites constitucionais”, disse Whitehead.
Marcavage é o diretor de um ministério de evangelismo cuja missão é a proclamação pública do Evangelho. Ele rotineiramente viaja pelo país pregando em fóruns públicos tradicionais, distribuindo literatura cristã e envolvendo os transeuntes em debates sobre a fé cristã.
Traduzido e adaptado por Julio Severo do artigo de WND: Preacher demands to know ‘terror watch’ status

Bebê em gestação salva a vida do pai com chute na barriga cedo de manhã

Posted in Uncategorized by juliosevero on 22 de janeiro de 2012

Bebê em gestação salva a vida do pai com chute na barriga cedo de manhã

16 de janeiro de 2012 (LifeSiteNews.com) — Sara McDonald está com uma gravidez de 7 meses e meio, mas diz que seu bebê em gestação já salvou a vida de seu pai.
Nas primeiras horas de sábado, 7 de janeiro, Sara despertou depois de levar um forte chute de seu bebê em gestação. O que ocorreu em seguida foi o que ela descreveu para a TV CBS de Atlanta como “um dos momentos mais assustadores pelos quais alguém poderia passar”, quando ela percebeu que seu marido não estava respirando e não tinha nenhuma pulsação.
Sara McDonald

Graças ao fato de que ela foi despertada na hora certa, ela estava em condições de iniciar imediatamente um procedimento de reanimação cardiopulmonar, além de ligar para o telefone de emergência. Embora ela não tivesse tido êxito em seus esforços de reanimação cardiopulmonar, dois policiais que chegaram puderam reviver o marido de Sara.

O sargento Mike Hales disse que no início, “Ele parecia ter falecido. Não pudemos sentir nenhuma pulsação nele. Ele não estava respirando”.
Contudo, depois de várias compressões, ele começou a respirar de novo.
Esse caso teve um final feliz para essa jovem família, mas provavelmente o final não teria sido tão feliz se o mais novo membro da família não tivesse usado seu chute sortudo.
“É como se meu bebê tivesse salvado a vida de meu marido. Ele ainda nem nasceu, mas já salvou a vida de seu papai”, disse Sara.
“A sensação que temos é maravilhosa”.

Piragine e a carta de agradecimento da ministra da Dilma

Posted in Gleisi Hoffmann, Paschoal Piragine by juliosevero on 21 de janeiro de 2012

Piragine e a carta de agradecimento da ministra da Dilma

Julio Severo
O Pr. Paschoal Piragine está galgando as alturas de sua denominação. Ele é hoje o presidente da poderosa Convenção Batista Brasileira. Ele chegou a essa posição merecidamente: Ele ficou famoso por causa de um vídeo de YouTube, em que ele denunciou a obsessão gayzista e abortista do PT durante as eleições de 2010.
Por causa desse vídeo, o pastor batista sofreu ameaças, que foram denunciadas no meu blog. Como matilha de lobos loucos, pastores batistas progressistas atacaram ferozmente Piragine, e novamente meu blog o defendeu.
Minha ajuda para defender o pastor atacado ultrapassou as fronteiras do Brasil. A pedido meu, LifeSiteNews, o maior portal-pró-vida de língua inglesa, publicou dois artigos denunciando os ataques ao pastor, que ficou conhecido internacionalmente. Os artigos, traduzidos por mim depois para o português, são:
Essa repercussão internacional gerou um apoio muito importante para o pastor ameaçado, produzindo a simpatia necessária para sua eleição à presidência da Convenção Batista Brasileira.
Mas eis que Piragine convida para a 92ª Convenção Batista Brasileira (de 20 a 22 de janeiro) a petista Gleisi Hoffmann, ministra-chefe da Casa Civil da Presidência da República.
Não me oponho, de forma alguma, a convidar Dilma e seus ministros para um culto a fim de ouvirem o Evangelho e receberem oração. Temos a obrigação cristã de fazer tais convites.
Entretanto, convidar um importante representante do governo para uma reunião de pastores é uma demonstração no mínimo de adulação. E esse governo, que foi corretamente denunciado por Piragine, está caminhando de modo determinado para a “institucionalização da iniquidade”, termo empregado pelo próprio Piragine.

A Igreja Renascer em Cristo já cometeu aberração semelhante, trazendo Marta Suplicy para uma reunião de pastores.

Afagar Acabe, Jezabel e seus ministros não é chamado da igreja. O chamado da igreja é pregar o Evangelho, nas reuniões apropriadas. Reuniões de líderes não deveriam jamais estar abertas aos ímpios. Reuniões de pastores são somente para pastores.
Além do chamado de pregar, alguns líderes têm o chamado profético de denunciar os pecados da liderança da nação. Tal denúncia foi feita de forma tremenda pelo vídeo de Piragine.
Se ele convidou a ministra petista Gleisi Hoffmann apenas para, a semelhança de João Batista, repreender as políticas pró-aborto e pró-homossexualismo do PT na cara dela e diante de todos os pastores, então quero expressar publicamente meus cumprimentos ao Pr. Paschoal Piragine, por seguir os rastros de ousadia profética de Elias — um chamado que muito poucos líderes cristãos têm a coragem de seguir.

Rabinos pedem a evangélicos que restaurem os valores americanos

Posted in rabinos by juliosevero on 21 de janeiro de 2012

Rabinos pedem a evangélicos que restaurem os valores americanos

“Nação nenhuma sobreviveu depois que se corrompeu moralmente”

Bob Unruh
Os eleitores da Carolina do Sul, incluindo um grande número de cristãos evangélicos e católicos, estão na mira das campanhas políticas do Partido Republicano, que buscam definir quem irá enfrentar o democrata Barack Obama em novembro.
Eles agora estão sendo convidados por centenas de rabinos ortodoxos a refletir sobre a sua decisão de “votar moralmente”, em oposição ao foco predominante da política e da economia.
“Nenhuma nação, nenhum império sobreviveu historicamente após um certo estágio em que se tornou moralmente corrompido”, disse Yehuda Levin, um rabino e porta-voz da Aliança Rabínica da América.
O pedido vem dos membros da organização, e não da organização em si.
Levin destaca que sua organização não endossa oficialmente um candidato político, mas alerta os eleitores da Carolina do Sul a pensarem no futuro da nação.
“De qualquer ponto de vista, o Governdor [Mitt] Romney não é socialmente conservador de forma alguma. Ele não é biblicamente conservador. Não acredito que suas posições estejam de acordo com a sua fé mórmon”, afirma.
“Portanto, nosso país enfrenta uma situação horrível, em que continuamos sendo arrastados em direção à decadência de Gomorra”.
Ele diz ainda que uma perda da moralidade dará sequência a prejuízos econômicos, culturais e religiosos.
“Fazemos um apelo aos evangélicos e católicos para que definam a moralidade e a decência como uma questão primordial, mais importante até do que o dinheiro”.
“Pedimos encarecidamente que espalhem essa mensagem. Escolham um candidato que viveu uma vida pró-família”.
Levin também divulgou sua mensagem em vídeo:
“Lembremo-nos da história de Jonas e Nívine. O profeta alertou que Deus havia anunciado a destruição da cidade em quarenta dias”, disse Levin em um discurso preparado. “O destino dos EUA provavelmente será determinado nas primárias presidenciais da Carolina do Sul em 21 de janeiro. Quem os eleitores escolherem provavelmente será o candidato republicano à presidência, o homem encarregado de derrotar o Presidente Obama e a queda livre moral e econômica incentivada por ele e sua equipe”.
Ele afirma ainda que “a principal preocupação de Romney é dinheiro e poder”.
“Em um recente debate presidencial republicano na TV, o gov. Romney, um perigoso homossexualista, vangloriou-se de que iria continuar a favorecer os mais baixos elementos da sociedade americana em muitas áreas, incluindo a nomeação da Suprema Corte”, afirma Levin.
“Outro candidato no debate adotou uma posição oposta. Ele comentou o assassinato de crianças indefesas, confrontou abertamente a defesa da imoralidade promovida pela mídia, etc., e apontou claramente a ligação entre o sucesso financeiro e militar dos EUA e o seu comprometimento histórico com os princípios bíblicos de jurisprudência e moralidade”, afirma.
“Se os EUA quiserem reconquistar a graça de Deus e reconstruir a nossa economia arruinada, é crucial que a Carolina do Sul rejeite ativamente o histórico e as aspirações futuras do gov. Romney. Escolham o homem certo. Escolham quem viveu e compartilha nossos valores bíblicos, um homem moral, de posições firmes morais, e que assim trará as bênçãos de Deus, mais uma vez, à nossa sociedade”.
Ele acrescenta: “O capitalismo não pode salvar os Estados Unidos. Resgate financeiro algum pode salvar um país falido moralmente; isso é o que aprendemos do declínio e da queda dos grandes impérios da história”.
O grupo, de cerca de 850 rabinos ortodoxos dos EUA e Canadá, que atendem cerca de 500.000 judeus praticantes, havia declarado anteriormente que estava “compelido” a “condenar o apoio e a promoção por parte de Mitt Romney da imoralidade do estilo de vida e da agenda homossexual”.
O WND procurou a comissão de campanha de Romney para comentar sobre o assunto, mas não obteve resposta.
A declaração anterior era resultado de uma assembleia especial dos rabinos:
O WND noticiou no mês passado sobre a “Declaration on the Torah Approach to Homossexuality” assinada por dezenas de rabinos, líderes comunitários e profissionais de saúde mental.
Ela afirma que a atração pelo mesmo sexo pode ser modificada e “curada”, e condena o “bombardeio propagandístico” que foi lançado “para persuadir o público sobre a legitimidade do homossexualismo”.
“Predominam na mídia as rotulações negativas que sugerem que quem não aceita o estilo de vida homossexual como legítimo o faz por ‘ódio’ ou porque é ‘homofóbico’. Essa coerção política silenciou muitos à condescendência. Infelizmente, essa atitude permeou a comunidade judaica, e muitos ficaram confusos ou aceitaram a postura da mídia sobre esse assunto”, afirma o documento.
“A Torá declara explicitamente que o homossexualismo não é um estilo de vida aceitável ou uma identidade genuína, e proíbe severamente a conduta. Além disso, a Torá, sempre visionária sobre as influências seculares negativas, nos alerta em Vaicrá (Levítico) 20:23: ‘E não andeis nos costumes das nações que eu expulso de diante de vós…’ Principalmente se a Torá menciona o homossexualismo e outras práticas sexuais proibidas”, afirma a declaração.
A declaração feita hoje pelos rabinos citou um novo livro de Amy Contrada intitulado “Mitt Romney’s Deception” (As Mentiras de Mitt Romney). O livro documenta as promessas de carreira de Romney de avançar a agenda homossexual e emitir proclamações que celebram o orgulho homossexual jovem.

A culpa de Obama

Ela é Janet Boynes, do Janet Boynes Ministries, que afirma logo de cara que o seu objetivo é “ministrar a pessoas que questionam a própria sexualidade ou que queiram deixar o homossexualismo”. “O JBM busca informar e desafiar as igrejas e a sociedade sobre as questões acerca do homossexualismo e ensinar como ministrar à comunidade homossexual”.
Boynes disse ao WND que muitos “secularistas jovens e ingênuos” estão ocupados seguindo a liderança de Obama em sua agenda sexualmente permissiva, cujo resultado será “o fim dos valores e das famílias tradicionais”. A agenda de Obama também “propaga o ataque às crenças judaico-cristãs em escala global”.
Mas enquanto vários outros ministros criticam a determinação pró-homossexualismo de Obama, este colocou mais homossexuais em posições de poder do que qualquer outro presidente, abriu as forças armadas para o homossexualismo declarado, e promulgou um plano de “crimes de ódio” que garante proteção especial aos homossexuais. Boynes vai além.
“A Bíblia diz que o ladrão vem senão para roubar, matar e destruir (João 10:10)”, afirma. “O seu principal objetivo é trazer confusão e causar divisões dentro da igreja, e ele o faz alterando a verdade de Deus de uma maneira que muitos cristãos acabam sendo enganados se não estiverem firmados e fundamentados na palavra de Deus”.
O WND recentemente noticiou que a política da administração Obama é a nova polícia sexual, e que recentemente foi emitido um decreto presidencial que alguns dizem ter como objetivo certo criar “cotas” para LGBTs nas contratações do governo federal.
O WND também noticiou a pressão de várias autoridades administrativas para normalizar o comportamento LGBT, incluindo a designação de “identidade de gênero” como um status protegido pelos cargos federais.
O articulista Matt Barber do WND escreveu que os esquerdistas estão “desesperados” nos seus esforços para “desencavar alguma racionalização natural e biológica, para a qual a ciência não encontrou nenhuma, para validar um comportamento comprovadamente não natural”.
“É por isso que estamos vendo um ódio tão visceral da esquerda à comunidade ex-gay”. Do ponto de vista político e legal, é estrategicamente crucial que esses esquerdistas solapem e marginalizem a experiência real de incontáveis milhares de ex-homossexuais”, afirma Barber. “Essa malevolência representa uma profunda falta de respeito pelo ‘direito de escolha’ das pessoas”. A mentira favorita é a seguinte: ‘O gay dentro de você não vai sair com reza’. Uma vez que você se identifica, ou é rotulado, como ‘gay’, não há mais saída.
“Ironicamente, esses mesmos liberais sugerem cinicamente que algo realmente inato como o sexo biológico pode ser mudado. Se você é um homem hoje, mas se sente como uma mulher, basta alguns cortezinhos e voilá! Você se torna mulher”, afirma Barber.
Traduzido por: Luis Gustavo Gentil
Fonte em português: www.juliosevero.com

Evangélicos americanos começando a repensar o controle da natalidade

Posted in Allan Carlson, controle da natalidade, Howard Center for Family, Religion and Society by juliosevero on 20 de janeiro de 2012

Evangélicos americanos começando a repensar o controle da natalidade

ROCKFORD, Illinois, EUA, 11 de janeiro de 2012 (LifeSiteNews.com) — Um recente livro de um dos mais importantes estudiosos do mundo em questões de família examina como os líderes evangélicos de meados do século XX seguiram as tendências culturais predominantes e apoiaram o controle da natalidade e, mais raramente, o aborto.
O livro, intitulado “Godly Seed: American Evangelicals Confront Birth Control, 1873-1973” (Semente Piedosa: Evangélicos Americanos Confrontam o Controle da Natalidade, 1873-1973), escrito pelo Dr. Allan Carlson, chega num momento em que alguns evangélicos americanos estão repensando sua posição na questão do controle da natalidade. Por exemplo, há seguidores do Quiverfull Movement (Movimento da Aljava Cheia), que “aceitam apaixonadamente seus filhos como bênçãos de Deus”, evitando não somente o controle da natalidade artificial, mas até mesmo o planejamento familiar natural. Desse jeito, eles dizem que “confiam no Senhor para decidir o tamanho da família”.
“Criados dentro de um movimento religioso que tem quase que uniformemente condenado o aborto, muitos jovens evangélicos estão começando a perguntar se o aborto pode de modo satisfatório ser isolado da questão da contracepção”, diz a descrição do livro pela editora. “Um número significativo de famílias evangélicas está, nas últimas décadas, rejeitando o uso do controle da natalidade e está voltando à prática de confiar em Deus em questões de decisões com relação ao tamanho da família”.
O Dr. Allan Carlson, que trabalha para que a família natural seja reconhecida como a unidade básica da sociedade, é o presidente do Centro Howard para a Família, Religião & Sociedade e o fundador e secretário internacional do Congresso Mundial de Famílias.
Em seu livro recente, Carlson examina o ensino cristão histórico com relação ao controle da natalidade e descobre as origens de tal ensino na igreja primitiva, de acordo com a editora. Ele examina uma mudança nos argumentos por trás desse ensino feitos pelos reformadores do século XVI e traça os efeitos dessa mudança durante todo o final do século XX.
Os elogios ao novo livro do Dr. Carlson já estão aparecendo.
“A oposição ao controle da natalidade é amplamente vista como uma ‘questão católica’. O historiador Allan Carlson demonstra que na realidade histórica, as igrejas cristãs eram unidas em sua oposição à contracepção até 1930”, disse a Dra. Jennifer Roback Morse, fundador e presidente do Instituto Ruth.
“Carlson mostra habilmente como a mudança ocorreu, por meio de uma combinação de táticas tipo ‘dividir para conquistar’ empregadas pelos grupos de controle populacional, esgotamento intelectual entre as grandes denominações protestantes e sentimentos anticatólicos entre os evangélicos. Livro que recomendo fortemente”.
Russell D. Moore, deão da Escola de Teologia do Seminário Teológico Batista do Sul, disse que os argumentos “fortes e implacáveis” de Carlson indicam que “talvez o evangelicalismo americano inconscientemente tenha trocado a Bendita Virgem Maria por Margaret Sanger”.
Esta não é a primeira vez que Carlson tem lidado com a questão complexa do controle da natalidade. Num artigo de muita força que apareceu na revista Touchstone intitulado “Sanger’s Victory: How Planned Parenthood’s Founder Played the Christians—and Won” (A Vitória de Sanger: Como a Fundadora da Federação de Planejamento Familiar Brincou com os Cristãos — e Ganhou), Carlson frisou o que ele argumenta era a “estratégia brilhante” de Sanger para criar uma “visão favorável ao controle da natalidade, uma visão que faria uma brecha na oposição tradicionalista”.
“Ao demonizar apenas a Igreja Católica… e ao afirmar defender a consciência protestante contra a opressão de Roma, ela deixou a impressão de que os protestantes estavam do lado dela, na aparente esperança de que isso acabaria se cumprindo como uma profecia”, diz ele.
Numa conferência cristã de outubro passado em Chicago, Carlson falou sobre o que ele chamou de uma verdade simples, isto é, que “as comunidades cristãs fiéis produzem abundância de filhos, e ao fazer isso, mudam este mundo”. Ele apontou para o fato de que desde o começo do Cristianismo há o que ele chamou de um firme “consenso reprodutivo” de que aqueles que creem em Cristo se opõem ao aborto, infanticídio, mentalidade contraceptiva e divórcio fácil.
Artigo de Julio Severo publicado em 2006 pelo Centro Howard para a Família, Religião & Sociedade.
Artigos sobre o controle da natalidade:

At last, will Brazil have an antiterror legislation?

Posted in Aloysio Nunes Ferreira, Department of Homeland Security, DHS, George Bush, Islamic terrorists by juliosevero on 19 de janeiro de 2012

At last, will Brazil have an antiterror legislation?

By Julio Severo
If the United States has a law against terror, Brazil also needs to have it. It is with that concern that Brazilian senator Aloysio Nunes Ferreira drafted a bill classifying as terrorism “the conduct of provoking or instilling terror or widespread panic through offense to the physical integrity or privation of a person’s freedom, for ideological, religious, political or social prejudice, ethnic, ‘homophobic’ or xenophobe reason. The punishment reaches 30 years of imprisonment in case of murder.”
However, the Brazilian press made it clear that such law is not an answer to the famous massacre in Rio de Janeiro, where journalists and the government itself clouded the murderer’s Islamic motivation.
The law is not also an answer to political terror. The famous Celso Daniel case has been for years accumulating corpses and cover-ups, and the Brazilian press doesn’t dare to connect it to political terror or Mafia, although everybody involved were members of the socialist, ruling Workers’ Party PT and had explicit interests to silence Celso Daniel, a Workers’ Party mayor that administered millions in illegal funds for the Workers’ Party electoral campaigns.
The senator recognized that “there is no consensus about the definition of what terrorism is.” Even so, his bill makes terror into a non-bailable and unpardonable crime, and it attacks directly the funding sources for terror.
The lack of a consensus on terror definition leaves the field open for hazy interpretations.
The Brazilian antiterror law will, basically, follow the spirit of the American law, which doesn’t aim at Muslims or Muslim motivations for terrorist crimes. In fact, after the terrorist attack to the World Trade Center in 2001, George Bush, the conservative US president, began to proclaim to the whole world that “Islam is a religion of peace.” With such “John the Baptist” of Islamic flattery preparing the road, it was perfectly natural for the next White House occupier to be not only leftist, but also radically pro-Islam.
The Department of Homeland Security (DHS), which was created specifically in response to the first, biggest terrorist attack to the US, has a lot of difficulty today to criticize Islamic radicals, although all the terrorists involved in that attack to the US were Islamic.
However, DHS has not been having difficulty of aiming at Christian groups for activities against abortion and against the so called gay “marriage.” In its fight against “terror”, DHS has been monitoring Christians, including my blog.
That picture gives us an idea on how the terror definition will come for the Brazilian law, which will follow the main concerns from the government and media, which faithfully obey Bush’s and Obama’s “doctrine”: Islam is a religion of peace. Therefore, their concern is not Islamic radicals.
The Brazilian media and government’s obsessive worry has been Christians and their “homophobia”, and each assault and murder of homosexuals in places of prostitution gives leftist journalists full opportunities to spend one week criticizing Christian “homophobia”, which “incites” assaults and murders.
With the antiterror law enforced, these journalists can maneuver their “reports” to invoke the government’s intervention against “terror” and against its funding sources. In my case, even without a Brazilian legislation, a campaign by an American gay group closed my PayPal account.
How then is one to define what terrorism is in Brazil? If a journalist asks a gay activist if he considers as “terrorist” a Christian that is opposed to homosexual “marriage” or gay adoption, his answer will be a resounding “yes.” And the Brazilian government and media will pay all attention to him.
Don’t have any false expectations. If approved, the antiterror law will make Brazil take an important step for the “Americanization” of its laws.
With information of Brazilian newspaper Estadão.
Portuguese version of this article: Finalmente, Brasil terá lei contra o terrorismo?
Source: Julio Severo in English: www.lastdayswatchman.blogspot.com

Finalmente, Brasil terá lei contra o terrorismo?

Posted in Aloysio Nunes Ferreira, massacre do Realengo, terrorismo by juliosevero on 19 de janeiro de 2012

Finalmente, Brasil terá lei contra o terrorismo?

Julio Severo
Se os Estados Unidos têm uma lei contra o terrorismo, o Brasil também precisar ter. É com essa preocupação que o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) elaborou um projeto de lei que classifica como terrorismo “a conduta de provocar ou infundir terror ou pânico generalizado mediante ofensa à integridade física ou privação de liberdade de pessoa, por motivo ideológico, religioso, político ou de preconceito social, étnico, ‘homofóbico’ ou xenófobo. As penas chegam a 30 anos de prisão em caso de morte”.
Contudo, a imprensa deixou claro que tal lei não é uma resposta ao famoso caso do massacre do Realengo, onde jornalistas e o próprio governo nublaram a motivação islâmica do assassino.
A lei também não é uma resposta ao terrorismo político. O famoso caso Celso Daniel está há anos acumulando cadáveres e acobertamentos, e a imprensa brasileira não ousa ligá-lo a terrorismo ou máfia política, embora todos os envolvidos fossem do PT e tivessem interesses explícitos para silenciar o político do PT que administrava milhões para as campanhas eleitorais do PT.
O senador reconheceu que “não há consenso sobre a definição do que é terrorismo”. Mesmo assim, o projeto de lei dele torna o terrorismo crime inafiançável, sem chance de receber graça ou anistia, e ataca diretamente as fontes de financiamento do terrorismo.
A falta de consenso sobre a definição de terrorismo deixa o campo aberto para interpretações nebulosas.
A lei antiterrorismo brasileira seguirá, basicamente, o espírito da lei americana, que não mira muçulmanos nem motivações muçulmanas para os crimes de terrorismo. Aliás, depois do ataque terrorista ao World Trade Center em 2001, George Bush, o presidente conservador dos EUA, saiu proclamando para o mundo que o “islamismo é uma religião de paz”. Com esse “João Batista” da adulação islâmica preparando o caminho, foi perfeitamente natural que o próximo ocupante da Casa Branca fosse não só esquerdista, mas também radicalmente pró-islamismo.
O Ministério de Segurança Nacional (MSN) dos EUA, que foi criado especificamente em resposta ao primeiro grande ataque terrorista aos EUA, tem hoje muita dificuldade de criticar islâmicos, apesar de que todos os terroristas desse ataque aos EUA eram islâmicos.
Entretanto, o MSN não tem tido dificuldade de mirar grupos cristãos por atividades contra o aborto e contra o chamado “casamento” gay. Em sua luta contra o “terrorismo”, o MSN está monitorando os cristãos, inclusive meu blog.
Esse quadro nos dá uma ideia de como virá a definição de terrorismo para a lei brasileira, que seguirá as principais preocupações do governo e da mídia, que obedecem fielmente à “doutrina” de Bush e Obama: o islamismo é uma religião de paz. A preocupação deles, pois, não são os islâmicos.
A preocupação obsessiva da mídia e do governo do Brasil tem sido os cristãos e sua “homofobia”, e cada agressão e assassinato de homossexuais em pontos de prostituição às altas horas da madrugada deixa os jornalistas esquerdistas com um prato cheio para passar uma semana criticando a “homofobia” cristã, “incitadora” de agressões e assassinatos.
Com a lei antiterrorismo em vigor, esses jornalistas poderão manobrar suas “reportagens” para cobrar a ação do governo contra o “terrorismo” e contra as fontes de financiamento. No meu caso, mesmo sem uma lei brasileira, a campanha de um grupo gay dos EUA encerrou minha conta no PayPal.
Como então definir o que é terrorismo no Brasil? Se um jornalista perguntar a um ativista gay se ele considera como “terrorista” um cristão que se opõe ao “casamento” homossexual ou à adoção de crianças por duplas gays, a resposta dele será um retumbante “sim”. E o governo e a mídia são todo ouvidos para eles.
Não tenha pois falsas expectativas. Se a lei antiterrorismo for aprovada, o Brasil estará dando um importante passo para a “americanização” de suas leis.
Com informações do Estadão.

Grécia causa revolta ao colocar pedofilia na lista de “deficiências físicas”

Posted in deficiência física, Grécia, pedofilia by juliosevero on 19 de janeiro de 2012

Grécia causa revolta ao colocar pedofilia na lista de “deficiências físicas”

17 de janeiro de 2012 (FRCblog.com) — Esta semana trouxe ainda outro daqueles casos que fazem qualquer um dizer: “Você só pode estar brincando!”
A Associated Press noticiou que o governo grego expandiu sua lista de “deficiências físicas” oficialmente reconhecidas para incluir os pedófilos (e também os que gostam de exibir os órgãos sexuais, os cleptomaníacos e os piromaníacos [indivíduos que têm impulso doentio de provocar incêndios]).
Isso significa que os pedófilos na Grécia estão agora em condições de receber salários por deficiência física totalmente pagos pelo governo. Eles vão receber não apesar da pedofilia, mas por causa dela.
Presumo que a classificação de “deficiência física” tenha origem nas iniciativas que identificam a pedofilia como doença mental. Mas nem toda “doença” é uma “deficiência física”. A Wikipédia oferece várias definições de “deficiência física”, mas um conceito central é a existência de uma “restrição na capacidade de realizar uma atividade normal da vida diária”. Os pedófilos não têm uma “restrição na capacidade de realizar uma atividade normal”. Eles têm uma inclinação de realizar uma atividade anormal. Isso não é deficiência física.
Remover a pedofilia da esfera da condenação moral e colocá-la na esfera da saúde mental é um passo a mais para normalizá-la. Alguns defensores da pedofilia, como aqueles que participaram de uma conferência de Baltimore no ano passado, gostariam de ir muito mais longe, removendo a pedofilia totalmente da lista de desordens mentais. Agora a Grécia esta a beira de efetivamente financiá-la.
Levada ao extremo, a atitude do governo grego corre o risco de criar um incentivo realmente pervertido — para que indivíduos saudáveis se tornem (ou finjam ser) pedófilos meramente para obter os pagamentos de assistência do governo.
Felizmente, os que defendem os deficientes físicos na Grécia estão condenando a atitude governamental como “incompreensível”. Yannis Vardakastanis, que é cega, disse: “Não é realmente certo dar aos predadores sexuais uma proporção de 20 a 30 por cento, e só 10 por cento aos diabéticos”.
Considerando a crise econômica que vem confrontando a Grécia em anos recentes, é de assustar que eles chegariam ao ponto de considerar dar pagamentos para pedófilos.
Publicado com permissão de FRCblog.com
Anarquia sexual: o legado de Kinsey, da Dra. Judith Reisman
Anarquia sexual, de Matt Barber
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 4.799 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: