Julio Severo

Luiz Mott: Pedofilia já!

Posted in Uncategorized by juliosevero on 6 de agosto de 2007

Aviso: a matéria abaixo, escrita por Jael Savelli, contém trechos altamente obscenos extraídos de sites homossexuais. Por isso, pede-se aos pais que não permitam que seus filhos pequenos leiam a matéria.

Luiz Mott: Pedofilia já! Enquanto ainda estou com tudo em cima…

Texto de Jael Savelli

“Se Deus não existe, então tudo é permitido”. Dostoievski

“Tudo é permitido a quem age a favor da revolução”. Collot d’Herbois

“Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem, mal; que fazem das trevas luz e da luz, trevas; põem o amargo por doce e o doce, por amargo!” Isaias 5:20

“Não vos enganeis, de Deus não se zomba, pois tudo o que o homem semear, isto também ceifará”. (Gálatas 6:7).

Luiz Mott, 61 anos, é decano do Movimento Homossexual no Brasil; fundador do Grupo Gay da Bahia; autor de um artigo em que afirma que Jesus era um sodomita ativo e o evangelista São João, seu amante favorito.

http://www.gaybrasil.com.br/mott.asp?Categoria=Artigos&Codigo=256

Professor Titular do Departamento de Antropologia da UFBa; membro da Comissão Nacional de Aids do Ministério da Saúde – CNAIDS e do Conselho Nacional de Combate à Discriminação do Ministério da Justiça, agraciado com o grau de Comendador da Ordem do Rio Branco pelo presidente FHC.

http://diversidadetucana.zip.net

Luiz Mott é o mentor e principal articulador do Projeto de Lei 122/2006, a chamada Lei Anti-Homofobia, aguardando aprovação pelo Senado Federal, e de inúmeras leis semelhantes que estão sendo votadas e aprovadas nos estados e municípios da União: “Já há quase 80 municípios que proíbem a discriminação contra os homossexuais. Em São Paulo, além da capital, Cabreúva e São Bernardo do Campo. Lutamos para que seja incluída na Constituição Federal a proibição de discriminar por ‘orientação sexual’, como acontece na Constituição da África do Sul”.

http://br.geocities.com/luizmottbr/entrev13.html

Pesquisando no Google sobre a vida e a obra de tão ilustre cidadão, deparei com um site de pedófilos brasileiros onde há uma indicação com louvores para a leitura da crônica “Meu Moleque Ideal”, de autoria do Professor Luiz Mott.

Meu Moleque Ideal

Elogios de pedófilos ao artigo

Pedofilia & Pederastia – O sexo entre Adultos & Jovens

Descobri que os pedófilos identificam a si mesmos como “homens que amam meninos”. A repulsa que experimentamos diante da idéia de crianças serem atraídas, enganadas e usadas sexualmente por adultos, eles chamam depreciativamente de “pânico moral” ou de “histeria da opinião pública”. O Doutor Luiz Mott provê adiante uma amostra exemplar do que exatamente estes “amantes de ‘moleques’” estão falando ao se referirem a “amor”.

Enfim, Luiz Mott em suas próprias palavras:

“Meu nome é Luiz Roberto de Barros Mott. Nasci em 6 de maio de 1946”.

http://br.geocities.com/luizmottbr/autobio.html

“Eu fui casado cinco anos, tenho duas filhas e sou bichona”.

www.terra.com.br/istoegente/43/reportagens/rep_gays.htm

“No seminário, tanto quanto no noviciado, fui um adolescente marcado pela espiritualidade… Realmente vivia o dia todo pensando em Deus…”

“Ainda tinha um pouco de preocupação cristã na faculdade, mas… Com a leitura de A Ideologia Alemã… e depois estudando antropologia, me dei conta que as minhas verdades absolutas, em termos de cristianismo, eram relativas…”

“Como sentia atração homoerótica… fui vendo como o cristianismo era intolerante, repressor e equivocado em relação a isso. Neste sentido, o materialismo histórico poderia… resolver as minhas angústias existenciais”.

“Com o tempo deixei de acreditar em Deus”.

“Portanto, deixei de ter qualquer tipo de consciência pesada, no que refere a essa forma de relação”.

Casualmente, encontrei um rapaz numa dessas aventuras noturnas Na época, eu devia ter uns trinta anos e ele uns dezoito ou dezenove. Este foi um grande encontro!”

“Queria estar apenas com ele, realmente mudar de vida e assumir-me exclusivamente homossexual. Isso após cinco anos de um casamento tranqüilo. Foi um processo extremamente traumático”.

“Na época, minha mulher estava fazendo o mestrado… Ela reagiu negativamente… Isso causou um trauma familiar enorme”.

“Minha ex-mulher mudou para sua cidade natal… Fiquei em Campinas, morando com ele… numa outra casa que comprei. Após um ano de felicidades, notamos que éramos muito diferentes e resolvemos nos separar”.

“Campinas se tornou muito pequena para mim… muito familista. Há muito tempo possuía uma fantasia de viver no nordeste… na Bahia. Era o lugar do Brasil onde me sentia mais desejado sexualmente. Ao mesmo tempo, onde encontrava os parceiros que mais preenchiam minhas fantasias sexuais… sempre gostei de negros”.

“Hoje, após 30 anos de separação, não me arrependo um só minuto desta decisão. Para mim, a homossexualidade foi uma graça!”

“Nos últimos 36 anos de prática homoerótica, calculei que devo ter transado mais ou menos com uns 500 homens diferentes”.

Aviso: É absurdamente obsceno o que vem a seguir. Tem que ter estômago forte para ler. Sinto muito, mas foi necessário incluir aqui estas declarações que o próprio Luiz Mott fez.

Considero-me um gay felizardo pois amo e sou amado por um homem maravilhoso que preenche plenamente minhas fantasias e desejos sexuais, afetivos e de companheirismo.

Analisando friamente as razões que levariam dois homens (ou duas mulheres, ou um homem e uma mulher) a viver com exclusividade uma paixão afetiva e erótica, creio que esta fidelidade poderia ser explicada quando menos por uma motivação bastante prática e mesmo oportunista: a dificuldade de encontrar um substituto melhor. Essa regra, constrangedora de ser constatada e verbalizada, parece ser universal: no dia em que a gente encontrar alguém que ofereça mais tesão, amizade e companheirismo do que a transa atual, ninguém é besta de continuar na mesmice em vez de optar pelo que promete ser muito melhor.

No fundo, todos nós, gays (e não gays) alimentamos em nossa imaginação um tipo ideal do homem que gostaríamos de amar e ter do lado. E que nem sempre é igual à nossa paixão atual. O ideal pode ser alto e branco, o real, baixo e preto.

No meu caso, para dizer a verdade, se pudesse escolher livremente, o que eu queria mesmo não era um “homem” e sim um meninão. Um “efebo” do tipo daqueles que os nobres da Grécia antiga diziam que era a coisa mais fofa e gostosa para se amar e foder.

Se nossas leis permitissem, e se os santos e santas me ajudassem, adoraria encontrar um moleque maior de idade mas aparentando 15-16 anos, já com os pentelhos do saco aparecendo, a pica taludinha, não me importava a cor: adoraria se fosse negro como aquele moleque da boca carnuda da novela Terra Nostra; amaria se fosse moreninho miniatura do Xandi; gostaria também se fosse loirinho do tipo Leonardo di Caprio. Queria mesmo um moleque no frescor da juventude, malhadinho, com a voz esganiçada de adolescente em formação. De preferência inexperiente de sexo, melhor ainda se fosse completamente virgem e que descobrisse nos meus braços o gosto inebriante do erotismo. Sonho é sonho, e qual é o problema de querer demais?!

Queria que esse meu príncipezinho encantado fosse apaixonado pela vida, interessado em aprender comigo tudo o que de melhor eu mesmo aprendi nestes 50 e poucos anos de caminhada. Que gostasse de me ouvir, que se encantasse com tudo que sei fazer (desde pudim de leite e construir uma estante de madeira, a cuidar do jardim e navegar na internet), querendo tudo aprender para me superar em todas minhas limitações. Que acordasse de manhã com um sorriso lindo, me chamando de painho, que me fizesse massagem quando a dor na perna atacar. Honesto, carinhoso, alegre e amigo. Que me respondesse sempre ao primeiro chamado, contente de ser minha cara metade.

Quero um moleque fogoso, que fique logo com a pica dura e latejando ao menor toque de minha mão. Que se contorça todo de prazer, de olho fechado, quando lambo seu caralho, devagarinho, da cabeça até o talo. Que fique com o cuzinho piscando, fisgando, se abrindo e fechando, quando massageio delicadamente seu furico. Cuzinho bem limpo, piscando na ponta do dedo molhado com um pouquinho de cuspe é das sensações mais sacanas que um homem pode sentir: o moleque querendo meu cacete, se abrindo, excitado para engolir a manjuba toda. Gostosura assim, só dois homens podem sentir!

Assim é como imagino meu moleque ideal: pode ser machudinho, parrudo, metido a bofe. Pode ser levemente efeminado, manhoso, delicado. Traço os dois! Tendo pica é o que basta: grossa ou fina, grande ou pequena, torta ou reta, tanto faz. Se tiver catinguinha no sovaco, uma delícia! Se for descarado na cama e no começo da transa quiser chupar meu furico, melhor ainda. Sem pudor, sem tabu.

Ah, meu menino lindo! Se você existir, se você algum dia me aparecer, que seja logo, pois quero estar ainda com tudo em cima e dar conta do recado, pois do jeito que quero te amar e que vamos foder, vou precisar de muito mocotó ou viagra para dar conta do rojão….”.

Declarações de Luiz Mott registradas em Meu Moleque Ideal:

http://br.geocities.com/luizmottbr/cronica6.html

Sonho é sonho qual é o problema de querer demais?!”

Se as minhas pesquisas acadêmicas provam e os meus dados científicos demonstram que…

“Estudos comprovam que ainda no útero o bebê já tem ereção e a teoria de Freud sobre a libido infantil hoje é aceita por todos”…

“O princípio secularmente imposto pelo cristianismo de que o sexo só é permitido após a bênção nupcial, fere um direito humano fundamental, inclusive dos jovens e adolescentes: o direito ao exercício de sua sexualidade e respeito à sua livre orientação sexual”.

“Direito inclusive que têm os jovens em escolher eventualmente um adulto como seu parceiro afetivo e sexual”…

Portanto…

“…que nossas leis sejam mudadas e sobretudo, que se mudem as mentalidades …daqueles que, sob a desculpa de proteger a inocência dos mais jovens, negam o direito inalienável das crianças e adolescentes de terem respeitadas sua livre orientação sexual e sua liberdade sexual”.

Pois…

O que foi bom para bárbaros e gregos deve ser ótimo para crianças, adolescentes e jovens brasileiros:

Inseminação aos primeiros sinais de puberdade com penetração anal por três anos e sexo oral praticado por meninos nos homens e rapazes mais velhos…

“Estudos antropológicos, acerca do comportamento das tribos em Papua (Nova Guiné) e nas ilhas da Melanésia, fornecem dados que evidenciam a atividade homoerótica, com graus de diferenciação, mas pautadas num mesmo princípio: de modo geral, acreditava-se que os meninos não produziam seu esperma naturalmente, daí, surgia a necessidade de inseminá-los aos primeiros sinais de puberdade, num processo de transição da infância para vida adulta”.

“Ao término da infância, todo menino era separado da mãe e retirado da casa das mulheres para dormir na casa dos homens, cabia ao tio materno a penetração anal, pelo período aproximado de três anos, assim, o esperma seria fornecido à criança, juntamente com suas propriedades de força e coragem necessárias à vida adulta”.

Para os Sambia, que viviam no interior da selva de Papua, o ritual de iniciação tinha um caráter processual: a inseminação ocorria pelo sexo oral, em que, num primeiro estágio, os meninos praticavam nos homens e rapazes mais velhos. Gradualmente, havia uma inversão dos papéis, em que o menino passava ensinar a felação aos iniciados. Ao atingir a maturidade sexual, era realizada uma cerimônia, na qual, já adulto, o menino era incorporado ao grupo dos homens e tornava-se caçador”.

Na Nova Guiné, entre os baruia, o sexo oral entre os homens de diferentes gerações e status é uma regra social e culturalmente aceita: nesse grupo cultural existe a crença de que a energia vital é transmitida pelo esperma, assim, os homens mais novos e as mulheres devem ser alimentados pelos homens mais velhos com essa energia”.

Grécia Antiga — “entre os atenienses, apenas os homens eram considerados cidadãos e tinham, portanto, direito e acesso ao conhecimento. Era comum e legítimo o relacionamento sexual entre o professor e o aluno, considerado o relacionamento amoroso mais sublime entre dois homens”.

No Candomblé a sexualidade é entendida como um processo de troca de energias (‘axé’) e para lidar com as divindades é preciso estar cheio dessa energia. Desta forma, em determinados períodos rituais, o ato sexual é proibido sem haver, contudo, interdições referentes à homossexualidade ou à bissexualidade, que são reconhecidas como formas legítimas de vivenciar a sexualidade humana”.

“Uma educação diferenciada… poderá fazer desabrochar em todo o menino, o seu lado feminino e em toda menina, o seu lado masculino. Afinal, as crianças nascem para serem felizes”

Fonte: Guia de Prevenção das DST/Aids e Cidadania para Homossexuais
organizadora: Lilia Rossi Ministério da Saúde Secretaria de Políticas de Saúde
Coordenação Nacional de DST e Aids Setembro 2002

http://www.aids.gov.br/data/documents/storedDocuments/%7BB8EF5DAF-23AE-4891-AD36-1903553A3174%7D/%7BBDD340E2-7A14-4210-B4B9-DD5E8522C088%7D/guia_prevencao_dst_aids_cidadania_homossexuais.pdf

“Se nossas leis permitissem…”

Tentando dissimular o que explicitamente confessa, Luiz Mott refere-se aos seus delírios pedófilos como se fossem meros “sonhos”. Como fosse um cândido poeta, e não o ativista homossexual frio e pragmático que tem conseguido perverter as leis do país fazendo-as convergir para a realização de todos os seus sonhos “homoeróticos”. Sua cobiça é monstruosa e não conhece limites. Provocador, ele desafia: “qual o problema em querer demais?”

“Que nossas leis sejam mudadas e sobretudo, que se mudem as mentalidades…”

CONSPIRAÇÕES POR E-MAIL

Entre outros, “o problema” é o uso abusivo que ele faz do aparelho do Estado com o propósito de sujeitar todas as famílias brasileiras aos seus ideais obscenos. As estatísticas mentirosas, forjadas, para exigir tratamento e direitos especiais além dos que são providos ao cidadão comum. O problema são suas conspirações pela legalização da pedofilia. Como a que está registrada em uma troca de e-mail com Leo Mendes, membro da Comissão de articulação dos movimentos sociais do PN/Aids, e com Regina Facchini, antropóloga e vice-presidente da Parada do Orgulho Gay de SP. Trata-se de uma aula prática de engenharia social conforme descrita por Olavo de Carvalho tantas vezes.

No tal e-mail Luiz Mott e Leo Mendes aparecem tentando manobrar Regina Facchini a fim de convencê-la a iniciar e promover o debate sobre legalização da pedofilia junto às ativistas lésbicas. Regina, mais realista que os dois homens, esquiva-se da tarefa alegando que:

“Do ponto de vista da ciência política, sabe-se que independente de usar um termo mais amplo ou mais circunscrito, dificilmente um pedófilo viria a público reivindicar seus direitos ou que o movimento por diversidade sexual o defendesse, simplesmente pq é bastante forte a idéia de que a pedofilia é algo abominável na nossa sociedade”.

A líder lésbica argumenta que ainda é cedo para manobra tão audaciosa. É necessário enfraquecer mais a moral conservadora, ainda predominante no Brasil, antes que a batalha na frente legal/jurídica pela legalização da pedofilia possa ser iniciada. E esta forma de luta está sendo travada através do ativismo político, organizado, nas universidades e através da ‘convivência comunitária’. É preciso aguardar que mais e mais formadores de formadores de opinião sejam formados dentro das universidades e saiam em campo formando advinhem “qual” opinião.

“Um termo como diversidade sexual me parece ter por foco combater a idéia de que há apenas uma sexualidade inteligível, a heterossexual reprodutiva que estabelece famílas sólidas e relações duradouras e monogâmicas. Talvez a atuação por esse caminho nas universidades, que são locais de formação de formadores de opinião, melhore as condições para a luta jurídica/legal num futuro próximo”.

Regina aproveita para parabenizar o vaidoso decano por uma ‘estratégia genial’ muito bem sucedida: os dados falsos sobre assassinatos de homossexuais motivados por ‘homofobia’.

“Ainda que não seja o tipo de trabalho que eu faria, reconheço a coleta de dados sobre assassinatos que vc faz como uma estratégia absolutamente genial para vencer a invisibilidade da violência contra homossexuais”.

PEDÓFILOS ASSASSINOS E DIVERSIDADE SEXUAL é o título das mensagens escolhido por Leo Mendes e defendido por Luiz Mott nos seguintes termos:

“Creio que Leo, sempre tão arguto e ‘agent provocateur’, quiz chamar a atenção para tal polemica ao associar diversidade sexual a pedofilia – que no meu entender, é perfeitamente associável, pois diferentemetne de ORIENTAÇÃO SEXUAL, que inclui apenas Homo, Hetero e Bissexualidade, a Diversidade e a LIvre Expressão sexual incluem todas manifestações libidionosas, inclusive as anti-sociais e ilegais”.

O gancho para introduzir a ‘provocação’ é uma notícia de jornal sobre um nebuloso caso policial ocorrido a cerca de 15 anos — em Altamira, no Pará:

Meninos, com idade entre 8 e 14 anos, foram seqüestrados e castrados na cidade de Altamira, localizada a 777km de Belém. Segundo o Ministério Público, os crimes que aconteceram entre 1989 e 1993 foram motivados por rituais de magia negra. As crianças encontradas, mortas ou vivas, estavam nuas, algumas com orifícios de arma de fogo, queimaduras de cigarro, olhos arrancados, pulsos cortados, órgãos sexuais extirpados cirurgicamente, sofreram abuso sexual e sevícias”.

http://www.google.com/search?q=meninos+emasculados+parana+&rls=com.microsoft:pt-br:IE-SearchBox&ie=UTF-8&oe=UTF-8&sourceid=ie7&rlz=1I7GGLG

Eis aí, estes auto-denominados defensores dos direitos humanos, como operam nos bastidores. Meninos foram barbaramente abusados até a morte. E tudo o que mereceu a atenção dos ativistas sociais foi a utilidade do “tema” para avançar algumas posições na sua guerrilha moral contra as famílias brasileiras. Sem esboçar a mínima sombra de compaixão ou sequer respeito pela memória das vítimas.

Em público apresentam-se como vítimas da sociedade e como os mais sinceros defensores dos interesses das crianças e dos jovens. Mas, no escurinho da web compartilham sentre si a face sinistra do seu amor por garotos. O que querem mesmo, a qualquer custo, é a permissão e a proteção do estado para poderem perpetrar sua pedofilia, livres de qualquer embaraço.

É importante lembrar que toda esta perversidade começa com grande auto-complacência seguida da escolha de uma ideologia favorável, resultando em mais auto-permissividade e mais reforço ‘dialético’, em espirais descendentes infernais.

Assim como faz com seus amantes (500 em 36 anos de atividades homoeróticas), Mott selecionou de forma “bastante prática e mesmo oportunista” a divindade a quem iria seguir. Um Deus soberano, criador e legislador do universo, não se enquadrava nos seus planos egocêntricos. Luiz Mott não seria “besta” de permanecer fiel às exigências morais de Deus, quando Karl Marx lhe prometia “um outro mundo possível”. Um mundo feito só de direitos e de nenhum dever em contrapartida. O Criador dos céus e da terra não era mesmo o tipo ideal de deus para Luiz Mott. Pior para quem?

“Como sentia atração homoerótica… fui vendo como o cristianismo era intolerante, repressor e equivocado em relação a isso. Neste sentido, o materialismo histórico poderia… resolver as minhas angústias existenciais”. “Com o tempo deixei de acreditar em Deus”.

“Portanto, deixei de ter qualquer tipo de consciência pesada, no que refere a essa forma de relação”.

Um abismo chama outro abismo. Tal é a situação espiritual e mental destes homens e mulheres. Estão mergulhados em densas trevas. Sua própria cobiça enredou-os. Do vale da morte por onde erram só é possível escapar com a intervenção pessoal e direta de Deus. Mas, seria necessário que o perdido fizesse a coisa mais difícil e humilhante que um orgulhoso amante de si mesmo jamais faria livremente: Negar-se a si mesmo e implorar por perdão e ajuda.

Trechos das mensagens trocadas entre Luiz Mott, Leo Mendes e Regina Facchini:

DIVERSIDADE SEXUAL – PEDÓFILO ASSASSINO

http://archives.lists.indymedia.org/cmi-mulheres/2004-April/001006.html

Assunto: Re: Re: DIVERSIDADE SEXUAL — PEDÓFILO ASSASSINO p/ MOTT e demais

[Cmi-mulheres] repassando (que nao deve ser repassada) discussao – feminismo, diversidade sexual

isadoralins em riseup.net isadoralins em riseup.net

Sexta Abril 30 20:46:08 PDT 2004

Mensagem anterior: [Cmi-mulheres] repassando discussao – feminismo, diversidade sexual

Mensagens classificadas por: [ date ] [ thread ] [ subject ] [ author ]

>Gente, Achei tao interessante a discussao q repassei pra cah meio sem pensar.

>Agora acho q posso ter feito algo nao muito legal, pq tirei uma discussao do seu contexto, q as pessoas escreveram pra uma outra lista e taquei aqui. Peço encarecidamente que nao repassem por ai. Beijos,Isa.

>Estou repassando uma msg da lista gls pra cá. É uma discussao muito boa e ilustrativa dos mais recentes embates dentro do movto. homossexual e feminsita, e acho que o jargao academico tah traduzidinho o suficiente.

>— Em listagls em yahoogrupos.com.br, Luiz Mott <luizmott em u.. escreveu

>Regina, como vai querida?

>otimo teu questionamento, pois assim voce poderia iniciar uma discussão teórica,

>já que és mestra em antropologia, a respeito do termo DIVERSIDADE SEXUAL.

>Sugiro também que, se quiseres e puderes, faça o papel de advogada de defesa do termo

>LIVRE EXPRESSÃO SEXUAL pois, diferentemetne de ORIENTAÇÃO SEXUAL, que inclui >apenas Homo, Hetero e Bissexualidade, a Diversidade e a Livre Expressão sexual >incluem todas manifestações libidionosas, inclusive as anti-sociais e ilegais.

>Estou aberto a discussão e, dialeticamente, a mudar de ponto de vista, desde que os >argumentos sejam sólidos e convincentes, de preferencia, com embasamento bibliográfico.

>Está lançada a sugestão. Conto contigo.

>Abraço amigo, Luiz Mott

CONTEÚDO INTEGRAL AQUI:

http://archives.lists.indymedia.org/cmi-mulheres/2004-April/001006.html

http://lists.indymedia.org/pipermail/cmi-brasil-editorial/2007-March/0317-1o.html

Esta troca de e-mail aconteceu em maio/abril-2004, de fato, pode-se observar que desde então os termos ‘diversidade’ e ‘livre expressão sexual’ passaram a ser utilizados maciçamente pelo movimento homossexual e progado pela mídia ad eternum.

Fonte: Blog Jael Savelli

About these ads

5 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Anonymous said, on 16 de junho de 2009 at 20:41

    SOBRE A LIBERDADE DOS HOMENS E MULHERES DE BEM!

    Hoje, eles fazem passeata na Paulista exibindo suas genitálias, fazem sexo explicito na porta do Banco Safra (fonte Rede Record).

    Verdade que não vou levar meu filho lá nessa hora. Também não vou levar minha filha na Av. Indianópolis, como também na Cidade Universitária, como também na Cruzeiro do Sul, como também na Rua Augusta, como também…. nem sei mais aonde, e em um futuro próximo talvez tranca-la dentro de casa e desligar inclusive a televisão.

    Se pegar um sapo e coloca-lo em um caldeirão de água fervente ele com certeza vái pular fora e se não conseguir, morre quase imediatamente.

    Se pegar um sapo, coloca-lo em um caldeirão de água fria e aquece-lo aos poucos ele fica lá e morre sem perceber!

    Que ninguém se surpreenda se daqui a algum tempo, não haverá passeatas e movimentos em favor da "pedofilia". Com certeza vão haver até "cientistas" que defenderão o direito sexual das crianças, alegando que com a "evolução de hoje" se pratica sexo cada vez mais cedo.

    Bem! É verdade sim. E é muito incentivado pelos meios de comunicação. Tem até um canal do governo (NBR da TV a cabo) que orienta jovens homosexuais na sua grade de programação.

    Homosexualismo virou homosexualidade, deixou de ser doença. Plutão deixou ser planeta, passou a ser um corpo do Cinturão de Keiper mas seus efeitos na mecânica do sistema solar não mudou em nada.

    "PARA QUE O MAL TRIUNFE BASTA QUE OS BONS NÃO FAÇAM NADA.

  2. Anonymous said, on 19 de junho de 2009 at 13:01

    Onde é que estão os investigadores da polícia para intimar esse vagabundo ? onde está o Deputado Magno , que investiga os casos de pedofilia para intimar esse pedófilo heim ? isso é um caso para a polícia Federal investigar … é só denunciar .

  3. FADLO- POEMAS E VERSOS said, on 6 de julho de 2009 at 4:33

    Júlio Severo, tenho no seu blog, lido e meditado muito sobre estes fatos que você expõe, e apesar de divergirmos em matéria de religião, não posso deixar de admira-lo quanto sua firmeza na intransigente defesa da moral e dos bons costumes. Este homem é um perigoso subversor da mais sagradas instituições que o cristianismo nos legou: a família, e suas declarações sobre a ilibada conduta moral e ética de JESUS, merece todo nosso repúdio. Seus sonhos eróticos com efebos, podem não ser apenas devaneios, mas sim a camuflagem de um comportamento que deveria ser investigado pela polícia e pelo Ministério público. O Senador Magno Malta deveria se interessar pelo tal Dr. Mott. Talvez que ja tenha chegado a hora dos homens de bem deste país, efetivamente a maioria da população, irmos a rua, em comícios e passeata em defesa da moral e dos bons costumes. Temos de agir com mais agressividade e acho que uma campanha para coleta de assinaturas num abaixo assinado, faria com nossas autoridades se concientizassem de que a vontade da maioria deve ser imposta, como soe acontecer em todo o regime democrático que se preze. Em última instância e já esgotados todos os recursos, há que se mirar naquela célebre personagem francesa, quando, ante a tirania e o despotismo exclamou: Ás armas cidadãos.

  4. Anonymous said, on 6 de julho de 2009 at 19:47

    Não tenho palavras para demonstrar a tamanha aversão a estas pessoas.
    Não sei como não mandaram prender esse tal de Luís Mott, que é um doente, demónio, filho da puta, viado da merda!!! Se o Brasil fosse um país justo, esse viado cabrão e todos os líderes que o apoiam seriam presos, e se eu fizesse as leis, mandaria cortar os colhões desse viado em praça pública para dar o exemplo para todos os pedófilos viados que desejam introduzir essa putaria na nossa sociedade que já está completamente fodida. Quero que esse viado vá apanhar no cú, que é a única coisa cuja ele talvez seja mais competente a realizar, e pare, PARE de tentar estuprar as crianças que são inocentes e lindas e não precisam de um gay pedófilo filho da puta lhes arranque essa inocência só porque lhe dá pazer. E o governo brasileiro devia ter vergonha de não prender esse pedófilo e de deixá-lo à solta provavelmente a violar criancinhas!!! Luís Mott é um viado paneleiro filho da puta e estuprador de crianças!!!!!
    P.S: Não tenho nada contra gays.

  5. FADLO- POEMAS E VERSOS said, on 15 de julho de 2009 at 21:55

    Nosso protesto também pode ser efetuado sob a forma de poema. Este fala de um homossexual que morrendo resolveu dar seu testemunho. É fictício.

    TRISTE DESTINO

    Meu Deus, meu Deus, onde estou, me entristece,

    Este lugar terrível em que a angústia cresce.

    Por certo não é o céu, não vejo criaturas,

    De trajes rutilantes, só prantos e amarguras.

    Passam por mim espectros rotos, esfarrapados,

    Sujos, disformes, famélicos, de olhos esgazeados.

    Vagando sem destino nestas terras calcinadas,

    Na tenebrosa dor das almas condenadas.

    Brota do chão um fogo que causa ardência,

    E fede mais que pútrida flatulência.

    Eu sei que já morri, abala o meu juízo,

    Não haver para os gays um belo paraíso,

    Cheio de entendidos, de cornos e de putada,

    Cheio de travestis e de toda a viadada.

    Onde estou? Que horror, ninguém responde.

    Ai! Quem me espeta o garfo no traseiro?

    - Eu, Sodomeu, e vou assá-lo no braseiro.

    Diz um rubro diabinho a sorrir todo feliz.

    Não, não, por piedade me esclarece o que eu fiz?

    - Ah, não sabe? Então escuta: o sodomita,

    Mesmo que a lei humana permita,

    Debocha das Leis de Deus, de tal sorte,

    Que despenca no inferno logo depois da morte.

    Não, eu tive boa fé, na terra fui iludido,

    Havia leis protegendo e nada foi proibido.

    Se errei, peço perdão, pois jamais pude entender,,

    Que família é dom divino, é abrigo e bem querer,

    Onde homem e mulher a viver em harmonia,

    Criarão todos seus filhos com amor e alegria.

    Mas, eu fiz do amor pecado toda minha preferência,

    Que agora é tormento para minha consciência.

    Ao me ver todos diziam: que prendado e belo moço,

    Um escritor de talento, e das moças o alvoroço,

    Mas se a vida transcorria em tranqüilo otimismo

    Como pude despencar bem no fundo deste abismo?

    Como pude ignorar que a sábia Lei Divina,

    O homossexualismo humano , condena e abomina?

    E a cada homenagem que me prestam lá na terra,

    A lembrança me aflige e o remorso me aterra.

    Transgressores como fui, não terão mais piedade,

    E viverão em pranto e dor, pela longa eternidade….

    Faz-se silêncio no Templo, o médium desincorpora

    E pede a Deus que proteja este irmão, que agora,

    arrependido, vem buscar dos homens a oração.

    Para novo recomeço, sob as bençãos do Senhor,

    que abomina o pecado, mas que ama o pecador.

    Fadlo Dualibi Neto


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 4.799 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: